Método de alfabetização é arma contra o racismo – Folha

Acesse seus artigos salvos em
Minha Folha, sua área personalizada
Acesse os artigos do assunto seguido na
Minha Folha, sua área personalizada

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Gostaria de receber as principais notícias
do Brasil e do mundo?
Jornalista, foi editor de Opinião. É autor de "Pensando Bem…".
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Ao comentar o livro de John McWhorter sobre o racismo, duas semanas atrás, afirmei que o autor defendia o uso do método fônico na alfabetização como uma das principais armas de combate à desigualdade. Um leitor atento me perguntou como isso seria possível. É uma história interessante, que combina ciência, política, teimosia e coragem.
Na segunda metade do século 20, educadores lançaram a ideia de que a escrita deveria ser ensinada de forma natural, mais ou menos como se aprende a falar. A criança deveria ser lançada no universo das letras e encontraria seu próprio caminho, de modo criativo e prazeroso. Esse sistema, conhecido como “whole language”, ou método global, virou moda nos anos 80 e 90. Mais do que isso, ele se tornou um marcador ideológico. Progressistas abraçavam o método global, enquanto conservadores insistiriam nas cartilhas do tipo “vovô viu a uva”.
O problema é que o método global se apoiava em hipóteses que foram adotadas antes de ser testadas. Adultos de fato leem palavras inteiras, sem necessidade de decompor o som. Só que isso só ocorre com anos e anos de prática. Crianças, especialmente as de famílias pobres, nas quais os negros estão sobrerrepresentados, aprendem muito melhor quando o professor ensina explicitamente que o alfabeto é um código de sons. E crianças que ficam muito para trás em leitura dificilmente se tornam bons alunos com chances de ir para a universidade.
Os trabalhos científicos que compararam os métodos foram quase unânimes em mostrar isso, mas, como a alfabetização havia sido ideologizada, tornou-se politicamente custoso dobrar-se às evidências. Muitas crianças tiveram seu aprendizado seriamente prejudicado pela teimosia.
Aos poucos, porém, o método fônico vai se impondo. Há pouco, Lucy Calkins (Columbia), por décadas uma das campeãs do método global, corajosamente admitiu que estava errada e é necessário ensinar os sons.

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Você já conhece as vantagens de ser assinante da Folha? Além de ter acesso a reportagens e colunas, você conta com newsletters exclusivas (conheça aqui). Também pode baixar nosso aplicativo gratuito na Apple Store ou na Google Play para receber alertas das principais notícias do dia. A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade. Obrigado!
Mais de 180 reportagens e análises publicadas a cada dia. Um time com mais de 200 colunistas e blogueiros. Um jornalismo profissional que fiscaliza o poder público, veicula notícias proveitosas e inspiradoras, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?
Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Carregando…
Carregando…
Tecnologia permite às empresas avançar na sustentabilidade
ENERGIA LIMPA HOJE E NO FUTURO
Referência em Cidades Inteligentes, Curitiba investe em iniciativas para qualidade de vida
Análise de dados ajuda governos na formulação de políticas públicas
Cidades inteligentes colocam tecnologia na porta de casa; saiba tudo sobre as “smart cities”
Controle do glaucoma depende de prevenção e adesão a tratamento
Tranquilidade e segurança para o produtor rural
Novo protocolo do SUS poderá mudar cenário de pacientes com Hipertensão Arterial Pulmonar
ID digital garante maior confiança nas transações pela internet
Tecnologia aumenta produtividade e reduz custo de empresas de logística
QUALIDADE E CUIDADO COM O MEIO AMBIENTE
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Não há meio jurídico próprio para tal questionamento, e tentativas anteriores, em 2006 e 2014, não provaram suspeita de fraude
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Autor pioneiro, que teve sua obra tirada de escolas, afirma que banir aborto é primeiro passo de tempos de regressão
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Interpretando uma mulher que acorda depois de 20 anos em coma, atriz aparece de cabelos brancos e sem maquiagem no filme Ela e Eu, conta que confundem a sua vivacidade com beleza e afirma que não abre mão de nadar em mar aberto todos os dias pela manhã

O jornal Folha de S.Paulo é publicado pela Empresa Folha da Manhã S.A.
Copyright Folha de S.Paulo. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.
Cadastro realizado com sucesso!
Por favor, tente mais tarde!

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.