Google paga 112 milhões para resolver ação judicial sobre discriminação de mulheres – ECO


Para efectuar a subscrição é necessário iniciar a sessão.

Esqueceu-se da palavra-passe?

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.
Uma visão económica e política do país e do mundo. Exclusiva. Com assinatura. Só os membros desta comunidade têm acesso. Para decidir de forma informada, e antes dos outros. Não queremos assinantes, queremos membros ativos da comunidade.
{{ calculatePrice(‘premiumEco’) }} por ano por mês
{{ calculatePrice(‘premiumEcoAdvocatus’) }} por ano por mês
{{ calculatePrice(‘premiumEcoPessoas’) }} por ano por mês
A Google acordou pagar 118 milhões de dólares (112,4 milhões de euros) para resolver uma ação judicial na qual se acusa a empresa de discriminar mulheres em termos salariais e hierárquicos no estado norte-americano da Califórnia.
A informação foi confirmada hoje pela Google, depois de um comunicado divulgado na sexta-feira pelas duas sociedades de advogados que intentaram a ação coletiva.
O acordo abrange cerca de 15.500 mulheres empregadas que trabalham na Califórnia desde setembro de 2013, de acordo com a mesma nota.
A empresa também concordou que seja realizada uma auditoria independente às práticas de contratação e compensação.
“Depois de quase cinco anos (…), ambas as partes concordaram que a resolução do caso, sem qualquer admissão [de responsabilidade] ou conclusão, era do interesse de todos, e estamos muito satisfeitos por termos chegado a este acordo”, disse um porta-voz da Google à agência de notícias France-Presse (AFP).
O processo foi instaurado em 2017 num tribunal de São Francisco por antigos funcionários da Google.
No texto do acordo, divulgado pelos advogados, é indicado que a Google “nega todas as alegações na queixa e sustenta que cumpriu sempre na íntegra com todas as leis, regras e regulamentos aplicáveis”.
“Estamos absolutamente empenhados em pagar, contratar e nivelar todos os empregados de uma forma justa e equitativa”, disse, por seu lado, o porta-voz da Google.
A empresa norte-americana já tinha concordado em 2021 em pagar 3,8 milhões de dólares (3,6 milhões de euros) ao Departamento do Trabalho dos EUA, na sequência de acusações de discriminação contra mulheres e asiáticas.
A Google disse então que a discriminação foi detetada durante uma auditoria interna de rotina e que a empresa concordou em pagar para retificar a situação, mas negou que tivesse infringido a lei.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.
De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.
Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.
20:03
Autarca defende Coimbra “acima da própria ANMP”
19:54
Allianz comunica nova mensagem global
19:53
ASF quer conhecer apólices ciber que protegem as seguradoras
19:47
Guerra: Resseguradora estatal é último garante à frota russa
19:43
IPCA debate em Braga mercado de trabalho nos seguros
18:52
UE deplora “ação unilateral” do Reino Unido no acordo Brexit
18:32
Projeto de reciclagem de brinquedos vence prémio europeu
18:05
Videojogos criam mil empregos “a sério” em Portugalpremium
17:48
Águas de Santo André investe na zona industrial de Sines
17:43
Bolsa de Lisboa fecha a perder 1,18% em linha com Europa
Dona do Continente dá sexta-feira à tarde aos trabalhadores do escritóriopremium
BCE dá tiro de partida para subidas consecutivas de jurospremium
Banco de Fomento vai mudar de instalações e está a contratar
Salsa pronta a vestir mais em Espanha do que em Portugal
Privados têm mais peso no PRR português que na média da UE
Preço do petróleo desce em abril, mas combustíveis sobem
{{ noCommentsLabel }}
Ainda ninguém comentou este artigo.
Promova a discussão dando a sua opinião
Conselho Superior da Magistratura abre concurso para 24 técnicos superiores nas áreas da psicologia, contabilidade, economia ou finanças para os gabinetes de apoio aos magistrados judiciais.
Receba gratuitamente informação económica de referência
Disponível gratuitamente para iPhone, iPad, Apple Watch e Android
Receba gratuitamente informação económica de referência
Disponível gratuitamente para iPhone, iPad, Apple Watch e Android
Atualize o seu browser para ter uma melhor experiência e visualização deste site. Atualize o seu browser agora
×

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.