“Racismo é crime e como crime deve ser tratado” – Defensoria Pública do Estado do Ceará

A Escola Superior da Defensoria Pública (ESDP) promoveu na última sexta-feira (6/5) o workshop “Racismo e política de igualdade racial” destinada a defensoras (es), colaboradoras (es) e estagiárias (os). A capacitação foi facilitada por Zelma Madeira, uma das mais renomadas pesquisadoras do tema no Ceará.
“A gente reivindica uma política de reparação por um passado criminoso que foi a escravidão. Não queremos sentimento de pena, queremos acessar nossos direitos. A gente quer acessar as políticas públicas, que são respostas às desigualdades. São estratégias para a superação de questões sociais. Política afirmativa é para resolver um problema. Qual o problema? Racismo”, introduziu a palestrante, que é doutora em sociologia e assessora especial de acolhimento aos movimentos sociais do Governo do Estado.
Defensora geral do Ceará, Elizabeth Chagas enalteceu a implementação de cotas raciais nos concursos e nas seleções da instituição, a primeira do sistema de justiça cearense a fazê-lo. A política afirmativa foi estabelecida em lei e já está em vigor. Ela ressaltou também a importância de o Ceará ter uma legislação própria como marco legal de reparação a negros e negras. A norma estadual entrou em vigor em 25 de março de 2021.
“Tem que ter uma institucionalização das cotas para que ninguém as tire. Ou para que seja vergonhoso tirar. A gente sabe que vão vir recursos e mandados de segurança. Mas a gente vai construir isso em conjunto para que dê certo, porque é muito fácil a gente esquecer a nossa história e dizer que todos temos as mesmas oportunidades. Não temos! Quando você olha para os presídios, quem está lá são, em maioria, negros e negras. Na minha sala na faculdade, nenhum aluno era negro. Se as oportunidades são as mesmas, então por que os negros não passam? Sabemos que não é isso e sim reflexo do racismo estrutural, algo que temos que discutir inclusive dentro da família. Na minha própria casa, eu reconheço episódios racistas. Nós precisamos assumir nossas culpas para reconstruir a história. Temos uma dívida com as populações negra e indígena, enquanto sociedade, e temos que pagar essa conta. A gente tem muito a evoluir”, afirmou Elizabeth Chagas.
Segundo Zelma, a implementação de cotas raciais dialoga com a reivindicação histórica dos movimentos sociais pelo acesso de negras e negros em concursos públicos e ao ensino superior. Ela defendeu que a temática seja amplamente discutida com operadores do Direito para evitar a judicialização das políticas afirmativas, que têm sido atacadas ideologicamente e quando o trabalho das bancas de heteroidentificação é questionado.
“A Defensoria, ao implementar cotas, terá um espaço mais diverso e menos monocromático. É um compromisso. Um compromisso que se vê também quando a Defensoria lutou para que a lei estadual não fosse alterada. A Defensoria Geral esteve lá, disse que iam ficar juntos conosco e ficou. Precisamos de mais operadores do Direito negros e mais operadores do Direito sintonizados com a causa antirracista. Só assim vamos rebater isso de que nossa reivindicação é ‘mimimi’, vitimismo ou assistencialismo. O racismo cria um imaginário. E imaginários não são mentira. Pelo contrário. Deixam uma herança”, pontuou a pesquisadora.
Para a diretora da ESDP, defensora Ana Mônica Amorim, o fato de a Defensoria garantir a realização de bancas de heteroidentificação mostra o compromisso da instituição com a causa antirracista. “Todos os nossos concursos e as nossas seleções têm bancas, que são soberanas e compostas por pessoas extremamente capacitadas na execução desta política pública. E a professora Zelma Madeira cumpriu papel essencial neste processo.”
Ela refere-se ao fato de Zelma ter acompanhado a implementação das cotas raciais na DPCE desde o início das discussões e articulações, em 2020. Um tema que, na opinião da diretora do Núcleo de Estágio da instituição, defensora Camila Vieira, não é transversal e sim essencial à dinâmica da Defensoria. “Isso está na base do que é a Defensoria, porque essa é uma política que incide diretamente no público que nós atendemos, que é, em maioria, o público negro. Mas nós não estamos aqui só pra ouvir a professora. Vamos reverberar o que ouvimos na nossa instituição e na sociedade para diminuirmos essa segregação tácita.”
Por isso, é fundamental que mudanças ocorram em várias frentes. “Quando a gente fala de racismo, não é ‘coisa de negro’. Temos uma abolição inacabada, com uma escravidão que se recria e nos desumaniza. Desumanizado, eu não tenho como acessar direitos. E quem descende de África sempre foi tido como macaco. Chamar de macaco é desumanizar. Por isso, a solução do racismo não está com os negros. É um problema nosso. Coletivo. Enquanto tiver racismo, não vamos ter paz. O racismo é sempre estrutural, inerente à ordem social. Mas racismo é crime e como crime deve ser tratado. Não pode chamar de macaco? Não pode. É crime! E o povo negro sempre lutou pela negritude, de que é bom ser negro”, finaliza Zelma Madeira.
Para assistir ao workshop na íntegra, clique aqui.
 

