Indigenista desaparecido na Amazônia foi exonerado por governo Bolsonaro – Combate Racismo Ambiental

Bruno Araújo Pereira foi retirado do cargo de chefia da Coordenação geral de Índios Isolados e Recém Contatados da Funai em 2019, após conduzir uma operação que expulsou centenas de garimpeiros da Terra Indígena Yanomami, em Roraima.
Por Bruna Alessandra, na Revista Fórum
Os desaparecimentos, do servidor licenciado da Funai Bruno Araújo Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips enquanto viajavam pelo Vale do Javari, no Amazonas trazem novamente à tona, o debate entorno da atuação do governo Bolsonaro para favorecer o garimpo nas terras indígenas com o desmonte da Funai.
Uma das primeiras medidas de Bolsonaro no início de seu governo foi exonerar Bruno Araújo Pereira da chefia da Coordenação geral de Índios Isolados e Recém Contatados, em 2019. Após o ato, o indigenista que é servidor de carreira decidiu tirar licença do órgão.
Após sair de licença, Bruno Araújo Pereira vinha trabalhando como assessor da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Unijava), principal organização do território indígena. 
Segundo o ex-servidor da Funai Antenor Vaz, que já foi o chefe do órgão no Vale do Javari o “Pereira” é  uma pessoa aliada e comprometida com a defesa dos direitos dos povos indígenas”.
Após o desaparecimento da dupla, a própria Funai afirmou que Pereira “não estava na região em missão institucional, dado que se encontra de licença para tratar de interesses particulares”.
Segundo Antônio Vaz, o território vem sofrendo invasões crescentes de caçadores, pescadores, madeireiros e garimpeiros.
Ultimamente, segundo ele, também tem aumentado a ação de narcotraficantes na terra indígena, que fica na fronteira com o Peru e a Colômbia.
Informações da União das Organizações Indígenas do Vale do Javari (Univaja) e do Observatório dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato (OPI), dão conta de que o indigenista e outros membros da entidade vinham sofrendo ameaças.
“Enfatizamos que na semana do desaparecimento, conforme relatos dos colaboradores da Univaja, a equipe recebeu ameaças em campo. A ameaça não foi a primeira, outras já vinham sendo feitas a demais membros da equipe técnica da Univaja, além de outros relatos já oficializados para a Polícia Federal, o Ministério Público Federal em Tabatinga, o Conselho Nacional de Direitos Humanos e o Indigenous Peoples Rights International”, ressaltou por meio de  nota.
No governo de Jair Bolsonaro, a Funai sofreu vários grandes cortes no orçamento e passou a endossar propostas do presidente contrárias aos  direitos dos indígenas, como a liberação do garimpo nesses territórios, além da interferência na demarcação dos territórios.
Segundo Antenor Vaz, a “omissão da Funai” no Vale do Javari  fez com que os indígenas assumissem por conta própria, a defesa do território e se colocassem em risco de confrontos com invasores.

Imagem: O indigenista Bruno Pereira em missão realizada pela Funai — Foto: Divulgação Funai



document.getElementById( “ak_js_1” ).setAttribute( “value”, ( new Date() ).getTime() );

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.