ES: Mantenedoras assumem diálogo com indígenas, sem Fundação Renova – Combate Racismo Ambiental

Desocupação dos trilhos, somente após retorno do auxílio emergencial e um cronograma para atender demais pautas
Por Fernanda Couzemenco, Século Diário
Com número recorde de participantes desde o início da ocupação da ferrovia da Vale que atravessa a Terra Indígena Comboios, a segunda assembleia geral das comunidades, realizada na tarde deste sábado (17), reuniu cerca de 500 pessoas ao redor dos trilhos, oriundas de várias das aldeias Tupinkim e Guarani atingidas pelo crime da Samarco/Vale-BHP contra o Rio Doce. Ocorrido em novembro de 2015, é considerado o maior da história do país e da mineração mundial.
O objetivo do encontro foi avaliar os próximos passos da mobilização, após a reunião realizada nessa sexta-feira (16) no Centro de Vitória, no Palácio da Fonte Grande, sede da Secretaria de Estado de Direitos Humanos (SEDH), em que os indígenas ouviram a proposta de acordo apresentada pela Vale e afirmaram a continuidade da ocupação dos trilhos, já que não contemplava as pautas das comunidades. A reunião contou com forte presença de executivos da Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes) e da ONG empresarial ES Em Ação. Os indígenas foram acompanhados das Defensorias Públicas da União e do Estado (DPU e DPES).
O único avanço efetivo da reunião, relata o cacique Vilmar Benedito Oliveira, de Caieiras Velha, foi o aceite da Vale em dialogar diretamente com os indígenas, sem a participação da Fundação Renova, e o compromisso de convocar as outras mantenedoras – Samarco e BHP Billiton – para a mesa de diálogo. A reivindicação posta pelas comunidades desde o início da ocupação dos trilhos, no dia primeiro de setembro, é a revisão do acordo firmado com a Fundação Renova há um ano.
Da mesma forma que os governos do Espírito Santo e Minas Gerais se debruçaram sobre uma repactuação do acordo firmado em 2016, sob liderança do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e diretamente com as mineradoras, sem interferência da Fundação, as comunidades indígenas reivindicam cláusulas e medidas mais justas à dimensão dos impactos na realidade das aldeias, num novo acordo que seja assinado pelas mantenedoras, sem a Renova.
Enquanto a repactuação fracassou, após 14 meses de discussões, devido à intransigência das mineradoras em se comprometer com valores e prazos de reparação e compensação minimamente aceitáveis por partes dos entes públicos, o que levou à decisão de judicialização do caso, em Aracruz, o movimento reivindicatório dos indígenas também não chegou a um ponto pacífico, pelo menos não ainda.
Pontos inegociáveis
As exigências são pelo retorno imediato do pagamento do Auxílio de Subsistência Emergencial (ASE); retorno do programa de retomada econômica; rediscussão do processo indenizatório, que foi pago por núcleo familiar, mas que deve considerado os atingidos individualmente, como ocorreu nas demais comunidades atingidas na Bacia do Rio Doce; e a elaboração do Plano Básico Ambiental Indígena (PBAI), desvinculado do atendimento das demais pautas e que contemple a organização política e social de cada comunidade.
Na assembleia popular deste sábado, os participantes reafirmaram a posição de seus representantes na reunião e decidiram por manter a manifestação na ferrovia até que os pontos reivindicados tenham garantia de atendimento.
Nesta segunda-feira (19), está agendada uma nova reunião, desta vez em Aracruz e, segundo a Vale, com executivos que têm poder de decisão também dentro da Samarco e BHP. Novamente, os indígenas serão acompanhados da DPU e DPES.
Vilmar conta que a condição para desocupação dos trilhos é que ao menos o primeiro ponto de pauta seja atendido. “Se restabelecerem o pagamento do ASE, isso pode abrir um campo de diálogo para os próximos passos. Não uma negociação, mas um diálogo para planejar os termos e prazos de atendimento dos outros pontos”.

