Federação dos Médicos "muito cética" sobre medidas para equipas das urgências – Observador

Ouvir Rádio
©2022 Observador
A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.
Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais
Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.
Siga o tópico Urgências e receba um alerta assim que um novo artigo é publicado.
A FNAM continua muito cética "em relação à eficácia desse tipo de medidas que não vão à raiz do problema" do SNS. "Há algumas melhorias, mas continua a haver discriminação".
Exclusivo assinantes: Ofereça artigos aos seus amigos.
De acordo com o dirigente sindical, o diploma aprovado na quinta-feira inclui, assim, "medidas pontuais e avulsas" para tentar resolver um problema estrutural do SNS, que tem origem na falta de recursos humanos
De acordo com o dirigente sindical, o diploma aprovado na quinta-feira inclui, assim, "medidas pontuais e avulsas" para tentar resolver um problema estrutural do SNS, que tem origem na falta de recursos humanos
A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) manifestou-se esta quarta-feira “muito cética” sobre a eficácia das medidas do Governo para estabilizar as equipas das urgências, alegando que “não vão à raiz do problema” do Serviço Nacional de Saúde (SNS).
Melhor do que nada será certamente, mas continuamos muito céticos em relação à eficácia desse tipo de medidas que não vão à raiz do problema” do SNS, em termos de falta de profissionais de saúde em várias áreas, afirmou à Lusa o presidente da FNAM, Noel Carrilho.
Na terça-feira, o Conselho de Ministros extraordinário aprovou um diploma para criar condições de estabilidade das equipas médicas das urgências dos hospitais públicos e que prevê também um novo regime remuneratório para o trabalho suplementar para os especialistas desses serviços.
De acordo com a ministra da Saúde, as medidas aprovadas são transitórias e deverão vigorar durante seis meses, o prazo máximo que o Governo estima para a conclusão das negociações com os sindicatos representativos dos médicos.
PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR
Para Noel Carrilho, o diploma agora aprovado pelo Governo pretende estimular os médicos que asseguram os serviços de urgência a fazerem horas extraordinárias “para além de tudo aquilo que é aceitável e admissível”, além de que pode levar à discriminação de outros clínicos do SNS.
Há algumas melhorias, nomeadamente, o facto de deixar de discriminar os diversos tipos de urgência, mas continua a haver discriminação em relação a todos os outros médicos que não fazem serviço de urgência e que fazem todo o outro tipo de trabalho no SNS e que também necessitam de ser valorizados”, alertou Noel Carrilho.
De acordo com o dirigente sindical, o diploma aprovado na quinta-feira inclui, assim, “medidas pontuais e avulsas” para tentar resolver um problema estrutural do SNS, que tem origem na falta de recursos humanos.
O presidente da FNAM reiterou que a solução, para reter clínicos no SNS, passa pela revisão da tabela remuneratória dos médicos, de “maneira a valorizar transversalmente esses profissionais”, assim como pela melhoria das condições de trabalho e pela valorização do risco e do desgaste dessa profissão.
Essas sim são as medidas que pretendemos negociar com o Governo”, no âmbito do processo negocial que está a decorrer entre as duas partes, afirmou o dirigente sindical, que foi hoje recebido, em audiência conjunta com o Sindicato Independente dos Médicos, pela Comissão de Saúde da Assembleia da República.
“Tivemos oportunidade de fazer chegar estas nossas preocupações em relação ao SNS, dos seus défices já indisfarçáveis e da necessidade de atuar de forma robusta em termos de recursos humanos médicos, com medidas concretas que tragam os médicos” para o serviço público de saúde, explicou Noel Carrilho.
O diploma aprovado pelo Governo prevê a atribuição às administrações dos hospitais do SNS de autonomia para celebrarem contratos de trabalho sem termo com especialistas que sejam prestadores de serviços e que sejam necessários para o funcionamento dessas unidades de saúde.
Além disso, concede aos conselhos de administração a autonomia para remunerar de forma específica o trabalho suplementar prestado pelos médicos do quadro dos hospitais para garantir o normal funcionamento dos serviços de urgência.
Os valores são os seguintes: 50 euros por hora a partir da hora 51 e até à hora 100 de trabalho suplementar, 60 euros a partir da hora 101 e até à hora 150 e 70 euros a partir da hora 151 de trabalho suplementar.
Nada se cria, nada se perde, tudo se trans
R.I.P.  RAP?
Lagarde. “Toma lá dá cá” para salvar países do sul
“O pânico falou mais alto.” Reportagem em Murça
Urgência de Ortopedia de Santarém normalizada
5h. SU. Médicos recebem 70 euros por hora extra
Penafiel. Urgências “sem condições dignas”
Urgências. Barcelo encerra pediatria esta sexta
“Saúde tem problemas? A vida tem problemas”
Alemanha. Sobem mortes e doentes graves por Covid
OMS declara monkeypox emergência global de saúde
Climatização. Temido diz que “há caminho” a fazer
Ator dos Power Rangers condenado por homicidio
As notícias das 19h
Incêndios. Ventura acusa Costa de não debater
Alijó. “Fogo está a progredir rapidamente”
Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.
A enviar artigo…
Ainda tem para partilhar este mês.
O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.
Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.
Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.
Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.
Por favor tente mais tarde.
Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.
Obrigado por assinar o jornalismo que faz a diferença.
Rua João Saraiva, nº 7
1700-248 Lisboa
© 2022
Disponível gratuitamente para iPhone, iPad, Apple Watch e Android

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.