Autores de vídeo que relaciona candomblé com violência podem responder por terrorismo, diz advogado – Metro 1 – Metro1

Terça-feira, 26 de julho de 2022
Crime tem pena prevista de 12 a 30 anos de prisão
Foto: Reprodução/Vídeo
Por: Adele Robichez no dia 25 de julho de 2022 às 18:35
A divulgação do vídeo produzido por um grupo evangélico que relacionou entidades do candomblé à violência em Salvador pode ser tipificada como crime de terrorismo e julgada em instância federal. Foi o que indicou o advogado Hédio Silva Jr., coordenador Executivo do Instituto de Defesa dos Direitos das Religiões Afro-Brasileiras (Idafro), em entrevista ao programa Mojubá, na Rádio Metropole.
"Todos os dias a gente tem, lamentavelmente, em maior ou menor grau, videos como esses, mas esse, em particular, tem a utilização de armas, esse tipo de imagens com cenário de guerra, ataque, ameaça… o crime é de terrorismo. É muito mais grave do que o crime de racismo religioso", afirmou Silva Jr. 
O artigo 2º da lei n° 13.2160, de 16 de março de 2016, classifica o terrorismo como a "prática por um ou mais indivíduos dos atos previstos neste artigo, por razões de xenofobia, discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia e religião, quando cometidos com a finalidade de provocar terror social ou generalizado, expondo a perigo pessoa, patrimônio, a paz pública ou a incolumidade pública".
"A apuração desse crime é de responsabilidade da Justiça Federal, […] que é competente por apurar esse crime por conta de tratados internacionais, nos quais o Brasil é signatário", explicou o advogado.
A pena prevista para o crime de terrorismo é de 12 a 30 anos de prisão, enquanto o crime de racismo pode atingir até cinco anos de reclusão.
"O que eles fazem é espalhar o terror e intimidar o nosso povo, desencorajar o nosso povo a continuar frequentando os terreiros e difundir o medo social, generalizado. Independentemente de ter sido retirado, o período em que ficou no ar, produziu efeitos criminosos. Nós temos que representar, junto às instâncias competentes, para que esse crime seja punido rigorosamente", avaliou Hédio Silva Jr.
O Ministério Público da Bahia (MP-BA), por meio da promotora Lívia Vaz, instaurou, no dia 12 de julho, um processo para apurar o incentivo e propaganda ao ódio religioso estimulados pelo vídeo, que cita, em uma canção, orixás do Candomblé e Umbanda — como Exu e Oxumarê — enquanto mostra imagens da violência nas periferias de Salvador, com pessoas armadas em confronto com supostos policiais. 
"A gente já teve enfretamentos na esfera federal. Via o MP estadual chegamos ao MP federal a a outras instâncias federais. A gente produziu provas, a materialidade do que aconteceu. Já temos o vídeo, as pessoas se manifestando com BOs (boletins de ocorrência), dando entrada nas instâncias mais próximas e a nossa assessoria jurídica também está sta acompanhando",  informou Leonel Monteiro, presidente da Associação Brasileira de Preservação da Cultura Afro Ameríndia (AFA).
Cidade
26 jul 2022
Cidade
26 jul 2022
Cidade
26 jul 2022

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.