Empregada doméstica vítima xenofobia deve ser indenizada em R$ 25 mil – Migalhas

Apoiadores
Fomentadores

Quem Somos
EDITORIAS
Migalhas Quentes
Migalhas de Peso
Colunas
Migalhas Amanhecidas
Agenda
Mercado de Trabalho
Migalhas dos Leitores
Pílulas
TV Migalhas
SERVIÇOS
Academia
Autores
Autores VIP
Catálogo de Escritórios
Correspondentes
Eventos Migalhas
Livraria
Precatórios
Webinar
ESPECIAIS
#covid19
dr. Pintassilgo
Lula Fala
Vazamentos Lava Jato

Fale Conosco
SERVIÇOS
Academia
Autores
Autores VIP
Catálogo de Escritórios
Correspondentes
Eventos Migalhas
Livraria
Precatórios
Webinar
EDITORIAS
Migalhas Quentes
Migalhas de Peso
Colunas
Migalhas Amanhecidas
Agenda
Mercado de Trabalho
Migalhas dos Leitores
Pílulas
TV Migalhas
sexta-feira, 22 de julho de 2022
MIGALHAS QUENTES
Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente
Publicidade
Da Redação
domingo, 5 de junho de 2022
Atualizado às 18:17
Uma empregada doméstica teve contrato rescindido e deverá receber indenização no valor de R$ 25 mil por danos morais pela forma degradante com que era tratada pelos patrões. Na sentença, o juiz substituto da 49ª vara do Trabalho de São Paulo, Eber Rodrigues da Silva. 
O magistrado pontuou que “os empregados domésticos no país são historicamente vítimas de preconceito, sendo relegados a uma categoria inferior de trabalhadores sem voz, que se submetem, desde tempos do Brasil colonial, a um sem número de situações de humilhações e menosprezo por parte de alguns empregadores”
Tratamento grosseiro

Referindo-se à oficialização do fim da escravidão no Brasil, em 1888, o magistrado declarou que algumas pessoas “parecem demonstrar que ainda não entraram na idade contemporânea”. E prosseguiu afirmando que há empregadores que insistem “em tratar seu semelhante como inferior pelo simples fato de lhe prestar serviços”

O magistrado pontuou que o tratamento grosseiro, os xingamentos gratuitos e as atitudes preconceituosas dirigidos à profissional eram habituais e realizados na presença dos outros 16 funcionários da residência, por meio de um sistema de som interno usado como meio de comunicação da casa.
Testemunhas levadas pela doméstica afirmaram ter ouvido os patrões se dirigirem à trabalhadora com expressões pejorativas de cunho xenofóbico, além de incompetente, gorda e palavras de baixo calão. Nessas ocasiões, a mulher não retrucava, mas algumas vezes chorou e teve crise nervosa.
Situação agravante

Para o magistrado, as atitudes xenofóbicas agravam ainda mais a situação. “Inferiorizar alguém apenas por sua forma de falar é uma das mais desprezíveis formas de preconceito”, ponderou o magistrado. 
Comprovado o tratamento discriminatório e hostil, o juízo reconheceu a rescisão do contrato de trabalho da trabalhadora por justa causa do empregador. Avaliou, ainda, que as práticas relatadas denunciam a mais cruel e odiosa forma de assédio moral.
“Por ser reiterada, humilhante, preconceituosa, e porque não dizer, calcada sobretudo em questões racistas e xenofóbicas, que invariavelmente levam à diminuição do outro, minando aos poucos a própria autoestima do trabalhador”, concluiu o magistrado. 
 (Imagem: Freepik)

Informações: TRT da 2ª região. 
Releva-se a famosa trinca de “S”, prevista no inc. IV, do art. 1.336 do CC/02, que veda a utilização da unidade de forma prejudicial ao sossego, salubridade e segurança dos demais moradores.
Entenda quais são os argumentos jurídicos defendidos pelos pais e mães educadores que militam pelo direito de educarem os seus próprios filhos no ambiente familiar.
Ao comentar as agressões do DJ em sua ex-esposa, Pamella Holanda, Fontenelle disse: “esses ‘paraíbas’ fazem um pouquinho de sucesso e acham que podem tudo”.
Deputado estadual de SP disse que ucranianas são “fáceis porque são pobres”. Advogada e promotora explicam consequências jurídicas.
Empregado alegou que sofria perseguição, assédio moral e até agressão por superior hierárquico.
Publicidade

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.