Ventura alvo de processo por assédio e discriminação racial – Jornal de Notícias

André Ventura, líder do Chega
Foto: Gonçalo Delgado/Global Imagens
O líder do Chega, André Ventura, foi alvo de um processo por assédio e discriminação racial, instaurado pela Comissão para a Igualdade e contra a Discriminação Racial. Em causa estarão as palavras dirigidas por Ventura contra a comunidade cigana.
O JN confirmou a informação junto de fonte do Chega, que referiu que o processo foi aberto na sequência de uma denúncia da associação Letras Nómadas, que representa a comunidade cigana. Até ao momento, ainda não foi possível obter uma resposta da parte da Comissão.
“Pidesco”. Votos do Conselho Nacional do Chega “não foram secretos”
Nacional. Vereador fechou sede do Chega por falta de apoio e deverá sair
Nacional. Santos Silva repreende Ventura: “Nenhum grupo étnico tem o exclusivo da malvadez”
Ao que o JN apurou, André Ventura irá recorrer para o Tribunal Administrativo de Lisboa, por considerar o processo ilegal e inconstitucional.
Num vídeo em direto no Facebook, publicado esta terça-feira, André Ventura considerou que o país está a caminho de uma “venezuelização”, por tanto ele como o Chega estarem “cada vez a ser mais escrutinados”.
Falando em “tentativa de perseguição”, garantiu que não irá mudar o seu estilo sequer “um milímetro”. E acrescentou: “Nem eu nem o Chega estamos com medo ou com receio, embora isto seja um sinal preocupante do estado a que o país está a chegar”.
A comunidade cigana, recorde-se, tem sido um dos alvos principais dos discursos do líder do Chega. Na semana passada, Ventura foi repreendido pelo presidente da Assembleia da República devido a um discurso em que, recorrendo a generalizações, censurou a “impunidade brutal” da comunidade.
“Nenhum grupo étnico, seja ele qual for, tem o exclusivo ou da honradez ou da malvadez”, respondeu-lhe, nessa ocasião, Augusto Santos Silva.
Esta não é a primeira vez que Ventura é condenado por racismo. Em 2020, foi obrigado a pagar uma multa de cerca de 400 euros por ter desrespeitado a comunidade cigana e, em 2021, foi multado em 5 mil euros pelo tribunal por ter chamado “bandidos” a uma família de negros residente no bairro da Jamaica, no Seixal.
Receba as notícias do dia e os alertas de última hora. Veja aqui um exemplo.

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.