Imagem: Redes sociais




19 + 4 =

Se quiser receber nosso boletim diário, é só inscrever-se na aba “Quem somos”, clicando AQUI

source

Educação é "investimento mais importante que qualquer país pode fazer" – Guterres – Canal S+

O secretário-geral da ONU, António Guterres, exortou hoje os Governos de todo o mundo a aumentar o financiamento à Educação, sublinhando que esse é o “investimento mais importante que qualquer país pode fazer”.
Guterres discursou no último dia da Cimeira sobre a Transformação da Educação, um dos principais eventos da 77.ª sessão da Assembleia-Geral da ONU, e no qual exaltou a Educação como “transformadora de vidas, economias e sociedades”, mas frisou que também ela precisa de transformação, por estar em “profunda crise”.
O secretário-geral alertou que cerca de 70% das crianças de 10 anos em países pobres são incapazes de ler um texto básico, explicando que também as nações desenvolvidas padecem de problemas, onde os “sistemas educacionais geralmente consolidam, em vez de reduzir, as desigualdades, reproduzindo-as através das gerações”.
“Os ricos têm acesso aos melhores recursos, escolas e universidades, levando aos melhores empregos, enquanto os pobres – especialmente as meninas – enfrentam enormes obstáculos para obter as qualificações que podem mudar vidas. Pessoas deslocadas e estudantes com deficiências enfrentam os maiores obstáculos de todos”, indicou, acrescentando que a pandemia de covid-19 teve um “impacto devastador na aprendizagem em todo o mundo”.
Lançando duras críticas aos sistemas educacionais que fomentam a aprendizagem mecanizada e a competição por notas, o líder da ONU observou que, frequentemente, os “currículos escolares estão desatualizados”, os “sistemas educativos dão pouca importância à aprendizagem ao longo da vida”, os “professores são mal treinados, subvalorizados e mal pagos”, a “exclusão digital penaliza os alunos pobres” e a “lacuna de financiamento da Educação é maior do que nunca”.
“Não vamos acabar com esta crise simplesmente fazendo mais do mesmo, mais rápido ou melhor. Agora é a hora de transformar os sistemas educacionais”, apelou.
Nesse sentido, e para passar “da visão à realidade”, o ex-primeiro-ministro português apresentou cinco passos, com os quais espera que os líderes presentes na cimeira se comprometam.
Em primeiro lugar, e numa mensagem direta para o Afeganistão – onde os talibãs proibiram escolas secundárias para raparigas -, Guterres pediu que seja protegido o direito à Educação de qualidade para todos, especialmente para as meninas.
“As escolas devem ser abertas a todos, sem discriminação. (…) A partir desta plataforma, apelo às autoridades do Afeganistão: levantem imediatamente todas as restrições ao acesso das meninas ao ensino secundário. A educação das meninas está entre os passos mais importantes para proporcionar paz, segurança e desenvolvimento sustentável em todos os lugares”, exortou.
O segundo passo foi dedicado aos professores, que Guterres classificou como “força vital dos sistemas educacionais”, defendendo um novo foco para as suas funções e habilitações.
“Também precisamos de enfrentar a escassez global de professores e procurar aumentar a sua qualidade, elevando o seu estatuto e garantindo que tenham condições de trabalho decentes e oportunidades de treino e aprendizagem contínuos”, disse.
Em terceiro lugar, o líder das Nações Unidas reforçou que as escolas devem tornar-se espaços seguros e saudáveis, sem lugar para violência, estigma ou intimidação, e que os sistemas educacionais devem promover a saúde física e mental de todos os alunos – incluindo a saúde sexual e reprodutiva.
Uma revolução digital acessível a todos os alunos foi o quarto ponto indicado por Guterres, exortando os países a melhorarem a conectividade para estudantes e instituições de ensino.
Encorajou ainda Governos e professores a trabalhar com parceiros do setor privado em conteúdos de educação digital de alta qualidade.
Por último, António Guterres pediu um compromisso por um maior orçamento para a Educação, frisando que nenhum dos pontos anteriores será alcançado sem um aumento no financiamento da Educação e na solidariedade global.
“Durante estes tempos difíceis, exorto todos os países a proteger os orçamentos da Educação e a garantir que os gastos se traduzam em aumentos progressivos de recursos por aluno e melhores resultados de aprendizagem. O financiamento da Educação deve ser uma prioridades para os Governos. É o investimento mais importante que qualquer país pode fazer no seu povo e no seu futuro”, advogou.
O secretário-geral pediu ainda às instituições financeiras internacionais que disponibilizem recursos e espaço orçamental para os países em desenvolvimento investirem nesse setor e exortou “os parceiros do desenvolvimento a reverterem os cortes e a dedicarem à Educação pelo menos 15% da assistência oficial”.
Guterres incentivou ainda as instituições financeiras internacionais a recorrer ao Fundo de Financiamento Internacional para a Educação, “uma nova ferramenta que visa mobilizar 10 mil milhões de dólares (aproximadamente o mesmo valor em euros) para ajudar 700 milhões de crianças em países pobres a ter acesso a educação de qualidade.
“Vamos garantir que os alunos de hoje e as gerações futuras possam aceder à Educação de que precisam para criar um mundo mais sustentável, inclusivo, justo e pacífico para todos”, concluiu.
A Cimeira sobre a Transformação da Educação, que teve início na passada sexta-feira, reuniu em Nova Iorque jovens, professores, sociedade civil e outras organizações, de forma a apoiar a transformação da Educação em todo o mundo, assim como membros de Governos, de quem se espera uma série de Declarações Nacionais de Compromisso.
Portugal esteve representado na Cimeira pelo ministro da Educação, João Costa, que se reuniu na sexta-feira com António Guterres, e pelo primeiro-ministro, António Costa, que estará hoje presente no evento.

