Menina que desmaiou durante agressão contou à mãe que sofria racismo – Gazeta Digital

icon-weather
Publicidade
Cuiabá, Segunda-feira 06/06/2022
Cidades – A | + A
por causa do cabelo e pele 01.06.2022 | 12h40
yuri@gazetadigital.com.br
Reprodução/Vídeo

Já fazia alguns dias que a mãe de uma aluna da Escola Estadual Leônidas Antero de Matos, no CPA 3, notou a mudança de comportamento na filha de 8 anos. Ela reclamava que não queria mais ir à escola, chegou a relatar alguns episódios de bullying, mas a mãe não imaginava a proporção das agressões até a última sexta-feira (14). Assim que ela chegou em casa, foi surpreendida com um vídeo gravado dentro do banheiro da unidade escolar, onde a filha aparece sendo agredida por duas meninas. Ela até tenta se defender, mas acaba desmaiando.
 
Racismo teria motivado as agressões. À mãe, a menina contou que vinha sendo alvo de piadas por conta do seu cabelo e da sua pele. As agressoras falavam que ela era ‘neguinha do cabelo pixaim’, que ela era feia, que faziam piada com a cor da pele dela.
 
Em entrevista ao , a mãe – que não será identificada para preservar a imagem da menor –, contou que chegou em casa de noite, depois de um dia de trabalho, e já foi abordada pelas duas filhas. “Elas chamaram eu e meu marido e contaram o que tinha acontecido, também já mostraram o vídeo. Nós ficamos em choque e já procurei a polícia no dia seguinte”, disse.
 
Leia também – Vítima de bullying, menina de 8 anos leva ‘mata-leão’ e desmaia em escola de Cuiabá
Caso já está sob os cuidados da Delegacia Especializada de Defesa da Criança e do Adolescente (Deddica). Os pais da menina também procuraram o Conselho Tutelar, que foram informados que não receberam nenhuma chamada da direção da escola. “Me deixou sentida que, um caso como esse, não teve uma notificação aos pais, nem mesmo ao conselho”.
 
A mulher afirma que durante o sábado (28) recebeu vários vezes o vídeo da agressão. Esperou por um posicionamento da direção do colégio, que não veio nem naquele dia, nem no domingo (29). Já na segunda (30), ela foi com o marido na escola e pediu a transferência das filhas.“Perguntaram quem eram minhas filhas, aí eu disse que uma delas foi a que aparecia sendo agredida no vídeo, aí eles ficaram quietos, não falaram nada”.
 
‘Só liga quando falta’
No dia em que a agressão aconteceu, a irmã mais velha da vítima estava na quadra da escola durante uma apresentação. Ela recebeu o vídeo, reconheceu a irmã e tentou sair para ajudá-la. “Ela foi contida, disseram que não podia sair da quadra e que já tinham resolvido”, lembrou a mãe.
 
Mas, na segunda, ela percebeu que a situação parecia ter sido esquecida. “Uma cena dessas, de violência, sequer foi registrada em ato. Os pais das crianças envolvidas não foram comunicadas, eu não fui comunicada, meu marido também não recebeu nenhuma ligação da escola. Não tem um procedimento padrão?”, desabafa.
 
A diretora afirmou que tinha visto o vídeo em rede social, mas que ainda não tinha tomado nenhuma medida. A mãe lembra que ela ainda chegou a pedir o nome das crianças que estavam no vídeo, mas a questionou como gestora, que era o trabalho dela fazer a identificação e punir as agressoras.
 
“A escola me liga quando minhas filhas faltam, mas não é capaz de me ligar quando ela é agredida, quando está desmaiada e já pensou se estivesse morta?”.
 
Outro lado
Reportagem entrou em contato com a escola, mas foi informada que o assunto está sendo tratado pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc). Já o órgão emitiu uma nota, afirmando que está tomando providências e realizando atividades orientativas e preventivas.
 
