Lei, ódio e progresso | Opinião | PÚBLICO – Público

A luta antirracista, feminista e LGBTQIA+ não mata ninguém. O racismo, o machismo e a LGBTfobia matam todos os dias.
Fez esta semana dois anos que Bruno Candé foi vítima de um assassinato racista em Moscavide. A memória deste crime hediondo está presente para nos relembrar que o racismo, tal como o machismo ou a LGBTfobia, não são só expressões de um incómodo, de ignorância, de um receio ou de uma opinião. Eufemismos utilizados, ultimamente, até por vozes mais refletidas e aliadas. Não foi o medo que matou, foi o ódio banhado num sentimento de superioridade, de supremacia. O debate sobre se este era ou não um crime racista ou se Portugal era ou não um país racista desviou a atenção sobre as razões profundas deste crime, sobre a sua autoria.

Professora de Filosofia do ensino secundário
Leia os artigos que quiser, até ao fim, sem publicidade
Faça parte da comunidade mais bem informada do país
Seja o primeiro a comentar.
Escolha um dos seguintes tópicos para criar um grupo no Fórum Público.
Ao criar um novo grupo de discussão, tornar-se-à administrador e será responsável pela moderação desse grupo. Os jornalistas do PÚBLICO poderão sempre intervir.
Saiba mais sobre o Fórum Público.
Ao activar esta opção, receberá um email sempre que forem feitas novas publicações neste grupo de discussão.
Email marketing por
@ 2022 PÚBLICO Comunicação Social SA
Para permitir notificações, siga as instruções:
Estes são os autores e tópicos que escolheu seguir. Pode activar ou desactivar as notificações.
Receba notificações quando publicamos um texto deste autor ou sobre os temas deste artigo.
Estes são os autores e tópicos que escolheu seguir. Pode activar ou desactivar as notificações.
Para permitir notificações, siga as instruções:

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.