source

UEFA investiga racismo no PSG-Juventus da Liga dos Campeões – Público

Adeptos da Juventus foram acusados de se terem comportado de forma racista, com gestos nazis, sons e movimentos de macaco.
A UEFA vai abrir uma investigação aos incidentes do jogo entre o Paris-Saint Germain e a Juventus, da Liga dos Campeões, que resultou na detenção de quatro adeptos por incitamento ao ódio racial, anunciou nesta segunda-feira o organismo.
Os adeptos da Juventus, que perdeu em Paris por 2-1 na abertura do grupo H, foram acusados, sobretudo através do recurso a fotos e vídeos nas redes sociais, de se terem comportado de forma racista, com gestos nazis, sons e movimentos de macaco.
De acordo com a organização que tutela o futebol europeu, um inspector da UEFA já foi nomeado para conduzir esta “investigação disciplinar”, na qual há pelo menos quatro pessoas já envolvidas após terem sido detidas pela polícia francesa.
As autoridades policiais francesas anunciaram que os quatro indivíduos detidos “foram identificados por vídeo e depois detidos” na mesma noite de terça-feira, 6 de Setembro, devido a “incitação pública ao ódio racial num recinto desportivo”.
A UEFA não adiantou uma data específica para anunciar os resultados da investigação, enquanto o jogo relativo à segunda volta do grupo H entre as duas equipas está marcado para 2 de Novembro, em Turim.
Seja o primeiro a comentar.
Escolha um dos seguintes tópicos para criar um grupo no Fórum Público.
Ao criar um novo grupo de discussão, tornar-se-à administrador e será responsável pela moderação desse grupo. Os jornalistas do PÚBLICO poderão sempre intervir.
Saiba mais sobre o Fórum Público.
Ao activar esta opção, receberá um email sempre que forem feitas novas publicações neste grupo de discussão.
Email marketing por
@ 2022 PÚBLICO Comunicação Social SA
Para permitir notificações, siga as instruções:
Estes são os autores e tópicos que escolheu seguir. Pode activar ou desactivar as notificações.
Receba notificações quando publicamos um texto deste autor ou sobre os temas deste artigo.
Estes são os autores e tópicos que escolheu seguir. Pode activar ou desactivar as notificações.
Para permitir notificações, siga as instruções:

source

Usuário de drogas não comprova dispensa discriminatória e justa causa é mantida – Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região

Você está aqui:
 
Um empregado de empresa do ramo têxtil de Guarulhos-SP não provou ter sofrido dispensa discriminatória por ser usuário de drogas. No acórdão, os magistrados da 18ª Turma do TRT da 2ª Região decidiram, por unanimidade de votos, manter a sentença, que julgou improcedentes os pedidos do trabalhador e concluiu pela não discriminação.
O homem, que se dizia usuário de entorpecentes desde 2017, pretendia obter a anulação de seu desligamento por falta grave, ocorrido em 2021. Pedia reintegração ao trabalho, assim como recebimento dos salários vencidos. Em caso de não acolhimento do pedido, tentava conversão da justa causa em dispensa imotivada, pagamento das verbas rescisórias e liberação das guias para saque do FGTS e habilitação no seguro-desemprego. 
Segundo o empregador, o motivo da extinção contratual foi a desídia do funcionário, que faltou ao trabalho várias vezes sem justificativa. Uma testemunha que atua no departamento pessoal da companhia confirmou as faltas injustificadas, advertências e suspensões. O próprio trabalhador, em depoimento, confessou que não levou atestado e por isso foi dispensado por justa causa no dia seguinte à última ausência.
A juíza-relatora da decisão de 2º grau, Renata de Paula Eduardo Beneti, destaca que “o ônus da prova da dispensa discriminatória é do reclamante, pois se trata de fato constitutivo de seu direito, conforme artigo 818, I da CLT e artigo 373, I do CPC, e deste ônus ele não se desincumbiu”. Ressalta que não há prova de que a empresa soubesse do vício do profissional e “ainda que se admita que ela soubesse, se a reclamada tivesse por política a discriminação de toxicômanos, a dispensa do reclamante teria ocorrido anos antes” do que efetivamente ocorreu.
Também não foi provado que o homem sofresse algum tipo de discriminação no trabalho. Além disso, ele não estava afastado ou em tratamento médico no momento da dispensa.

