Especialistas denunciam calúnia de políticos ocidentais contra China sob pretexto da "liberdade religiosa" – XINHUA Português

Beijing, 10 jul (Xinhua) — Especialistas chineses refutaram comentários absurdos sobre a China feitos pelos Estados Unidos e outros países ocidentais na Conferência Ministerial Internacional sobre “Liberdade de Religião ou Crença”.
O evento, realizado de 5 a 6 de julho em Londres, viu políticos de certos países, sob o pretexto de “liberdade religiosa”, apontarem dedos para outros países e caluniarem a China desconsiderando os fatos.
Zhang Xunmou, diretor do centro de pesquisa religiosa do Departamento de Trabalho da Frente Unificada do Comitê Central do Partido Comunista da China (PCCh), observou que à medida que a força nacional e a influência internacional da China aumentam, as ansiosas forças anti-China nos Estados Unidos e no Ocidente intensificaram os esforços para cercar e conter a China, sendo os temas religiosos um dos seus métodos.
Zhang exortou os políticos norte-americanos a enfrentarem os problemas do seu próprio país, melhorarem as condições domésticas de religião e de direitos humanos e pararem de se enganar a si mesmos.
Fu Suixin, um pesquisador assistente do Instituto de Estudos Americanos sob a Academia Chinesa de Ciências Sociais (ACCS), disse que os Estados Unidos nunca foram um país com liberdade religiosa, mas frequentemente atacaram os direitos humanos em outros países sob o pretexto da liberdade religiosa.
Discriminação religiosa, violência, escândalos e violações dos direitos humanos são problemas comuns nos Estados Unidos, observou Fu. Oitenta e dois por cento dos adultos americanos dizem que os muçulmanos estão sujeitos à discriminação nos Estados Unidos atualmente, de acordo com uma pesquisa do Pew Research Center.
“Os Estados Unidos consideram o protestantismo anglo-saxão no centro de sua identidade nacional e outras religiões há muito tempo estão sujeitas à discriminação e opressão lá”, disse Fu.
Li Lin, um estudioso de estudos islâmicos no Instituto de Religiões Mundiais da ACCS, disse que desde o advento dos tempos modernos, a comunidade islâmica da China e os muçulmanos deram uma importante contribuição histórica para as lutas do país pela libertação e independência nacional.
Na nova era, o Islão chinês levou adiante a boa tradição do patriotismo, observou os valores socialistas fundamentais e continuou a interpretar os ensinamentos e regras religiosas para se adequar aos valores socialistas fundamentais e integrar os ensinamentos e regras religiosas com a cultura chinesa, acrescentou.
Falando sobre a condição religiosa na Região Autônoma Uigur de Xinjiang, no noroeste da China, Li disse que a região goza de harmonia entre as religiões e todos os crentes de diferentes religiões são membros da grande família da nação chinesa que compartilham um futuro comum e estão unindo os esforços para o desenvolvimento do país.
“Sob a liderança do PCCh, o povo chinês tem gozado de mais direitos humanos e liberdades do que nunca”, apontou Zhang.
O governo chinês apoia as religiões chinesas na adaptação ao contexto chinês e as suporta na interpretação de ensinamentos e regras religiosos para se adaptarem às exigências do desenvolvimento da China e às boas tradições e cultura chinesas, mantendo suas crenças básicas, ensinamentos religiosos essenciais e sistema de etiqueta, disse ele.
“Isto não se destina a mudar crenças religiosas ou remodelar religiões, mas sim intenta adaptar as religiões às características das condições nacionais e preservá-las de forma melhor”, acrescentou Zhang. 
Fale conosco. Envie dúvidas, críticas ou sugestões para a nossa equipe através dos contatos abaixo:
Telefone: 0086-10-8805-0795
Email: portuguese@xinhuanet.com

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.