Rage Against the Machine: a história da banda que fala sobre política desde antes de você nascer – Hypeness

Telescópio britânico é capaz de detectar a colisão de estrelas…
Bezerro nasce com duas cabeças por causa de processo de…
Pescador se desespera ao ser ‘perseguido’ por baleia:…
Luisa Mell, que já atacou religiões negras, faz enquete sobre…
PS5: Amazon reabastece o estoque do console mais desejado do mundo…
Baleia jubarte pega duas mulheres na boca na Califórnia; cena é…
Antes de ser uma das mais emblemáticas e influentes dos anos 90 ou de misturar rap e rock, o Rage Against The Machine é uma banda política – e de esquerda, desde sua fundação há mais de 30 anos e até hoje. A “Fúria contra a máquina” que batiza o grupo não deixa dúvidas de que cada canção, cada disco e vídeo expressam o compromisso revolucionário, anti-imperialista e anticapitalista que o define. Ainda assim, toda vez que o Rage volta aos palcos ou lança alguma nova obra, muita gente ingenuamente reage em espanto ou crítica pelo fato da banda “falar” de política.
O Rage Against The Machine se apresentando em 2008
-Rage Against the Machine confirma show no Brasil: lembre apresentação histórica no interior de SP
A banda surgiu em 1991 reunindo os músicos Zack de La Rocha nos vocais, Tom Morello na guitarra, Tim Commerford no baixo e Brad Wilk na bateria, e teve desde o primeiro momento o propósito de falar de política, a partir das próprias experiências vividas e assistidas por seus membros. A origem familiar mexicana, a pobreza, a xenofobia, sob a influência de grupos também políticos como The Clash, Public Enemy, Bob Dylan, Bad Brains, Sex Pistols, Run-DMC e tantos mais, moveram a própria formação da banda, e seguem sendo o sentido e o alvo das músicas do grupo.
Zack De La Rocha e Tom Morello em show em 1992
-A história do punk feminista em 10 músicas
O Rage Against The Machine se tornou uma das bandas mais populares do mundo a partir do primeiro disco, de 1992, que traz o nome da banda como título e, na capa, a histórica foto mostrando o monge Thích Quảng Đức em chamas, após colocar fogo em si mesmo em 1963 como protesto contra a perseguição aos budistas no Vietnã do Sul. O disco é quase inteiro formado por clássicos, e canções como “Killing in the Name”, “Bombtrack”, “Take the Power back”, “Bullet in the Head”, “Know Your Enemy” e “Freedom” deixavam claro não só a qualidade estética e musical da banda, como também a força poética e política do discurso brilhantemente conduzido por De La Rocha.
A emblemática e chocante capa do primeiro disco da banda, de 1992
-De Chico Buarque a Gonzaguinha, 10 músicas proibidas pela ditadura militar
O sucesso não diminuiu o compromisso da banda, e os discos Evil Empire, de 1996, e The Battle of Los Angeles, de 1999  também colecionaram clássicos e críticas ao imperialismo, à globalização capitalista e ao racismo, reiterando o radical posicionamento antifascista do Rage – que costumeiramente se alinha também ao Zapatismo, movimento revolucionário indígena mexicano. Aos que criticam o fato de trabalhar para corporações da indústria fonográfica, o grupo deixa claro que, em uma realidade capitalista, utilizam o mecanismo para levar o discurso revolucionário para uma maior quantidade de pessoas.
Zack em show diante da bandeira do Exército Zapatista de Libertação Nacional
-15 músicas que falam sobre o que é ser negro no Brasil
E as críticas não são poucas, e muitas vezes se tornam até cômicas pelo absurdo: para uma das bandas mais politizadas da história da música pop, é incrível a quantidade de pessoas que se dizem fãs, mas que rejeitam o fato da banda falar de política em seus shows. Durante a atual turnê, se posicionaram contundentemente contra a decisão do Supremo dos EUA de derrubar a legalização do aborto em todo o país. Nas redes, comentários reclamaram que a banda havia “entrado pra turma da lacração”, e que “eles realmente eram melhores quando deixavam a política de fora” – mesmo que esse passado nunca tenha existido.
“Fuck Trump”: o adesivo que levou Morello a dar uma merecida lição em comentário
-Samba do Trabalhador resiste à tentativa de censura com música
Em 2017, Morello respondeu à altura uma dessas críticas. Um “fã” reagiu a uma foto do guitarrista com um adesivo que se lia “Foda-se Trump”, afirmando que Morello era “mais um músico de sucesso que instantaneamente se transforma em um especialista em política”. O guitarrista escreveu que uma pessoa não precisa ser “graduado com honrarias em Ciência Política pela Universidade de Harvard para reconhecer a natureza antiética e inumana” do governo Trump. “Mas, bem, eu por acaso sou graduado com honrarias em Ciência Políticas pela Universidade de Harvard, então posso te confirmar isso”, concluiu.
O RATM é uma das mais politizadas e influentes bandas de todos os tempos
Publicidade
© fotos 1, 3: Wikimedia Commons

© fotos 2, 4, 5, 6: Getty Images
O Parque do Ibirapuera é um dos melhores espaço de São Paulo para festivais ao ar livre. Emolduradas pelo Auditório…
Aquela dose semanal de arte e cultura está de volta com dicas cremosas e crocantes. Destaque para o show da cantora…
Depois de dois anos de pausa, o Lollapalooza voltou ao Autódromo de Interlagos para uma das maiores edições nestes…
Conteúdo sob licença Creative Commons by nc-sa 2.5 br     |    
Política de privacidade     |    
Termos e condições de uso     |    
Solicitação de Remoção de Imagem

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.