Entenda alguns termos usados no texto:

Para tirar dúvidas sobre termos e expressões jurídicas, acesse o nosso glossário.
 
Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região
Rua da Consolação, 1272 – São Paulo/SP
CEP 01302-906
CNPJ 03.241.738/0001-39
Horário de Funcionamento:
De segunda a sexta-feira, das 9h às 19h
Telefone PABX (11) 3150-2000
Links Rápidos

source

BE questiona atrasos na criação do observatório do racismo e xenofobia – Notícias ao Minuto

CASA NO MINUTO
CLASSIFICADOS AUTO
Militar deixa cuidados intensivos para serviço de transplantação
AO MINUTO: Fim das cerimónias públicas; Caixão da rainha já foi baixado
Galp: Regresso ao mercado regulado de gás "não é uma medida eficiente"
Catarina Martins considera que Portugal "precisa de soberania alimentar"
Pensões. Documento sobre subida automática é uma "irresponsabilidade"
Redução do IRC demonstra opção política do PS de favorecer grandes grupos
Contas do Governo sobre pensões "são transparentes"
Gás. Mais de 9 mil clientes EDP pediram para mudar para mercado regulado
Duarte Cordeiro: "Nós intervimos já no mercado, não lhe chamamos é taxa"
Rafa deixa a seleção nacional para concentrar-se "a 100% no Benfica"
Liga Portugal marca reunião urgente sobre violência no desporto
Oficial: Rui Pedro Silva deixa comando do Famalicão
AO MINUTO: Fim das cerimónias públicas; Caixão da rainha já foi baixado
"O que importa é saber que a TVI fez o que lhe competia", diz Cristina
Os pormenores do visual icónico de Kate Middleton no funeral da rainha
Marcelo ratifica resoluções para adesão de Finlândia e Suécia à NATO
Incêndio em Odemira já em fase de rescaldo consumiu 200 hectares
Queda de um telhado em Mangualde provoca a morte de um trabalhador
Forte sismo de 7,6 atinge México. Emitido alerta de tsunami
Ucrânia recupera vila em Lugansk e recupera mais terreno no Donbass
Fiona chegou à República Dominicana e já fez estragos
Há mais atores confirmados para o filme de 'Gran Turismo'
Mesmo com ciberataque, produção de 'GTA' continuará sem interrupções
Giphy considera que GIFs estão "fora de moda"
Festival Beast volta às salas no Porto com 70 filmes e foco no Montenegro
Sugestões de leitura para setembro. 10 livros que não pode perder
Michael Bublé regressa a Portugal já em janeiro
Os melhores exercícios para queimar calorias
Signos do zodíaco que são silenciosos, mas (muito) perigosos
Os benefícios que o óleo de peixe pode ter para a sua saúde
Lisboa vai aumentar número de subsídios ao arrendamento habitacional
Produção na construção avança em julho 1,5% na zona euro e 1,3% na UE
Crédito à habitação: Três conselhos para lidar com a subida da prestação
"A Dacia vai continuar a crescer porque a situação não vai mudar"
Plano de futuro da Bugatti? SUV não faz qualquer sentido, diz CEO
Musk diz que condução autónoma é o futuro. Condutores torcem o nariz
6º Ano
consecutivo