Outros resultados…
Atendimento ao Cidadão:
Ligue 129
Copyright © document.write(new Date().getFullYear()) Defensoria Pública do Estado do Ceará.
Edifício Sede: Av. Pinto Bandeira, nº 1.111, Bairro Luciano Cavalcante, Fortaleza – CE, CEP 60.811-170.
Telefones: (85) 3194-5000
Gostariamos de abrir uma página do domínio site em uma nova janela.
Por qual motivo este aviso é exibido?
Fortaleza
-Plantão Cível
Local: Sede da Defensoria Pública Geral, na sala do CDC/CDI, situada na Av. Pinto Bandeira, 1.111, Eng. Luciano Cavalcante, Fortaleza – CE. Telefones para atendimento durante os dias do plantão (sábado e domingo – 12h às 18h) – (85) 9 8400-5997 (ligação e whatsapp)
Horário: das 12h às 18h.
-Plantão Criminal
Local: Vara Privativa de Audiências de Custódia, situada na Rua Conselheiro Tristão, 188, Centro Fortaleza – CE. Telefones: (85) 9 8616-7001
Horário: das 08 às 14 horas.

Juazeiro do Norte
Local: Núcleo da Defensoria Pública em Juazeiro do Norte
Endereço: Rua Poeta José Bernardo da Silva, 500,Jardim Gonzaga, Juazeiro do Norte-CE CEP: 63.046-470. Telefones: (88) 3587-1642 / (88) 98827-3710 *apenas durante a pandemia

Sobral
Local: Núcleo da Defensoria Pública em Sobral
Endereço: Av. Monsenhor Aloísio Pinto, 1200, Dom Expedito, Sobral – CE. Telefones:  (88) 3614-1608 / (88) 3614-3460 / (88) 9 9663-1000 e (88) 9 9444-2120 *apenas durante a pandemia
Casos atendidos pelo plantão
Confira as Escalas de Plantão
Area Criminal: habeas corpus, pedido de revogação de prisão preventiva ou temporária, relaxamento de prisão e liberdade provisória, com ou sem fiança, medidas cautelares e antecipatórias, requerimentos para realização de exame de corpo de delito em casos de abuso de autoridade, comunicações de prisão em flagrante delito, nos termos da lei processual penal.
Infância e Adolescência: casos que envolvam guarda de crianças em situação de risco, afastamento do agressor do lar, dentre outros nos termos do Estatuto da Criança e do Adolescente, além de casos como medidas cautelares e antecipatórias, nos termos da lei processual civil, casos de apreensão e liberação de adolescentes a quem seja atribuída a prática de ato infracional; e tutelas de urgência em ações que envolvam crianças e adolescentes, em situação de violação de direitos, inclusive para afastamento do convívio familiar.
Cível e Saúde: pedidos de liberação de cadáver e de concessão de medidas cautelares por motivo de grave risco à vida ou à saúde de enfermos.
Este site requer javascript para funcionar corretamente

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.