PF bate à porta de estudante da UFRGS investigado por racismo e apologia ao nazismo – Globo

Quem escreve
Voltar
Bastidores e informações exclusivas sobre política, economia, negócios, esporte, cultura – e tudo o mais que for relevante
Lauro Jardim
Começou no jornalismo em 1989, no Globo. Passou pelas redações de Istoé, JB e Exame. Entre 1998 e setembro de 2015, trabalhou em Veja, onde foi chefe da sucursal do Rio, redator-chefe e editor da coluna Radar desde 2000. Voltou ao Globo em 2015
João Paulo Saconi
Aprendeu jornalismo na UFRJ, onde hoje faz mestrado, e atua na cobertura de temas nacionais do GLOBO desde 2018. Questões políticas e jurídicas permeiam a vida de repórter, guiada pela curiosidade e amparada no entusiasmo em dialogar e escrever.
Naira Trindade
Repórter de O GLOBO desde 2019. Já trabalhou no Estadão e no Correio Braziliense. Formada pela PUC Minas, está em Brasília desde 2006. Já se aventurou por coberturas de áreas da vida cotidiana e atualmente se dedica a desvendar os bastidores do poder
Rodrigo Castro
Formado em Jornalismo pela UFRJ, onde também cursa Direito, passou pela revista Época antes de se juntar à equipe do GLOBO. Interessado por boas histórias, desde temas árduos de política e Judiciário às amenidades de esporte e cultura
Brasil
Por Rodrigo Castro

O estudante Álvaro Hauschild

A PF esteve nesta quinta-feira no prédio onde morava Álvaro Hauschild, doutorando de filosofia na UFRGS investigado por racismo e apologia ao nazismo. Mas os agentes não o encontraram. Foram informados que o estudante está internado e seu apartamento, alugado. Eles cumpriam um mandado de busca e apreensão em operação para repreender a publicação de conteúdos discriminatórios.
Hauschild enfrenta um processo na UFRGS que pode culminar em sua expulsão. Alunos da universidade têm pressionado e realizado atos em que cobram seu banimento da comunidade acadêmica. A Polícia Civil indiciou o doutorando no ano passado por racismo qualificado, mas o caso foi remetido à esfera federal.
O estudante é responsável por mensagens e textos com ofensas a grupos minoritários. Em uma conversa nas redes, afirmou que o negro “exala um cheiro típico”, “tem um cérebro programado para fazer o máximo de filhos que puder” e “consegue harmonizar bem na savana”.
Hauschild também assediou e enviou mensagens antissemitas à namorada de um judeu. Nelas, ele negava o Holocausto.
A PF iniciou uma investigação em janeiro deste ano. Na ação de ontem, os agentes cumpriram outro mandado em Caxias do Sul. No local, apreenderam notebook, celulares e outros dispositivos de armazenamento de arquivos digitais.
TAGS:
Comente
Publicidade

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.