Obrigado pela
sua confiança
© Notícias ao Minuto/Anabela Dantas
20:28 – 13/09/22 por Lusa
Política Bloco de Esquerda
Na pergunta enviada através do parlamento ao Ministério dos Assuntos Parlamentares, a que a agência Lusa teve acesso, os bloquistas referem que, como foi noticiado hoje pelo jornal Público, o Observatório Independente do Discurso de Ódio, Racismo e Xenofobia, “não saiu ainda do papel, sendo que também não existe nenhuma data prevista para a concretização desta medida”.
“Há três anos, Portugal deu um passo importante com a aprovação da criação do Observatório Independente do Discurso de Ódio, Racismo e Xenofobia, algo essencial para que as políticas públicas que incidem sobre aquela violência possam ser mais consequentes”, pode ler-se na pergunta assinada pelo líder parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares.
O BE quer por isso que o ministério liderado por Ana Catarina Mendes esclareça “com que data é que o Governo se compromete” para que este observatório seja uma realidade em Portugal.
“O Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda considera que a criação do referido Observatório é urgente e deve ser tratada pelo Governo com o sentido de urgência que o tema exige. Esta é daquelas medidas em que a sociedade civil, desde ativistas, à academia, tem capacidade e disponibilidade para levar adiante, faltando, pelo que se percebe, capacidade política ao Governo para fazer a sua parte”, critica.
Para os bloquistas, o combate ao racismo e à xenofobia “só é possível com políticas públicas consistentes, participadas e que levem a sério a correção de inúmeras injustiças que persistem”.
“A este respeito, relembre-se que este ano o Governo também não cumpriu a promessa das 500 vagas no ensino superior para alunos de zonas desfavorecidas, como, aliás, o jornal Público também dá nota”, acrescenta a mesma pergunta.
Na opinião do BE, “as declarações da Ministra dos Assuntos Parlamentares são preocupantes”.
“Ao invés de assumir responsabilidade e avançar com uma solução, atira a responsabilidade para a ‘vala comum’ das justificações do Governo sobre todas as suas falhas: o chumbo do orçamento para 2022”, condena.
Leia Também: BE denuncia descargas poluentes em praia da Póvoa de Varzim
Próximas férias, here we go!
Marque a viagem com que sempre sonhou até 2 de outubro, ao melhor preço.
Os jogos (e as apostas) que prometem aquecer o fim de semana
Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.
Apple Store Download
Regras de conduta dos comentários
10.700€
17.900€
13.900€
13.900€
10.900€
19.900€
15.990€
Vale de 50€ por filho pago pela Seg. Social? Confirme o agregado familiar
AO MINUTO: Funcionário da OSCE condenado; Kremlin nega crimes de guerra
Chuva e trovoada colocam Portugal continental sob aviso amarelo
Nuno Homem de Sá insultou produção do BB, foi castigado e depois expulso
AO MINUTO: Fim das cerimónias públicas; Caixão da rainha já foi baixado
"A vontade era tanta… Em qualquer lugar marcava território"
O motivo pelo qual a rainha Isabel II não mudava o penteado
Meghan Markle em lágrimas no último adeus à rainha Isabel II
Princesa Charlotte em lágrimas no funeral da rainha Isabel II
Por vontade própria, Harry e André decidiram não usar uniforme militar
Chega diz que cálculos do Governo sobre pensões são "uma mentira"
Rui Moreira acusa BE de querer propor "concorrência desleal" ao Bolhão
PAN espera descida do IRC para todas as empresas "o quanto antes"
PCP quer eliminar regime transitório de atualização de pensões
PSD propõe alargar apoio de 125 euros a pensionistas e manter lei em 2023
Serra da Estrela. "Era importante agir já", considera Catarina Martins
Catarina Martins considera que Portugal "precisa de soberania alimentar"
Pensões. Documento sobre subida automática é uma "irresponsabilidade"
BE diz que redução do IRC só dá "muito jeito" às grandes empresas
Os jogos (e as apostas) que prometem aquecer o fim de semana
Próximas férias, here we go!
Marque a viagem com que sempre sonhou até 2 de outubro, ao melhor preço.
Receba os principais destaques todos os dias no seu email.
economia Apoios sociais
Vale de 50€ por filho pago pela Seg. Social? Confirme o agregado familiar
mundo Ucrânia/Rússia
AO MINUTO: Funcionário da OSCE condenado; Kremlin nega crimes de guerra
pais IPMA
Chuva e trovoada colocam Portugal continental sob aviso amarelo
fama Big Brother
Nuno Homem de Sá insultou produção do BB, foi castigado e depois expulso
fama Rainha Isabel II
AO MINUTO: Fim das cerimónias públicas; Caixão da rainha já foi baixado
fama Zezé Camarinha
"A vontade era tanta… Em qualquer lugar marcava território"
lifestyle Cabelo
O motivo pelo qual a rainha Isabel II não mudava o penteado
fama Meghan Markle
Meghan Markle em lágrimas no último adeus à rainha Isabel II
fama Princesa Charlotte
Princesa Charlotte em lágrimas no funeral da rainha Isabel II
fama Rainha Isabel II
Por vontade própria, Harry e André decidiram não usar uniforme militar
Seja o primeiro a saber
Receba os principais destaques todos os dias no seu email.
© 2022 Notícias ao Minuto. Todos os direitos reservados
Seja sempre o primeiro a saber. Descarregue a nossa App gratuita
Notícias ao Minuto
Ser o primeiro a saber será ainda mais rápido
Descarregue a aplicação e aceda a toda a informação do Notícias ao Minuto por smartphone ou tablet de uma forma mais cómoda, intuitiva e imediata.
Apple Store Download

