Chefe da polícia de Toronto pede desculpa por racismo sistémico das autoridades – Observador

Ouvir Rádio
©2022 Observador
A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.
Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais
Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.
Siga o tópico Racismo e receba um alerta assim que um novo artigo é publicado.
Relatório das autoridades de Toronto revela as pessoas negras têm 2,2 vezes mais hipótese de serem abordadas pela polícia e 1,6 vezes mais hipótese de serem alvo do uso de força por parte dos agentes.
Exclusivo assinantes: Ofereça artigos aos seus amigos.
O pedido de desculpa do chefe da polícia, contudo, não foi aceite por todos os elementos das comunidades afetadas
Toronto Star via Getty Images
O pedido de desculpa do chefe da polícia, contudo, não foi aceite por todos os elementos das comunidades afetadas
Toronto Star via Getty Images
Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.
O chefe da polícia de Toronto, James Ramer, pediu desculpa às comunidades negra, árabe, latina e asiática por serem alvo de uso de força desproporcional, depois de um relatório da polícia da cidade ter revelado que estas e outras comunidades foram alvo de racismo sistémico.
Enquanto organização, não fizemos o suficiente para garantir que todas as pessoas na nossa cidade recebem um tratamento policial justo e neutro”, afirmou James Ramer, segundo a agência Reuters. “Enquanto chefe da polícia e em nome da instituição, peço desculpa sem qualquer reserva.”
A investigação permitiu concluir que as pessoas negras tinham 2,2 vezes mais hipótese de ter uma interação com um agente da polícia e 1,6 vezes mais hipótese de serem alvo do uso de força no contacto com os agentes. O relatório utilizou informações da base de dados da polícia relativas a 2020 — por lei, as autoridades no Estado do Ontário, cuja capital é Toronto, são obrigadas a recolher dados com base no perfil racial das pessoas abordadas.
“Estes resultados confirmaram o que, durante décadas, as comunidades racializadas, especialmente as comunidades negra e indígena, têm afirmado: que são desproporcionalmente policiadas em excesso“, disse ainda o chefe da polícia.
PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR
O pedido de desculpa do chefe da polícia, contudo, não foi aceite por todos os elementos das comunidades afetadas. Beverly Brain, do grupo Sem Orgulho no Policiamento, que engloba pessoas queer e transgénero que apoiam o movimento Black Lives Matter em Toronto, esteve presente na conferência de imprensa, deixando clara a posição do grupo: “não aceitamos as suas desculpas“.
De acordo com a CBS News, para a representante do movimento Sem Orgulho no Policiamento, o pedido de desculpa foi uma “ação de relações públicas” e é “um insulto” para as comunidades negra e indígena. “Isto não é sobre salvar as nossas vidas. O que vos temos pedido é que parem”, continuou. “Parem de nos brutalizar e de nos matar.”
Para combater este problema de racismo sistémico, os agentes da autoridade serão treinados em matérias contra a discriminação de negros e indígenas e todos os agentes da polícia terão de utilizar bodycams durante as abordagens nas patrulhas, revelou a Reuters.
Para Notisha Massaquoi, professora do departamento de Saúde e Sociedade da Universidade de Toronto,  não se deve separar a ideia de racismo sistémico de racismo individual.
O racismo sistémico é criado por pessoas racistas”, concluiu. “Não se pode ter racismo sistémico numa organização se este não for apoiado por políticas racistas, valores racistas, atitudes racistas e comportamentos racistas.”
No mês passado, o governo do Canadá introduziu uma proposta de lei para a criação de um organismo responsável pela supervisão polícia nacional e dos serviços de fronteiras.
Não pode ser surpresa: o estado a que isto chegou
Como o PSD começa a controlar empresas de Lisboa
O golpe na economia russa (e como Putin o esconde)
Um SNS a caminho da morte
Star Wars e McGregor defendem atriz contra racismo
António Guterres condena ataque racista em Buffalo
Buffalo. Quem é o jovem que terá disparado?
“Caso Marega”. TCA do Sul nega recurso da FPF 
Turismo algarvio com falta de trabalhadores
Maria Vieira diz ter sofrido censura política
Número de mortes aumentou 19,7% em maio 
5 anos depois de Pedrógão, estará tudo ainda pior?
Guterres ataca pseudo-ciência da indústria fóssil
Max Mara. Do casaco camel a Natália Correia
11h. Novo caos pode levar a mudanças no SEF
BMW M3 Touring bate Mercedes-AMG E63 S em pista
Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.
A enviar artigo…
Ainda tem para partilhar este mês.
O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.
Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.
Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.
Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.
Por favor tente mais tarde.
Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.
Obrigado por assinar o jornalismo que faz a diferença.
Rua João Saraiva, nº 7
1700-248 Lisboa
© 2022
Disponível gratuitamente para iPhone, iPad, Apple Watch e Android

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.