Empresa de Buffett discriminou negros e latinos no crédito habitação – Idealista

Uma empresa de crédito habitação do grupo Berkshire Hathaway, do empresário Warren Buffett, excluiu de forma discriminatória potenciais compradores negros e latinos em Filadélfia, Nova Jérsia e Delaware, informou o Departamento de Justiça.
A informação foi divulgada, esta quarta-feira (dia 28 de julho de 2022), no contexto de um acordo judicial, que já é considerado o segundo maior de sempre, que envolveu o Departamento de Justiça e a Agência de Proteção do Consumidor Financeiro, de um lado, e a Trident Mortgage Co., uma divisão da HomeServices of America, integrada na Berkshire, do outro.
Como parte do acordo, a Trident vai ter de reservar 20 milhões de dólares para empréstimos àqueles potenciais compradores.
O Departamento de Justiça denunciou ainda comentários racistas feitos por empregados da Trident, sobre a concessão de empréstimos a negros, designando algumas zonas por ‘ghettos’, além de um gestor da Trident ter sido fotografado com uma bandeira da Confederação.
Warren Buffett é atualmente a quinta pessoa mais rica do mundo, atrás de Elon Musk, Jeff Bezos, Bernard Arnault e Bill Gates, segundo a revista Forbes. Graças à sua brilhante carreira nos negócios, é uma importante referência no campo da economia e finanças, e parte do seu sucesso deve-se à escolha de bons profissionais para trabalhar nas suas empresas. Apresentamos-te as 6 qualidades que Buffett procura num líder antes de contratá-lo. Com uma fortuna estimada em 118 bilhões de dólares, o que equivaleria a aproximadamente 107,58 bilhões de euros, o magnata é considerado uma das pessoas mais influentes do mundo. A maior parte dos seus lucros vem da holding Berkshire Hathaway, através da qual começou a comprar ações em 1962. Hoje em dia não é apenas o seu maior acionista, mas também o presidente e diretor da empresa.
A Covid-19 acelerou muitas tendências no mercado imobiliário. Entre elas está a industrialização e as casas pré-fabricadas. Uma moda que não escapou a um dos homens mais poderosos do mundo, Warren Buffett. O magnata começou a investir nesse negócio através da sua empresa Berkshire Hathaway, segundo o El Economista. A MiTek, fornecedora global de produtos inovadores baseados em construção, software, serviços e soluções de construção de engenharia de propriedade da Berkshire Hathaway, acaba de assinar um acordo com o estúdio de arquitetura Danny Forster, com sede em Nova Iorque, para lançar-se o projeto ‘Modular Initiative’.
Quando tinha 10 anos, Warren Buffett foi com o seu pai para Nova Iorque. Eles visitaram vários locais de interesse, e o último foi Wall Street. O seu pai era corretor da bolsa e corria o ano de 1940. Os Estados Unidos ainda não haviam emergido da depressão económica, mas o pequeno Warren surpreendeu-se com a atividade da mais poderosa bolsa de valores do mundo: muitos homens de fato gritavam preços, slogans e movimentavam quantidades fabulosas de dinheiro. Na hora do almoço, os Buffett sentaram-se com um holandês chamado At Mol, que era membro do conselho da Bolsa de Valores de Wall Street. Após a refeição, um homem veio até à mesa com um carrinho sobre o qual havia uma pilha de folhas de tabaco de todas as qualidades. O Sr. Mol apontou para um deles e o homem começou a enrolar um charuto. “Então pensei: é isso. Nada pode ser melhor que isto. Um cigarro feito à mão”, confessa na sua biografia “A bola de neve: Warren Buffett e o negócio da vida”.
A Berkshire Hathaway HomeServices (BHHS), a rede imobiliária do multimilionário Warren Buffett, está a dar gás à sua estratégia de expansão global e Portugal não fica fora dos planos. Até porque a procura por imóveis de luxo continuou na mira dos investidores estrangeiros mesmo durante a pandemia. Foi há cerca de dois anos que a BHHS entrou em Portugal. O seu plano de expansão no país começou pelas áreas de Lisboa, Porto e Algarve, zonas que continuam, aliás, a “ser muito procuradas por investidores de alto nível”, comenta a empresa em comunicado enviado às redações. A estas acresce, agora, a Costa Litoral Atentejana, com destaque para a Comporta, que está a ser apontada como um dos “destinos mundiais favoritos para o investimento imobiliário no segmento de luxo”, referem ainda.
A prestação da casa paga pelos clientes bancários no crédito habitação vai subir acentuadamente em agosto nos contratos indexados à Euribor a três, seis e 12 meses, face às últimas revisões, segundo a simulação da Deco/Dinheiro&Direitos.
O presidente da Comissão Executiva do BCP, Miguel Maya, diz não perspetivar nenhuma subida do crédito malparado nos próximos dois anos pela subida das taxas de juro do BCE, considerando este movimento um “processo de normalização da política monetária”. “Não se está a verificar uma subida dos juros para patamares que são para fora da normalidade. Fora da normalidade é o que temos ainda hoje que é taxa zero”, referiu Miguel Maya na conferência de imprensa de apresentação dos resultados do banco no primeiro semestre, realizada esta quarta-feira, dia 27 de julho de 2022.
Nada parece afastar as famílias portuguesas de cumprir o sonho de uma vida: comprar casa (ou mudar para uma melhor). Mesmo com a incerteza gerada pela pandemia e pela guerra da Ucrânia, os preços das casas em alta, as taxas de juro a subir e a inflação a aumentar o custo de vida, os portugueses continuam a comprar casa com recurso ao crédito habitação. A procura está em alta e para atrair famílias, os bancos têm usado várias estratégias, como é o caso da redução dos spreads.

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.