source

Estudante que ameaçou colegas vai responder processos — Universidade Federal de Alagoas – Universidade Federal de Alagoas

O caso de racismo e ameaça de agressões de um estudante da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Ufal (Feac) num grupo de Whatsapp surpreendeu a comunidade universitária nesta quarta-feira (14).
O caso está sendo acompanhado de perto pela direção da Feac e Gestão Superior da Ufal. O reitor Josealdo Tonholo estava em Brasília e, assim que foi comunicado, se reuniu em teleconferência com a equipe de inteligência da Secretaria de Segurança Pública e a Polícia Federal para tomar medidas imediatas.
“Nós abrimos um processo administrativo em conjunto com a direcão da Feac e remetemos todas as provas que estão postas tanto para o Comando da Polícia Militar/SSP quanto para a Polícia Federal. Esse processo administrativo vai ter repercussões do ponto de vista acadêmico porque nós também vamos apurar as responsabilidades acadêmicas, já que isso está trazendo prejuízo para as nossas atividades”, adiantou Tonholo.
De acordo com o Ofício enviado ao Gabinete da Reitoria pela direção da Feac “prints de conversas de um estudante do primeiro período nos quais, além de diversas ameaças físicas, racismo e misoginia contra outros estudantes, o referido aluno, em uma mensagem específica afirma ao amigo: ‘Quinta-feira. Não vá para aula. Confie em mim, não vá. Eu já conversei demais, eu vou execrar aqueles merdas na base do sangue’”.
A Polícia Federal já entrou em contato com o aluno e a família. Pelo teor das informações recebidas, o estudante expressa opiniões racistas e “anarcocapitalistas”, com ameaças de ações de violência serial. Dada a complexidade das ameaças pode haver tipificação como um crime de segurança nacional.
“Nós lamentamos profundamente que esse tipo de comportamento exista numa universidade que tem como finalidade diminuir as desigualdades e trazer desenvolvimento e qualidade de vida para um Estado que já é tão sofrido. Comportamentos desse tipo não ajudam em nada na construção de um mundo melhor. Comportamentos desse tipo são deploráveis e não vão ser tolerados por essa instituição”, reforçou Tonholo.
Um comunicado emitido pela Feac suspendeu as aulas desta quinta-feira (15), considerando os traumas gerados naquele ambiente pelas declarações do estudante. Representantes da unidade acadêmica devem se reunir hoje para refletir sobre o acontecido.
O reitor informou que o expediente na Ufal segue normalmente nas demais unidades e setores já que todas as providências foram tomadas relativas à segurança do campus, com policiamento reforçado a partir do acionamento da Secretaria de Segurança Pública.
“O fato é que toda e qualquer ação ou expressão que traga riscos eminentes à nossa comunidade ou ataque os direitos fundamentais de segurança e de liberdade de expressão serão responsabilizados no âmbito da Ufal.
Nós temos que ser absolutamente intolerantes contra toda e qualquer tentativa de ataque desse tipo, seja ao aos nossos estudantes, aos nossos técnicos, aos nossos docentes, seja aos direitos, liberdade, sejam casos de racismo, xenofobia… Essas atitudes vão ter a responsabilização tanto do ponto de vista acadêmico quanto do ponto de vista é legal”, destacou o reitor.
O reitor ressaltou ainda que toda a Ufal está solidária com a comunidade da Feac e que serão providos os meios necessários para mitigar os traumas pessoais e institucionais porventura gerados por esta situação. Tanto a Gestão da Ufal quanto a direção da Feac estão atentas e em permanente vigília sobre o tema.“

source

Real Madrid defende Vinícius Jr e condena racismo e xenofobia – Agencia EFE

Real Madrid defende Vinícius Jr e condena racismo e xenofobia  Agencia EFE
source

Presidente da CBF propõe perda de pontos em casos de comportamentos racistas – O Jogo

