O caso Moïse e o racismo nosso de cada dia – VEJA

Na penúltima segunda-feira, 24, a morte brutal do congolês Moïse Mugenyi Kabagambe, de 24 anos, comoveu o Brasil. O jovem que trabalhava servindo mesas num quiosque na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, foi agredido a pauladas até a morte por quatro homens. As imagens das agressões registradas pelas câmeras de segurança, cedidas à polícia pelo proprietário do quiosque, chocaram o país. 
A morte de Moïse é simbólica, pois revela o racismo que predomina no Brasil. Por aqui, insultar, humilhar, agredir e matar negros é coisa banal. Após 133 anos da abolição da escravatura, o racismo racial ainda comanda toda a lógica da sociedade brasileira e das classes sociais em luta. É ele quem deslinda as alianças, os conflitos e as oposições entre as classes. Em suma, o racismo racial comanda a sociedade brasileira em todas as suas instâncias. 
Segundo o testemunho de familiares de Moïse, o jovem teria sido morto por cobrar dois dias de pagamentos atrasados de seu empregador. Isso foi o necessário para que o espancassem, o humilhassem, o amarrassem e o matassem – algo estarrecedor, porém muito típico em casos de violência racial. Visto que o racismo racial pode ser compreendido, segundo a definição do sociólogo Jessé Souza, como antes de tudo, “a negação do reconhecimento social em suas multiplas formas”, o caso Moïse é apenas um emblema do racismo estrutural que corre pelas nossas veias sociais.
No Brasil, o negro é vítima da violência mais covarde. É animalizado como “tração muscular” em serviços pesados e é estigmatizado como trabalhador manual desqualificado. Dele é exigido que se torne trabalhador orgulhoso de seu trabalho, porém quando reage ao não reconhecimento de seus direitos trabalhistas é visto como “inimigo da ordem” e sofre por isso. É justamente daí que vem o uso sistemático da violência pela polícia e pela própria sociedade civil, como forma de intimidação, repressão e humilhação ao negro no Brasil. Infelizmente, isso foi o que ocorreu com o jovem Moïse, que refugiou-se no Brasil fugindo da guerra em seu país. Mal sabia ele que por aqui o jovem negro é vítima de extermínio todos os dias. 
Que haja justiça para Moïse e que a sua trágica morte seja mais um alerta de que não só a explicitação do racismo racial deve ser denunciada e repelida em nossa sociedade, como também as causas de sua estruturação. 
* Rodolfo Capler é teólogo, escritor e pesquisador do Laboratório de Política, Comportamento e Mídia da Fundação São Paulo/PUC-SP
A partir de R$ 19,90/mês 
A partir de R$ 12,90/mês 
A partir de R$ 12,90/mês 
A partir de R$ 12,90/mês 
A partir de R$ 12,90/mês 
A partir de R$ 9,90/mês 
Leia também no GoRead
Copyright © Abril Mídia S A. Todos os direitos reservados.
Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.
Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo
Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.