Fenprof: "Precariedade no ensino superior continua a crescer" – Observador

Ouvir Rádio
©2022 Observador
A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.
Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais
Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.
Siga o tópico Ensino Superior e receba um alerta assim que um novo artigo é publicado.
Os governos não têm "encontrado uma resposta definitiva para a precariedade do ensino superior". Fenprof diz que casos mais graves são no ensino politécnico, sobretudo na área da investigação.
Exclusivo assinantes: Ofereça artigos aos seus amigos.
Já a docente Ana Isabel Mendes, aproveitou para recordar que é também relevante abordar a questão da convergência entre carreiras, "acabando com discriminação entre professores do ensino universitário e do ensino politécnico"
Wikimedia Commons
Já a docente Ana Isabel Mendes, aproveitou para recordar que é também relevante abordar a questão da convergência entre carreiras, "acabando com discriminação entre professores do ensino universitário e do ensino politécnico"
Wikimedia Commons
A precariedade no ensino superior tem vindo a crescer, sobretudo na área da investigação, afirmou esta quinta-feira em conferência de imprensa o dirigente do Departamento de Ensino Superior e Investigação da Federação Nacional dos Professores (Fenprof) André Carmo.
“A precariedade permanece, tem-se agudizado e para a qual os vários governos não têm encontrado resposta cabal e definitiva. Nem sequer têm dado passos que permitam mitigá-la de forma verdadeiramente substancial”, alegou.
Durante uma conferência de imprensa, que decorreu ao final da manhã em Coimbra, o docente apontou que os problemas estruturais do sistema científico tecnológico nacional e das instituições de ensino superior e ciência permanecem e, em alguns casos, até se têm acentuado.
“A questão da precariedade é aquilo que todos conhecemos, no plano da investigação até se torna repetitivo lembrar todos os problemas que existem, tendo em conta que a esmagadora maioria da investigação científica é feita com força de trabalho precarizada. Isso é sobejamente conhecido”, acrescentou.
PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR
De acordo com André Carmo, a precariedade ao nível da docência no ensino superior tem vindo a aumentar, sendo até um pouco mais gravoso no ensino politécnico, comparativamente com o ensino universitário.
O número de docentes convidados supera já o número de docentes na carreira. Isto é muito preocupante e é sinal de desinvestimento, de subfinanciamento crónico, de incapacidade para estabilizar a força de trabalho nas instituições”, sustentou.
Aos jornalistas, o dirigente da Fenprof sublinhou que foi solicitada uma reunião ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior que visa colocar em cima da mesa “três questões fundamentais“, entre as quais a “necessidade de reduzir a contratação precária de investigadores” nas instituições de ensino superior.
A necessidade de regular o regime do pessoal docente e de investigação do ensino superior privado, assegurando a existência, em cada instituição de ensino superior, de um corpo permanente de docentes e investigadores com emprego estável e perspetivas de desenvolvimento da carreira é outro dos dossiers a levar à reunião.
A Fenprof pretende ainda levar para a mesa de discussão a importância de “eliminar a discriminação a que estão sujeitos, dentro da Administração Pública, os docentes do ensino superior que podem permanecer mais de 10 anos na mesma posição salarial, mesmo tendo sempre avaliação de desempenho positiva”.
Na conferência de imprensa, que contou com a presença do secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, ficou ainda o alerta para a questão “do desaparecimento de mil investigadores com contrato a termo no ano letivo 2023/2024“, num sistema com “pouco mais de três mil investigadores contratados.
Continuamos sem saber qual será a solução, para aquilo que a lei obriga, de abrir concursos para a entrada nas carreiras para os investigadores que cumprem os seis anos“, alertou Nuno Peixinho, investigador e membro do Departamento de Ensino Superior e Investigação da Fenprof, que informou ainda que “menos de 10% investigadores estão na carreira”.
Já a docente Ana Isabel Mendes, aproveitou para recordar que é também relevante abordar a questão da convergência entre carreiras, “acabando com discriminação entre professores do ensino universitário e do ensino politécnico”.
Nada se cria, nada se perde, tudo se trans
A Covid longa pode durar meses ou anos
R.I.P.  RAP?
Sobrinho terá desviado 15 milhões para o Sporting
Sindicato. “Satisfação” por aumento de vagas
Há mais 56 vagas para Educação e 5 para Medicina
Pesquise aqui as 54.361 vagas do ensino superior
Universidade do Porto lança novas licenciaturas
Investigador português premiado na Alemanha
Riscos de fragmentação da União Europeia
O perigo dos populismos nacionalistas
Obras nos hospitais não visa fechar Covões
Municípios “muito assimétricos” no bem-estar
Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.
A enviar artigo…
Ainda tem para partilhar este mês.
O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.
Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.
Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.
Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.
Por favor tente mais tarde.
Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.
Obrigado por assinar o jornalismo que faz a diferença.
Rua João Saraiva, nº 7
1700-248 Lisboa
© 2022
Disponível gratuitamente para iPhone, iPad, Apple Watch e Android

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.