Advogada de Vitória da Conquista sofre racismo de vizinha: 'Macaca' – Jornal Correio

A advogada Yldene Martins, 41, conselheira estadual da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) na Bahia, foi vítima de racismo por uma vizinha, que a chamou, dentre outras injúrias raciais, de “macaca negra”. O caso aconteceu em Vitória da Conquista, após a advogada solicitar a retirada do carro de outra moradora que ocupava a sua vaga de garagem.
O inquérito policial foi aberto na manhã da última sexta-feira (17), na 1ª Delegacia Territorial de Vitória da Conquista. De acordo com a Polícia Civil, Yldene relatou que o porteiro do condomínio impediu que a vizinha a agredisse fisicamente.
Segundo consta no boletim de ocorrência, obtido pela TV Sudoeste, a vizinha, identificada como Floraci Chaves dos Santos Coqueiro, teria xingado Yldene de nomes como “urubu negro”, “cadela negra” e “negra vagabunda”, antes de a tentar agredir com um chinelo. Nesse momento, ela teria dito “Eu vou dar uma surra agora nessa cadela negra, você me paga”. Foi quando o porteiro interferiu.
A OAB saiu em defesa da profissional e manifestou “sua irrestrita solidariedade à jovem advogada”. A Ordem destacou um entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF), fixado em outubro do ano passado, que considera que o crime de injúria racial é espécie do gênero racismo, sendo, portanto, inafiançável e imprescritível, conforme o artigo 5º, inciso XLII, da Constituição Federal.
A Ordem e a Subseção de Vitória da Conquista repudiaram o racismo sofrido e reafirmaram a disposição de lutar pela promoção da igualdade racial e pela dignidade da pessoa humana.
“É inadmissível que no Brasil, maior nação negra fora do continente africano, tenhamos que conviver com práticas cotidianas de opressão que negam direitos e tentam rebaixar o ser humano pela cor da sua pele, origem, raça ou etnia”, diz pronunciamento.
De acordo com a OAB, Yldene Martins já está sendo acompanhada pela Comissão de Promoção da Igualdade Racial da Subseção de Vitória da Conquista e terá o apoio da Subseção e da Seccional baiana da instituição.
A reportagem não conseguiu localizar a acusada, nem sua defesa, para comentar o caso.
***
Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.
Veja públicos contemplados e locais para imunização
Veja públicos contemplados e locais para…
Qualquer pessoa com mais de seis meses de idade poderá se vacinar
Qualquer pessoa com mais de seis meses d…
Além dos palcos: só esse ano, a Companhia Kika Tocchetto já realizou mais de 100 intervenções artísticas em Salvador e no interior
Além dos palcos: só esse ano, a Companh…
Localizado próximo à Praia do Forte, o Berilo de Aruá acaba de completar um ano e recebe por mês cerca de 70 visitantes
Localizado próximo à Praia do Forte, o B…
Agenda Bahia

Casacor

Simulados e vídeo aula …

Destinos

Eu, Corredor

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.