Movimento Estudantil propõe criação de mecanismo nacional para denúncias anónimas de assédio – Observador

Ouvir Rádio
©2022 Observador
A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.
Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais
Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.
Siga o tópico Ensino Superior e receba um alerta assim que um novo artigo é publicado.
O Movimento propôs a criação de mecanismos nacionais e gabinetes regionais para denúncias de assédio sexual e discriminação, assim como a realização de um estudo sobre assédios moral e sexual nas IES.
Exclusivo assinantes: Ofereça artigos aos seus amigos.
O Encontro Nacional de Direções Associativas acontece para debate de posições sobre diferentes áreas do Ensino Superior
PAULO NOVAIS/LUSA
O Encontro Nacional de Direções Associativas acontece para debate de posições sobre diferentes áreas do Ensino Superior
PAULO NOVAIS/LUSA
O Movimento Associativo Estudantil Nacional do Ensino Superior propôs durante um encontro nacional em Viseu a criação de um mecanismo nacional especializado e gabinetes de âmbito regional para denúncias anónimas de assédio sexual ou discriminação nas instituições.
O Movimento Associativo Estudantil Nacional do Ensino Superior esteve reunido no fim de semana na Aula Magna do Instituto Politécnico de Viseu, em sede de Encontro Nacional de Direções Associativas (ENDA), para debater posições sobre diferentes áreas do Ensino Superior.
Na sequência de diversos casos de alegado assédio nas Instituições de Ensino Superior (IES), o Movimento propôs a criação de “um mecanismo nacional especializado e respetivos gabinetes de âmbito regional para que os estudantes que se sentem vítimas de assédio ou discriminação possam denunciar anonimamente”.
Pediram igualmente a realização de um estudo sobre assédios moral e sexual nas IES, a implementação de obrigatoriedade de um Código Ético de Conduta Académica em todas as IES, assim como a inclusão de ações preventivas.
PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR
Durante o encontro, os estudantes apresentaram propostas de alterações do Regulamento de Bolsas a Estudantes do Ensino Superior, solicitaram a garantia de financiamento para a criação e manutenção de Gabinetes de Apoio Psicológico e exigiram a definição clara de critérios para alertar para o insucesso escolar.
Relativamente ao Financiamento do Ensino Superior, os estudantes pediram um aumento da dotação financeira às IES em sede de Orçamento de Estado e a revisão do modelo de financiamento destas.
Durante o Encontro, os estudantes Ricardo Nora e João Machado foram eleitos para o Conselho Consultivo do Instituto Português do Desporto e Juventude e para o Conselho Consultivo do Ensino Superior, respetivamente.
Foi igualmente aprovada com 52 votos a favor e duas abstenções a realização do próximo Encontro Nacional de Dirigentes Associativos no ISCTE — Instituto Universitário de Lisboa.
No decorrer da reunião durante o fim de semana em Viseu várias associações académicas do país abandonaram o ENDA em protesto contra o modelo daquele fórum, que acusam de não ser legítimo.
As associações académicas de Coimbra, Açores, Algarve, Aveiro, Beira Interior, Évora, Madeira, Minho e Trás-os-Montes e Alto Douro abandonaram no sábado o ENDA, que reúne o movimento associativo nacional dos estudantes do ensino superior, em protesto contra aquilo que consideram ser um modelo de fórum “centralizador”, que favorece as federações associativas, afirmaram estas estruturas, em comunicado enviado à agência Lusa.
Associações académicas abandonam encontro nacional e criticam a sua legitimidade

Nesse comunicado, as associações académicas “questionam a legitimidade das moções” que venham a ser aprovadas na reunião ordinária do ENDA, depois de a terem abandonado no sábado.
“O ENDA não pode ser um espaço onde as associações que representam 25% dos estudantes de todo o ensino superior a nível nacional equivalem a menos de 10% da votação. Infelizmente, o atual modelo, fortemente centralizador e federalista, marcado por discussões que se tornam, por vezes, demagogas e vazias, proporcionadas por jogos de interesse, não cumpre os seus princípios”, pode ler-se no comunicado.
Cancro e perda de visão: Putin está perto do fim?
A coragem que Costa precisa de ter
A inflação quando renasce não é igual para todos
As vitórias de Cavaco e o poder absoluto
Matemática. “Pensamento abstrato sai prejudicado”
Universidades queixam-se de subfinanciamento
ISCTE passa a ter casas de banho não-binárias
Que futuro para o Instituto Superior Técnico?
Universitários apontam ansiedade após pandemia
Homens são mais infantis? É síndrome de Peter Pan?
Cátedra da UNESCO na Universidade do Porto
7h. Segurança Social corta apoio alimentar
A coragem que Costa precisa de ter
O Orçamento como ferramenta de propaganda
As reformas que parecem missões impossíveis
Quando a guerra é boa para a economia
Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.
A enviar artigo…
Ainda tem para partilhar este mês.
O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.
Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.
Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.
Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.
Por favor tente mais tarde.
Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.
Obrigado por assinar o jornalismo que faz a diferença.
Rua João Saraiva, nº 7
1700-248 Lisboa
© 2022
Disponível gratuitamente para iPhone, iPad, Apple Watch e Android

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.