Gol é condenada por discriminação ao demitir comissária que não podia usar esmalte – JOTA

Home » Tributos & Empresas » Trabalho » Gol é condenada por discriminação ao…
Regulação e Novas Tecnologias
Todo carnaval tem seu fim
Interferência na PF
Por que suspeita sobre Bolsonaro vazar informações para Milton Ribeiro não deve ter consequências jurídicas?
SCOTUS
Um adeus a Roe: 49 anos depois, a superação do precedente do aborto
Risco Político
Bolsonaro enfrenta semana crítica, mas respira aliviado após novas pesquisas
Indenização
Funcionária foi dispensada um dia após levar atestado médico com a contraindicação; linha aérea exige maquiagem e unhas feitas
A demissão de uma comissária de bordo logo após ela comunicar que, por recomendação médica, não poderia usar esmalte nas unhas gerou condenação à companhia aérea Gol por discriminação na Justiça do Trabalho. A manutenção das mãos “manicuradas e esmaltadas” pela funcionária era obrigatória pelas regras da companhia.
Após sentença e recurso da linha aérea, a 2ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT4), no Rio Grande do Sul, condenou a empresa a restituir um ano de salários e benefícios e a indenizar a ex-funcionária em R$ 10 mil pelos efeitos do uso de esmaltes durante os dez anos de trabalho.
Inicialmente escalada para trabalhar durante todo o mês, a mulher foi demitida no dia seguinte à entrega do atestado, que indicava o diagnóstico de dermatite tópica e contraindicação de esmaltes por um período de 60 dias. A Gol rejeitou a alegação de dispensa discriminatória e justificou que a demissão se deveu a questões de produção e comportamental.
A relatora, Tânia Regina Silva Reckziegel, questionou a falta de provas sobre a motivação para a dispensa e destacou o longo período em que a funcionária trabalhou para a companhia. Segundo ela, haveria “uma inexplicável coincidência entre a apresentação do atestado de dispensa do uso de esmaltes e o desligamento. No mesmo sentido, a previsão de carga de trabalho normal antes da referida dispensa e a redução imediatamente subsequente”.
Isso levaria à conclusão de que a dispensa foi discriminatória, devido à situação de saúde que impedia a apresentação da comissária conforme os parâmetros estéticos da empresa.
A declaração da Gol de que não exigia uso de esmaltes também não convenceu.  “Restou demonstrado, de forma inequívoca, pelos documentos juntados e pela prova oral colhida, que as comissárias eram obrigadas a se apresentar com ‘as mão manicuradas e as unhas esmaltadas’, havendo referência, inclusive, de que caso a determinação não fosse seguida, poderia haver o desembarque da comissária”.
O caso aconteceu em maio de 2019, mas o caso só teve trânsito em julgado neste ano, sem a possibilidade de novos recursos. O número do processo no TRT4 é 0021527-18.2019.5.04.0030.
A Gol informou, via assessoria de imprensa, que não comenta ações judiciais. A linha área também não detalhou se as exigências de aparência ainda são as mesmas.
Esse tipo de exigência em relação à aparência das comissárias de bordo já rendeu outras demandas na Justiça do Trabalho, sobretudo pedidos de restituição dos valores gastos por ex-funcionárias da Gol com cuidados estéticos.
Em julgamentos em 2021 com essa temática, a 7ª Turma do Tribunal Regional da 3ª Região, de Minas Gerais, ordenou que a Gol ressarcisse R$ 100 por mês de trabalho para cobrir os gastos com maquiagem de uma ex-comissária.
Embora a empresa tenha alegado se tratar de “harmonização da aparência dos trabalhadores”, sem que a maquiagem fosse obrigatória, a relatora, juíza convocada Sabrina Fróes Leitão, levou em conta o que dizia a cartilha de apresentação pessoal para as mulheres.
Havia especificações de maquiagem como “base, pó facial, blush, em tonalidade compatível com a cor da pele (…) sombra, permitido o uso das cores marrom, bege e cobre. As cores grafite, chumbo e preta são permitidas somente para efeito de esfumaçar”. Também havia orientações para esmaltes e batons.
“As descrições não sinalizam mera sugestão, mas comando impositivo para cumprimento do dever funcional realçadas, inclusive, em apresentações de guia de imagem pessoal”, escreveu a relatora.
As exigências, no entendimento dela, seriam destoantes do cuidado pessoal comum. “Inconteste a despesa realizada para a manutenção da refinada aparência. Como a empregada não há de suportar os custos operacionais da atividade, competia à ré arcar com tais despesas, o que não ficou demonstrado”, afirmou.
O processo no TRT3 tem o número 0011212-63.2019.5.03.0092.
Letícia Paiva – Repórter em São Paulo, cobre Justiça e política. Formada em Jornalismo pela Universidade de São Paulo. Antes do JOTA, era editora assistente na revista Claudia, escrevendo sobre direitos humanos e gênero. Email: [email protected]
Compartilhe
Tags
SCOTUS
Em vigor desde 1973, precedente que garantia o direito ao aborto é superado
, | Artigos
Regulação e Novas Tecnologias
A falta de liquidez no mundo das startups e o início das disputas societárias
, , , , , | Regulação e Novas Tecnologias
Prioridade Absoluta
É necessário pensar em formato que garanta efetiva participação desses adolescentes e seus familiares
, | Artigos
Jazz
Saxofonista lidera quarteto com guitarrista Paul Bollenbeck
| Jazz
JOTA PRO PODER
Parcerias podem ser um caminho importante para a melhoria da qualidade de ensino no país, mirando redução de desigualdades
, , | Infra
Regulação
PL 528 colocaria o Brasil na rota de país alinhado com os tratados internacionais e melhores práticas de mercado
| Artigos
WikiJOTA

WikiJOTA

ADPF

WikiJOTA

Podcast Sem precedentes

Risco Político

webinar

Debate

1ª Turma

Impostos e taxas

Direitos das Mulheres

Operação da PF

Aumento dos Combustíveis

ICMS

Observatório para a Qualidade da Lei
,
competindo pela infraestrutura
,

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.