Mais de cem figuras francesas pedem demissão de ministra por discriminação de LGBTQ – Observador

Ouvir Rádio
©2022 Observador
A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.
Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais
Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.
Siga o tópico França e receba um alerta assim que um novo artigo é publicado.
Os comentários da ministra, numa entrevista, foram considerados "discriminatórios" por afirmar que o casamento e adoção gay" são contra a natureza". Mais de cem figuras públicas querem a sua demissão.
Exclusivo assinantes: Ofereça artigos aos seus amigos.
Muitos dos críticos da ministra questionaram a sinceridade da mudança de posição e alegaram que o estrago já foi feito
CHRISTOPHE PETIT TESSON/EPA
Muitos dos críticos da ministra questionaram a sinceridade da mudança de posição e alegaram que o estrago já foi feito
CHRISTOPHE PETIT TESSON/EPA
Mais de cem figuras públicas de França, incluindo deputados, atletas olímpicos, médicos e artistas, publicaram este domingo um apelo à renúncia da ministra do Desenvolvimento Territorial por ter feito declarações que estigmatizam a homossexualidade e as pessoas LGBTQ.
Os signatários do apelo, publicado no Journal du Dimanche, incluíam ainda um ex-primeiro-ministro, um ex-conselheiro do Presidente francês, Emmanuel Macron, e outros nomes do campo político centrista.
Os comentários de Caroline Cayeux foram alvo de muitas críticas — incluindo dos seus colegas de governo — e levaram a uma discussão alargada sobre atitudes discriminatórias persistentes por parte de pessoas no poder.
Numa entrevista dada na terça-feira à rádio Public Senat, a ministra considerou que a sua oposição à lei de 2013 que autoriza o casamento e a adoção por pessoas do mesmo sexo em França e as suas declarações na altura referindo que os dois atos eram “contra a natureza” estavam a ser mal interpretadas e a retratá-la erradamente como preconceituosa.
PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR
“Mantenho as minhas observações. Sempre disse que se a lei fosse aprovada, eu aplicá-la-ia”, disse, acrescentando ter “muitos amigos entre todas essas pessoas” e estar a ser “alvo de um julgamento injusto“.
As declarações provocaram uma onda de choque entre as pessoas LGBTQ (lésbicas, gays, bissexuais, transgénero e queer) e aqueles que lutam contra a discriminação, tendo mesmo sido apresentada uma queixa formal na Justiça por insultos públicos.
Cayeux publicou então uma mensagem de arrependimento na rede social Twitter, afirmando que as suas palavras tinham sido “inapropriadas” e enviou uma carta a grupos antidiscriminação a pedir desculpa, tendo garantido ao jornal Le Parisien que os comentários “não refletem as suas opiniões”.
Depuis ce matin, je lis et entends vos messages. Mes propos ont blessé nombre d’entre vous. Je les regrette profondément, ils étaient naturellement inappropriés. L’égalité des droits doit toujours être une priorité de notre action.
— Caroline Cayeux (@carolinecayeux) July 12, 2022

No entanto, muitos dos seus críticos questionaram a sinceridade da mudança de posição e alegaram que o estrago já foi feito.
“Como é que podemos acreditar que o governo irá respeitar a igualdade entre todos e comprometer-se a combater a discriminação e garantir a liberdade de género?”, questiona uma petição “online” criada por grupos LGBTQ que pedem a renúncia de Cayeux e de outros dois membros do Governo que se opuseram à lei do casamento “gay”.
A manutenção de Cayeux no governo parece, no entanto, estar garantida, depois de a primeira-ministra, Elisabeth Borne, ter afirmado, na sexta-feira, que os comentários foram “desajeitados“, mas seguidos de um pedido de desculpas.
A primeira-ministra assegurou, ainda assim, que estará “vigilante” e que vai apoiar a luta contra a discriminação LGBTQ.
“O padre que me violou pregava um Cristo de amor”
Mário Ferreira recusa “qualquer cêntimo do PRR”
Caso de racismo com atores brasileiros em 7 pontos
A guerra não é só com Putin: é também connosco
França. Explosão em fábrica de materiais perigosos
Emmanuel Macron e o metaverso europeu
Macron reitera a Zelensky apoio a Kiev
França. Seis bombeiros feridos em fogo “violento” 
Coreia do Norte, Cuba e Venezuela contra Pelosi
“Pelosi em Taiwan é desejo de impunidade dos EUA”
Pilotos em protesto, TAP lamenta não ter acordo
Taiwan. Rússia acusa EUA de “desestabilizar mundo”
2h. FENPROF reúne com Governo
Direitos na Era Digital. “Carta responde a pouco”
1h. SNS: Urgências fechadas em 10 hospitais
Cientistas conseguem ressuscitar órgãos de porcos
Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.
A enviar artigo…
Ainda tem para partilhar este mês.
O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.
Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.
Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.
Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.
Por favor tente mais tarde.
Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.
Obrigado por assinar o jornalismo que faz a diferença.
Rua João Saraiva, nº 7
1700-248 Lisboa
© 2022
Disponível gratuitamente para iPhone, iPad, Apple Watch e Android

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.