Confira a nota na íntegra
Em relação a casos relacionados a brigas entre alunos, a Secretaria de Estado de Educação (Seduc-MT) esclarece que a Diretoria Regional de Ensino (DRE) e o Núcleo de Mediação da Secretaria Adjunta de Gestão Educacional tomam as providências que incluem palestras de orientação, além de dinâmicas junto aos estudantes e professores como ação orientativa e preventiva. Providências também são tomadas pela direção da unidade escolar junto à família e à Polícia Civil, no sentido de identificar os envolvidos.”
Publicidade
Cuiabana – 02/06/2022
Quando os pais comecarem serem responsabilizados,pelas agressões dos filhos, racismo, a coisa muda, e os professores também não dão tarefas para ocupar as crianças eu pedi a uma professora no Dom Bosco em VG tarefas para minha sobrinha porque o ensino tava muito fraco, , ela respondeu em sala que se não tivesse contente que mudasse da escola e foi o que eu fiz, estudar com uma pessoa com um pensamento desse, é um retrocesso para as crianças
Evangelista – 02/06/2022
A MAIORIA SEMPRE QUER JOGAR A CULPA NOS PROFESSORES, DIRETORES, MAS QUANDO ELES DÃO DURA MUITOS PAIS RECLAMAM DA ESCOLA, ESSA CRIANÇA APRENDEU SER RACISTA E AGRESSIVA AONDE? OS PRIMEIROS RESPONSAVEIS PELOSXFILHOS AGRESSORES SÃO OS PAIS, TEM QUE COMECAR ASSUMIREM SUAS RESPONSABILIDADES E NAO JOGAR PROS OUTROS, SE A ESCOLA FOI CONIVENYE TAMBÉM DEVE SER RESOONSABILIZADA, PORQIE LOGO VAO AGREDIR OS PROFESSORES TAMBÉM
EVANGELISTA – 02/06/2022
A EDUCAÇÃO DOS FILHOS É OBRIGAÇÃO DOS PAIS, TEM GENTE QUE QUER TERCEIRIZAR A EDUCAÇÃO DOS FILHOS, EDUCAR FILHOS DA TRABALHO REQUER ENERGIA, BONS EXEMPLOS,, COLCAR PARA FAZER TAREFAS AS ESCOLAS NEM DÃO TAREFAS, OS PROFESSORES TEM MUITA PREGUIÇA, MAS EDUCAÇÃO VEM DE CASA, A ESCOLA PODE ADVERTIR E EXPULSAR, MAS EDUCAR JÁ NÃO TEM COMO, MUITOS DEIXAM OS FILHOS NA INTERNET OU NA RUA O DIA TODO,VIRAM MAIORIA MARGINAIS E DROGADOS, FILHOS SEM PAIS PRESENTES
sidão – 02/06/2022
infelizmente o nosso pais não é preparado para nada nem as policiais nem as escolas ficam direto reclamando de preconceito mais não tem competencia para resolver de fosse alguem importante teriam resolvido
waldomiro lopes – 01/06/2022
NÃO SE TRATA DE ”’BRIGAS ENTRE ALUNAS”’ VEZ QUE A VÍTIMA QUE SOFREU RACISMO E FOI ESPANCADA ATÉ O DESMAIO SE APRESENTAVA TÃO SOMENTE COMO VÍTIMA E AINDA APANHANDO DE DUAS ALUNAS, TAMBÉM A FALTA DE RESPONSABILIDADE DOS FUNCIONÁRIOS E DA DIRETORIA DA ESCOLA. QUE O CASO NÃO FIQUE SEM SOLUÇÃO, QUE SEJAM TOMADAS TODAS AS PROVIDENCIAS PARA QUE FATOS DESSA NATUREZA NÃO MAIS ACONTEÇAM.
SERVIÇO PÚBLICO
OPORTUNIDADE
vulnerabilidade e risco social
CALOR PREDOMINA
NO CENTRO
após agressão em Cuiabá
SUMIDO HÁ 2 DIAS
dia mundial do meio ambiente
Seu navegador não suporta iframes.

Para comemorar centenário, obras de Lenine Póvoas serão reeditadas

Polícia Militar lamenta morte do sargento da reserva André Santana

Grupo de Mauro cria uma terceira divisão para disputa ao Senado

Polícia pede ajuda para encontrar donos de cão perdido na Derf
Segunda-feira, 06/06/2022
Publicidade
Milho Disponível R$ 66,90 0,75%
Algodão R$ 164,95 1,41%
Boi à vista R$ 285,25 0,14%
Soja Disponível R$ 153,20 1,06%
Publicidade
Publicidade
O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real 10.1, TV Pantanal 22.1, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.