Pais acusam parque de discriminação contra filha com síndrome de Down – O Tempo

Acesse outros sites de O TEMPO
ESTAMOS
AO VIVO
OUÇA AGORA 91.7FM
RÁDIO SUPER NOTÍCIA
ESTAMOS
AO VIVO
OUÇA AGORA 91.7FM
RÁDIO SUPER NOTÍCIA
Gostaria de ler as notícias de outro Estado?
Os pais de uma criança de 5 anos com síndrome de Down acusam um parque infantil, que funciona dentro de um shopping de Betim, na região metropolitana, de ter cometido discriminação contra a filha. Segundo eles, os funcionários do estabelecimento teriam impedido a menina de brincar acompanhada apenas por monitores, alegando que, pela norma do parque, crianças com autismo e com síndrome de Down só podem entrar no local acompanhadas dos responsáveis. 
A denúncia foi feita por pelos pais da menina nas redes sociais e tem ganhado repercussão. Os pais, inclusive, registraram um boletim de ocorrência na Polícia Militar no dia em que o fato ocorreu, no último sábado (25), e, depois, fizeram um novo BO na Polícia Civil. 
Segundo Meiriele Rabelo, de 39 anos, durante um passeio da família no shopping, a filha e a irmã da menina, de 3 anos, manifestaram interesse em brincar no parque. A mãe, então, teria perguntado aos funcionários os valores e o que era preciso para elas poderem entrar. “A funcionária olhou para a Laura e perguntou pra mim se ela tinha síndrome de Down. Daí, falou que ela só poderia entrar para brincar se estivesse acompanhada de mim ou do meu marido e que isso era uma regra do parque. Ela foi tratada de forma desigual. Foi impedida de entrar no parque e brincar livremente, sem os cuidados dos pais, como ocorre normalmente com as demais crianças. Discriminação é crime, e o tratamento oferecido a Laura foi diferenciado. Nenhuma regra pode sobrepor a lei”, afirma a mãe. 
Ainda conforme Meiriele, logo após o ocorrido, o marido pediu que as funcionárias repassassem os dados do parque e do shopping, que teriam se negado a repassar as informações. “Então, acionamos a Polícia Militar e registramos uma boletim de ocorrência. Depois, também registramos um boletim na Polícia Civil, que abriu um inquérito para apurar a denúncia”, conta a mãe. 
Para Meiriele, o shopping foi negligente. “Quando fizemos a denúncia nas redes sociais, marcamos o shopping, que não se manifestou nem nos procurou. O shopping tem responsabilidade sobre o que aconteceu, já que o parque fica no centro de compras e não atende as regras de inclusão, previstas na lei”, afirma. 
Por meio de nota, o o shopping Betim declarou que “está comprometido em receber todos os seus visitantes de forma igualitária, para garantir que eles tenham uma ótima experiência no empreendimento”. O centro de compras informou ainda “que não tolera e repudia quaisquer atitudes discriminatórias”. “Ressaltamos que os fatos acontecidos na operação Parque do Bubu, localizado em nosso empreendimento, no último sábado, estão sendo apurados para que possamos tomar as medidas cabíveis”, completou.
Já o Parque Bubu declarou, por nota, que, diante de os “fatos noticiados terem envolvido criança e terem sido objeto de registro de ocorrência policial, em atenção à orientação da assessoria jurídica do estabelecimento, não irá se manifestar até que o caso seja cabalmente elucidado pelas autoridades competentes”, declarou.
Super Notícia
Rádio Super Notícia
O Tempo Betim
Opinião
Brasília
Política
Diversão
Coronavírus
Cidades
Tempo
Atualidades
Podcasts
Esportes
Newsletter
Interessa
Turismo
Super Motor
Pandora
Especiais
Charges
Galeria de Fotos
Mais Conteúdo
Publicidade Legal
Serviços Gráficos
Tempo TV
Clube o Tempo
Baixe nosso app
© 1996 – 2022 | Sempre Editora

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.