.
Fotografia: AFP
Ednaldo Rodrigues, presidente da Confederação Brasileira de Futebol, quer que a equipa ligada um comportamento racista perca pontos na tabela classificativa.
Ednaldo Rodrigues, presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), vai propor que, a partir da época de 2023, haja uma perda de pontos para as equipas cujos adeptos ou responsáveis ligados ao clube protagonizem comportamentos racistas.
Internacional. CONMEBOL quer manter mesmo formato de qualificação para Mundial’2026
Internacional. “Foi um pedido expresso do presidente Zelensky à federação de futebol”
A proposta vai ser apresentada nesta quarta-feira ao Conselho Técnico do Campeonato Brasileiro (instância formada pelos clubes que disputam a prova), no primeiro Seminário de Combate ao Racismo e à Violência no Futebol, organizado pela CBF.
“Não concordo com apenas multa financeira ao clube que tiver um adepto racista. Não se combate a discriminação apenas aumentando a multa. Tem que ser de forma mais dura. O clube precisa de sofrer uma punição desportiva. Quero que a equipa do torcedor identificado cometendo um ato racista perca pelo menos um ponto na tabela do campeonato. Só assim acredito que vamos pacificar os estádios. Quero propor uma ampla discussão aqui no Brasil para a próxima temporada. Essa discussão vai ser boa para ver quem realmente combater o racismo no futebol”, apontou Ednaldo Rodrigues.
“O evento é um marco para o início de uma série de iniciativas que vão discutir de uma forma mais profunda o combate ao racismo e à violência no futebol. É um gesto histórico para dar um basta contra o racismo e a ignorância no futebol. Além do evento, vamos fazer uma série de ações nos estádios durante esta semana para consciencializar os adeptos. Chega de discriminação”, referiu o dirigente, citado pelo jornal GloboEsporte.

Classe: o golaço de Ronaldo no aquecimento do jogo contra o Sheriff que se tornou viral
Carrasco de Portugal no Euro já tem equipamento para o Mundial: veja
Félix voltou a sair cedo, foi para os balneários, regressou e a expressão dizia tudo: veja
João Félix não gostou de ser substituído e recolheu ao balneário. Mas depois voltou
Combinação entre Messi e Neymar vale grande golo do PSG em Lyon: veja
Rodrygo marcou no Atlético-Real Madrid e… dançou com Vinícius: veja o vídeo
Afinal, quantas calorias pode perder quando faz natação
Eis o que acontece ao seu corpo se parar de treinar durante uma semana
5 estratégias para controlar a vontade de comer

