'Não teremos paz até que os preconceitos sejam superados', afirma Thomas Bach – 20/09/2022 – Diário do Grande ABC

Quinta-Feira, 22 de Setembro
|
esportes@dgabc.com.br | 4435-8384
‘Não teremos paz até que os preconceitos sejam superados’, afirma Thomas Bach
document.write(‘Estadão Conteúdo‘);

20/09/2022 | 16:48

Thomas Bach, presidente do COI, escreveu um artigo condenando o racismo e a discriminação no Dia Internacional da Paz. O dirigente quer solidariedade na base dos Jogos Olímpicos que acontecerão novamente daqui pouco menos de dois anos, em Paris-2024. Confira o artigo:
O tema do Dia Internacional da Paz deste ano: “Acabe com o racismo. Construa a paz”, ecoa de forma particular no COI e no Movimento Olímpico. A ideia fundamental por trás dos Jogos Olímpicos é unir o mundo inteiro numa competição pacífica. A paz está no centro desta missão.
Nos Jogos Olímpicos, os atletas personificam esta missão de paz quando põem de lado as diferenças que dividem o mundo. Competem fervorosamente uns contra os outros pelo prêmio mais alto, enquanto vivem pacificamente juntos sob o mesmo teto na Vila Olímpica. Isto torna os Jogos Olímpicos um poderoso símbolo de paz.
Mas a paz é muito mais do que pôr de lado as diferenças. Trata-se de criar um mundo melhor onde todos possam prosperar, onde as pessoas sejam tratadas com igualdade, e onde não haja lugar para o racismo ou quaisquer outras formas de discriminação.
Pierre de Coubertin reviveu os Jogos Olímpicos para dar uma contribuição à paz por meio do esporte. Ele disse: “Não teremos paz até que os preconceitos que agora separam as diferentes raças sejam superados.”
A não discriminação está, portanto, no DNA do COI e dos Jogos Olímpicos. Nos Jogos, todos são iguais, independentemente da raça, origem social, gênero, orientação sexual ou crença política. O princípio da não discriminação está consagrado na Carta Olímpica. Os atletas dão vida a este princípio durante os Jogos Olímpicos, inspirando bilhões de pessoas em todo o mundo.
Mas, quando se trata de construir uma paz duradoura, a não discriminação sozinha não é suficiente. Não basta apenas respeitarmo-nos uns aos outros – temos de ir mais longe e apoiarmos-nos mutuamente. Temos de nos unir em solidariedade. Não há paz sem solidariedade.
A solidariedade está na base dos Jogos Olímpicos. É por isso que o COI redistribui 90% de todas as suas receitas para apoiar os atletas e o desenvolvimento do esporte em todo o mundo.
Impulsionado pelo nosso compromisso com a solidariedade, o COI criou a primeira Equipe Olímpica de Refugiados para os Jogos Olímpicos Rio 2016 e outra para os Jogos Olímpicos Tóquio 2020. Pela primeira vez na história Olímpica, atletas refugiados competiram lado a lado com as equipes de todos os outros Comitês Olímpicos Nacionais, enviando uma mensagem de esperança e inclusão a todos os refugiados do mundo. Como não têm nenhuma equipe nacional a que pertencer, nenhuma bandeira para marchar atrás, nenhum hino para ser tocado e nenhum lar que possam chamar de seu, recebemos os atletas refugiados nos Jogos Olímpicos com a bandeira Olímpica e o hino Olímpico. Demos-lhes uma casa na Vila Olímpica. A mensagem Olímpica deste momento emotivo foi: vocês são parte da humanidade e enriquecem a nossa comunidade Olímpica.
Hoje, estamos juntos em solidariedade com a comunidade Olímpica ucraniana. O que se aplica à Ucrânia também se aplica a outros membros da nossa comunidade Olímpica. Somos uma organização global. É por isso que apoiamos as comunidades Olímpicas no Afeganistão, no Iêmen e em tantos outros locais afetados por guerras e conflitos em todo o mundo.
Estes esforços de solidariedade também estão na base do nosso compromisso de construir uma melhor compreensão entre as pessoas. Desta forma, o COI vem construindo pontes por meio do esporte e abrindo as portas para compreensão, paz e reconciliação. Isto tem acontecido nos últimos anos em muitas situações de conflito, como na Coreia do Norte e do Sul, na Armênia, no Azerbaijão, na Sérvia, no Kosovo, em Israel, na Palestina, no Irã e em muitas outras.
Num momento em que a humanidade enfrenta tantas crises existenciais ao mesmo tempo, a nossa missão de paz e solidariedade é mais importante do que nunca. Os Jogos Olímpicos não podem evitar guerras e conflitos. Não podem enfrentar todos os desafios políticos e sociais do nosso mundo. Mas podem servir de exemplo de um mundo onde todos respeitam as mesmas regras e uns aos outros.
Há uma nova ordem mundial em construção. Atualmente, já é possível ver que esta nova ordem mundial será mais divisória do que aquela que estamos tentando alcançar.
Esta infeliz tendência é totalmente oposta à nossa missão Olímpica de unir o mundo numa competição pacífica. Sabemos que nestes tempos de divergência e confrontos, não estamos sozinhos na procura por um vínculo comum de humanidade. Milhões de pessoas em todo o mundo anseiam pela paz. Juntamente com todas estas pessoas bem intencionadas, queremos dar a nossa modesta contribuição para a paz, unindo o mundo inteiro numa competição pacífica.

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.
De olho no seu caminho
+
Confira como está o trânsito na sua região
Redes Sociais
+
Cadernos
Colunas
DGABC TV
Publicidade
O Jornal
Copyright © 1995-2022 – Todos direitos reservados
Copyright © 1995-2017 – Todos direitos reservados

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.