Bienal do Livro esquece as histórias negras para enaltecer o colonizador – Folha

Acesse seus artigos salvos em
Minha Folha, sua área personalizada
Acesse os artigos do assunto seguido na
Minha Folha, sua área personalizada

Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Gostaria de receber as principais notícias
do Brasil e do mundo?
Expressa as ideias do autor e defende sua interpretação dos fatos​
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Chama atenção o motivo pelo qual a literatura de Portugal foi escolhida como a homenageada da 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, que começou no último sábado e vai até domingo. Motivo da escolha: as celebrações do bicentenário da Independência do Brasil, que se comemora este ano.
Para tanto, uma comitiva de 19 escritoras e escritores portugueses, todos devidamente brancos, desembarcou na festa do mercado literário brasileiro. A curadoria portuguesa, “em nome da diversidade”, somou estranhamente a essa lista o nome de três escritores negros não portugueses, nascidos em ex-colônias de Portugal —a moçambicana Paulina Chiziane, o angolano Kalaf Epalanga e o timorense Luís Cardoso.
Antes mesmo de tratar do tanto de tokenismo encerrado nessa “soma” de negros, é preciso fazer a pergunta que não quer calar —a justa homenagem, para a ocasião, não seria à literatura de países africanos de expressão portuguesa? Por que homenagear o colonizador e não a narrativa literária dos povos sacrificados pela colonização?
Afinal, os tempos são de intensificação do pensamento pós-colonial, de consolidação de teorias cujas palavras-chaves são decolonização, justiça social, reparação, direitos humanos e civis, incluídos aqui, ainda hoje, o direito dos povos indígenas e negros usurpados e massacrados nos genocídios produzidos pela colonização europeia branca.

A independência do Brasil não se desvincula da escravidão negra: nada mais justo que a opção fosse colocar em cena, neste momento, escritores dos países de onde vieram os negros escravizados aqui e alhures pelo império português.
Que se desse destaque à poesia da Guiné-Bissau, à prosa de Cabo Verde, às narrativas das revoluções de Moçambique e Angola por independência. Que se divulgassem as biografias dos expoentes da luta africana por libertação e soberania —Samora Machel, Agostinho dos Santos, Amilcar Cabral. Nada mais acertado do que divulgar hoje, à juventude brasileira, a história dessas nações numa feira de livros em São Paulo.

Mas o que se fez foi o contrário, uma revisita ao colonialismo português. De tal modo que esta homenagem à literatura portuguesa opera como uma violência simbólica à história da nossa independência. E, sobretudo, reflete a visão eurocêntrica, subalterna, ainda dominante nos círculos culturais brasileiros dominados por uma branquitude afeita à “colonialidade do poder”, como já dizia o peruano Aníbal Quijano.
Para não falar aqui do cenário de microagressões cotidianas que diversos estratos da sociedade portuguesa desferem contra brasileiros que constituem a atual onda de imigração para aquele país.
As denúncias de casos de xenofobia contra brasileiros —racismo, machismo, assédio e discriminação linguística— aumentaram 433% desde 2017 em Portugal, segundo a Comissão para a Igualdade e contra a Discriminação Racial, a CICDR, órgão ligado ao governo português.
Receba no seu email uma seleção com lançamentos, clássicos e curiosidades literárias; aberta para não assinantes.
Carregando…
Para não falar da falta de reciprocidade dos portugueses quando se trata da divulgação da literatura brasileira por lá, com raras exceções. Em depoimento sobre a Bienal ao jornal O Globo, a editora portuguesa Bárbara Bulhosa lamentou que seus conterrâneos conheçam mal a literatura brasileira. Disse que a questão é também política, para além das diferenças linguísticas, uma vez que “as escolas portuguesas ignoram a literatura brasileira”.
E as bienais também, ao que tudo indica. Nada contra a literatura portuguesa, obviamente. Mas, como diz Caetano Veloso, “gosto do Pessoa na pessoa”, “minha pátria é minha língua”, “e deixe os Portugais morrerem à míngua”.
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Leia tudo sobre o tema e siga:
Você já conhece as vantagens de ser assinante da Folha? Além de ter acesso a reportagens e colunas, você conta com newsletters exclusivas (conheça aqui). Também pode baixar nosso aplicativo gratuito na Apple Store ou na Google Play para receber alertas das principais notícias do dia. A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade. Obrigado!
Mais de 180 reportagens e análises publicadas a cada dia. Um time com mais de 200 colunistas e blogueiros. Um jornalismo profissional que fiscaliza o poder público, veicula notícias proveitosas e inspiradoras, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?
Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Carregando…
Carregando…
ENERGIA LIMPA HOJE E NO FUTURO
Seminário mostra como a Argentina se preparou para receber o turista brasileiro
Referência em Cidades Inteligentes, Curitiba investe em iniciativas para qualidade de vida
Análise de dados ajuda governos na formulação de políticas públicas
Cidades inteligentes colocam tecnologia na porta de casa; saiba tudo sobre as “smart cities”
Crea-SP realiza ações para ampliar presença e relevância das mulheres
Controle do glaucoma depende de prevenção e adesão a tratamento
Tranquilidade e segurança para o produtor rural
Novo protocolo do SUS poderá mudar cenário de pacientes com Hipertensão Arterial Pulmonar
ID digital garante maior confiança nas transações pela internet
Sustentabilidade é prioridade para CEOs globais e brasileiros
Tecnologia aumenta produtividade e reduz custo de empresas de logística
Economia circular ganha força e chega à produção de fertilizantes
QUALIDADE E CUIDADO COM O MEIO AMBIENTE
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Presidente não cita acusações contra Guimarães e afirma que atual gestão será continuidade da anterior
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Líderes do Senado decidiram segurar instalação da comissão parlamentar para período após as eleições
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Dólar sobe a R$ 5,38 e tem maior cotação desde o fim de janeiro

O jornal Folha de S.Paulo é publicado pela Empresa Folha da Manhã S.A.
Copyright Folha de S.Paulo. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.
Cadastro realizado com sucesso!
Por favor, tente mais tarde!

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.