source

Real vence Atlético de Madrid com golaço de Rodrygo – LeiaJa.com

Com dancinha dos brasileiros Vinícius Júnior e Rodrygo, o Real Madrid reassumiu a liderança do Campeonato Espanhol ao derrotar o Atlético de Madrid por 2 a 1, na tarde deste domingo, pela sexta rodada. O brasileiro, ex-Flamengo, no entanto, não escapou das ofensas racistas vindas das arquibancadas.
Com 100% de aproveitamento, o Real Madrid chegou aos 18 pontos, contra 16 do Barcelona e 15 do Betis. O Athletic Bilbao fecha o G-4, com 13. O Atlético de Madrid, que conheceu a sua segunda derrota na competição, ficou com dez, na sétima posição.
O que muitos temiam, aconteceu antes mesmo da bola rolar. Após toda polêmica envolvendo os atos racistas contra o jogador Vinícius Júnior, a torcida do Atlético de Madrid cometeu mais injúrias raciais nas ruas próximas do estádio. O atacante do Real Madrid foi chamado inúmeras vezes, em imagens flagradas por câmeras de vídeos, de macaco.
Tudo começou em um debate da imprensa espanhola sobre as danças de Vinícius Júnior. No programa, Koke aumentou a polêmica ao afirmar que o atacante do Real Madrid iria irritar a torcida do Atlético caso dançasse. Já o empresário Pedro Bravo fez ataques racistas direcionados ao atleta.
Após a entrevista vir à tona, vários jogadores e celebridades declararam apoio a Vinícius Júnior, que desabafou sobre a atuação. “Dizem que felicidade incomoda, mas a felicidade de um preto, brasileiro e vitorioso na Europa incomoda muito mais. A minha vontade de vencer, sorriso e brilho nos olhos são muito maiores do que isso. Fui vítima de racismo e xenofobia em uma só declaração, mas nada disso começou ontem”, falou o atleta.
E a perseguição ao brasileiro continuou dentro de campo. O jogador foi muito vaiado pelos torcedores antes e durante toda a partida. O clima em volta da polêmica estava tenso. Logo aos três minutos, Valverde entrou em uma confusão com Koke, mas a turma do “deixa disso” conteve os foliões.
Em campo, o Real Madrid buscou mais o jogo e abriu o placar aos 17 minutos e, adivinhem, teve dança no estádio Metropolitano. Tchouaméni deu belo cruzamento para Rodrygo, que aproveitou a falha de Felipe para pegar de primeira e mandar no fundo das redes. Ele chamou Vinícius Júnior para “bailar” e receberam, em troca, uma enxurrada de objetos, atirados da arquibancada.
Os ataques a Vinícius Júnior só pioraram. O jornal Marca relatou que muitos torcedores gritavam pela morte do atacante. Dentro do gramado, o Real Madrid se incomodava com a situação. O Atlético de Madrid, então, tentou se aproveitar. Griezmann recebeu pela intermediária e chutou. Courtois fez grande defesa.
Mas o Real Madrid aproveitou melhor as oportunidades criadas. Aos 35 minutos, Vinícius Júnior disparou em velocidade, invadiu a área e mandou na trave. Valverde pegou a sobra e ampliou. O Atlético tentou responder, mas Courtois fez grandes defesas para assegurar a vantagem. Na melhor delas, fez um milagre na tentativa de Carrasco.
O panorama do segundo tempo foi muito diferente. Enquanto o Atlético de Madrid saiu em busca do empate, o Real se fechou por completo, tendo explorar a velocidade de seus jogadores, já que construiu boa vantagem na etapa inicial. Griezmann era o jogador mais acionado nos minutos iniciais, mas pouco criou.
Com o Real Madrid apático no ataque, o Atlético aumentou o volume de jogo e diminuiu aos 37 minutos. Após cobrança de escanteio de Griezmann, Courtois saiu mal na bola e viu Hermoso, de ombro, jogar a bola no fundo do gol.
Matheus Cunha ainda entrou no lugar de João Félix, mas não teve tantas oportunidades de gol. Antes do apito final, o clima voltou a esquentar, Hermoso chegou a ser expulso após deixar a mão no rosto de Ceballos e Oblak fez uma grande defesa no arremate de Asensio.

Embed:

Ainda neste domingo, o Sevilla (15º) ficou no empate por 1 a 1 com o Villarreal (6º). Já o Getafe (14º) bateu o Osasuna (5º) por 2 a 0. Em seus domínios, o Real Sociedad (8º) fez 2 a 1 no Espanyol (17º). Por sua vez, o Betis (3º) derrotou o Girona (12º) por 2 a 1.

LeiaJá é um parceiro do Portal iG – Copyright. 2022. Todos os direitos reservados.

source

Árbitros paraibanos terão que suspender jogos em caso de discriminação nos estádios de futebol – Soesporte

Uma recomendação com chancela da FIFA, da CBF e Superior Tribunal de Justiça Desportiva, foi recomenda pela Federação Paraibana de Futebol  aos árbitros para os jogos do Campeonato Paraibano da Segunda Divisão, para suspender os jogos, caso sejam registrados atos de discriminação nos estádios de futebol.
O seu endereço de e-mail não será publicado.




document.getElementById( “ak_js_1” ).setAttribute( “value”, ( new Date() ).getTime() );
Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.





São Paulo recebe Mr. Olympia Brasil 2022 em setembro Competição que consagrou Arnold Schwarzenegger…
Com a participação de 16 equipes, o basquetebol paraibano está sendo movimentando neste sábado…
O ex-jogador de futebol William Gabriel Ignácio, de 31 anos, que atuou profissionalmente pela…
O professor Edynho Nash viveu neste fim de semana uma emoção diferenciada dos muitos…
Ouça os depoimentos dos jogadores medalhas de ouro, medalhas de prata, treinadores, dirigentes, organizadores…
PARAÍBA FICA NA SEGUNDA COLOCAÇÃO NA ETAPA NORTE-NORDESTE DAS PARALIMPÍADAS ESCOLARES 2022 Um show…
SM Kart Competition com novos vencedores e líderes A duas etapas da decisão, a…
A Taça Brasil de Futsal Sub11 Masculino Divisão Especial já tem data para acontecer,…

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Notícias esportivas em primeiro lugar!
SóEsporte Copyright © 2003-2020. Todos os direitos reservados.

source