Trabalhadores do setor social exigem aumentos salariais e melhores condições laborais – Observador

Ouvir Rádio
©2022 Observador
A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.
Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais
Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.
Siga o tópico Trabalho e receba um alerta assim que um novo artigo é publicado.
Um grupo de 30 pessoas manifestou-se, na manhã desta segunda-feira, frente ao Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. Em causa, estão aumentos salariais e melhores condições laborais
Exclusivo assinantes: Ofereça artigos aos seus amigos.
Um grupo de quase 30 pessoas, sobretudo dirigentes sindicais, manifestou-se esta segunda-feira por aumentos salariais e melhores condições laborais para os trabalhadores do setor social, maioritariamente pagos com salário mínimo nacional.
A manifestação decorreu durante a manhã, frente ao Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (MTSSS), marcada com palavras de ordem como “É justo e necessário o aumento do salário”, “Ministra, escuta: os trabalhadores estão em luta” ou “Segurança social, pública e universal”.
Esta iniciativa foi organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP) como forma de mostrar que para os trabalhadores do setor social a nível nacional “chega da falta de qualidade no trabalho”.
“Por um lado, os trabalhadores recebem uma miséria porque não viram ainda atualizados os seus vencimentos. Tenham cinco, 10, 30 anos na instituição, estão todos praticamente a receber o salário mínimo”, explicou a dirigente sindical Catarina Fachadas.
PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR
Por outro lado, responsabilizam a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, “por não fazer sair os protocolos de cooperação a tempo e horas”, que é o que define o financiamento estatal que as instituições vão receber.
Ministra garante rapidez na mobilidade de trabalhadores estrangeiros e rigor nas condições

“Depois vem tudo em cadeia porque temos as instituições a dizer que como não receberam o financiamento também não podem avançar com os aumentos salariais”, apontou a dirigente sindical, segundo a qual há também falta de fiscalização sobre o uso dado às verbas públicas atribuídas às instituições.
Segundo Catarina Fachadas, também não há qualquer controlo dos rácios de trabalhadores para utentes e “há muita falta de pessoal”, salientando que cada vez “há mais pessoas com mais idade a trabalhar nestas valências, que por via da sobrecarga física acabam por entrar em períodos prolongados de baixa”.
As reivindicações não são novas, mas, segundo a dirigente sindical, foram agravadas pela falta de trabalhadores e a cada vez maior recusa em trabalhar nesta área que é de grande sobrecarga e com pouco retorno ou os horários “cada vez mais desregulados”.
A responsável adiantou que já neste ano foi feito novo pedido de reunião com a ministra Ana Mendes Godinho, mas que não tiveram resposta até agora.
A manifestação serviu também para pedir o fim da discriminação entre trabalhadores das Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) e das Misericórdias, uma vez que apesar de exercerem as mesmas funções e nas mesmas condições, os primeiros recebem, em média, mais do que os primeiros.
Sobre esta questão, Catarina Fachadas explicou que já foi publicado o aviso de portaria para a extensão das condições de trabalho às Misericórdias, mas continuam à espera da sua publicação em Diário da República.
Enquanto a portaria não é publicada mantém-se a situação de discriminação em que apesar de as Misericórdias terem o mesmo financiamento público, os trabalhadores não têm atualizações salariais, havendo casos de funcionários que com as mesmas funções e a mesma antiguidade recebem menos 150 euros do que numa IPSS.
A dirigente sindical adiantou que haverá milhares de pessoas a trabalhar no setor social e acrescentou que cerca de 80% dos trabalhadores das Misericórdias ganham o salário mínimo nacional.
Costa queria, mas Pedro Nuno recusou sair
Os vencedores, os vencidos e o ajudante
As onze “Laranjas de ouro” do congresso
Passos Coelho diz que Salgado estava “desesperado”
Curiosidade: o ativo mais valioso das organizações
Os empresários e as suas circunstâncias
Alex, João e Luiz. Estafetas gostam da “liberdade”
Só 6 convenções coletivas abordaram o teletrabalho
Beber cerveja faz bem aos intestinos e não engorda
Cidadania. MP quer alunos à guarda da escola
Dona da TVI tem maior ajuda à capitalização
Inspetora do SEF ferida no aeroporto de Faro
As notícias das 7h
Ucrânia com linha da frente mais fácil de defender
O maior gigante do comércio online sente a crise?
6h. Autarcas do PSD defendem saída da ANMP
Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.
A enviar artigo…
Ainda tem para partilhar este mês.
O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.
Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.
Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.
Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.
Por favor tente mais tarde.
Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.
Obrigado por assinar o jornalismo que faz a diferença.
Rua João Saraiva, nº 7
1700-248 Lisboa
© 2022
Disponível gratuitamente para iPhone, iPad, Apple Watch e Android

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.