Japonês processa clube de golfe por discriminação: recusado como associado por ser ex-estrangeiro – Portal Mie Para o Japão e para o Mundo

O japonês entrou com uma ação por ter sido recusado como associado do clube de golfe por ser ex-estrangeiro.
Foto meramente ilustrativa de martelo do juiz (PxHere)
Um japonês, na faixa dos 40 anos, residente na cidade de Kuwana (Mie), processou o Aichi Country Club, situado em Kani (Gifu), por ter sido recusado como associado pelo motivo de ser ex-estrangeiro.
Entrou com uma ação de danos pelo abalo psicológico sofrido, de 3,3 milhões de ienes, e a primeira sessão do julgamento foi realizada no Tribunal de Yokkaichi, sucursal do distrital de Tsu (Mie), na segunda-feira (11).
A parte do clube de golpe pediu indeferimento e mostrou vontade de lutar. “Senti a pior discriminação da minha vida. Quando serei japonês? Surgiram várias emoções como aborrecimento, compaixão e tristeza”, lamentou o que entrou com a ação.   
Ele era um cidadão sul-coreano e obteve a nacionalidade japonesa em 2018. De acordo com a denúncia, em fevereiro deste ano, foi convidado por um conhecido para uma partida de golfe no Aigi Country Club e solicitou a adesão. No entanto, depois disso, foi informado pelo clube que recusou a adesão, por telefone. Há uma cota de estrangeiros para se associar e nela estão incluídos os que adquiriram a nacionalidade japonesa.   
Ele alegou que o clube violou o artigo 14 da Constituição, que estipula “igualdade perante a lei“. Além disso, teve que explicar sua origem aos seus conhecidos, os quais o apresentaram ao clube de golfe e isso lhe causou danos emocionais.   
À medida que se difundem os esforços para eliminar a discriminação e almejar uma sociedade que respeite a diversidade, esse julgamento chama a atenção.
Essa suspensão parcial em uma linha afetará a produção, mas o plano para julho continua inalterado.
Veículo elétrico bZ4X da Toyota (reprodução HP)
A Toyota Motor anunciou na segunda-feira (11) que estenderá o período de suspensão de uma linha da fábrica de Motomachi, na cidade de Toyota (Aichi), por 10 dias em julho, para investigar a causa do recall do novo veículo elétrico (VE) bZ4X.
Essa suspensão parcial afetará a produção de cerca de 4 mil unidades. Mas o plano de produção global para julho, de cerca de 800 mil unidades, será mantido.
Ao mesmo tempo, além da sua marca, a produção do VE Solterra da Subaru, que também foi objeto de recall, também será afetado pois é produzido nessa planta de Motomachi. 
Os veículos da marca Toyota, Noah, Voxy e o de célula de combustível (FCV) Mirai, também terão produção afetada.  
A Toyota já havia anunciado sobre a suspensão das operações em julho devido à escassez de peças como impacto dos fornecedores infectados pela epidemia do novo coronavírus em Xangai, na China. 
A linha da planta de Motomachi também estava incluída. Segundo o anúncio, os 10 dias da linha a ser paralisada são entre 18 e 29 de julho.

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.