Três homens são indiciados por racismo após discriminação contra judeus – SCC10

Os homens foram indiciados
Por
Publicado em 15 de julho de 2022 às 18:35
A Polícia Civil de Santa Catarina, por intermédio da Delegacia de Repressão ao Racismo e a Delitos de Intolerância da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (DEIC/PCSC), encerrou nesta sexta-feira (15) um inquérito policial que apurou a prática do crime de racismo qualificado por responsáveis por um canal no Youtube, cuja empresa é sediada no município de Itajaí.
Três homens foram indiciados. Os suspeitos foram investigados pela criação e publicação de vídeo que induz à discriminação contra judeus.
A investigação teve início após a polícia tomar conhecimento do vídeo por meio de representação da Confederação Brasileira de Israelitas – CONIB e da Associação Israelita Catarinense, que foi encaminhada pelo Núcleo de Enfrentamento aos Crimes de Racismo e de Intolerância – NECRIM do Ministério Público de Santa Catarina.
Segundo os representantes da CONIB e da AIC, é de fundamental relevância alertar para o fato de que a comparação de situações contemporâneas com os horrores do Nazismo e do Holocausto, para qualquer finalidade, é extremamente ofensiva e danosa ao povo judeu. O vídeo em comento causou uma comoção na comunidade judaica brasileira, que se sentiu profundamente ofendida e atacada pelas palavras de ódio veiculadas. O uso de referências ao Holocausto e a promoção de algo chamado de “novo holocausto, moderno, repaginado” remete e promove o extermínio atroz e sistemático de pessoas judias, incitando a discriminação, preconceito e violência contra a comunidade judaica.
Conforme a polícia, as diligências demonstraram que as analogias empregadas no vídeo, por meio de sátira, utilizaram de forma abusiva o exemplo histórico dos judeus como grupo marginalizado, em posição de inferioridade, com nítido tom segregacionista.
Segundo a investigação, eles não se limitaram a reprisar fatos históricos do holocausto, os responsáveis pelo vídeo perpetuam um discurso discriminatório contra judeus. Conforme a polícia, “vislumbrou-se abuso ao direito à liberdade de expressão, na medida em que o tratamento jocoso dado ao tema denota desrespeito e preconceito contra a comunidade judaica, bem como converte o meio utilizado em espaço fértil para a proliferação de intolerância e discurso de ódio, e não apenas antissemita. Por fim, representou-se ao Juízo pela retirada do vídeo da plataforma”.
>>  SIGA O SCC10 NO TWITTERINSTAGRAM E FACEBOOK.
Entre no grupo do SCC10 e receba as principais notícias da sua região pelo WhatsApp
Ao entrar você esta ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp





document.getElementById( “ak_js_1” ).setAttribute( “value”, ( new Date() ).getTime() );

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.