O terrorista de Buffalo e o alcance global do racismo – Folha

Acesse seus artigos salvos em
Minha Folha, sua área personalizada
Acesse os artigos do assunto seguido na
Minha Folha, sua área personalizada

Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Gostaria de receber as principais notícias
do Brasil e do mundo?
www.latinoamerica21.com é uma mídia pluralista comprometida com a disseminação de informações críticas e verdadeiras sobre a América Latina.
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Professor de história na New School, em Nova York, e doutor pela Universidade Cornell. É autor de obras sobre fascismo, populismo, o Holocausto e ditaduras
Advogado, especialista em teoria racial crítica e processos de formação de Estados, e mestre em estudos internacionais e sociologia
O recente massacre racista em Buffalo tem uma história global que o antecede. Na verdade, o “manifesto” de 180 páginas do terrorista elogia a Argentina em sua primeira página, por sua suposta situação racial. O assassino idealiza o país sul-americano através da mentira racista e delirante e afirma que a Argentina é o único país “branco” com uma alta taxa de natalidade que o defenderia dos inimigos da raça branca. De onde vem essa fantasia delirante de uma “Argentina branca”?
A Argentina é um país diverso, muitas vezes aberto, tolerante e generoso. E também é um país que, como muitos, tem uma longa história de fascismos e racismos múltiplos.
O terrorista de Buffalo adere à chamada “teoria da grande substituição”, cujas origens remontam às ideias de degeneração social e racismo científico do final do século 19.
De acordo com elas, a superioridade civilizacional ocidental deveria ser mantida biológica e culturalmente para evitar o caos e o colapso social. Esta ideologia foi amplamente aceita pelas elites políticas em vários países dos dois lados do Atlântico e deu lugar a políticas eugenistas, segregacionistas, anti-imigratórias e, finalmente, fascistas e genocidas.
Nos anos 1930, os nazistas radicalizaram a mentira de uma conspiração judaica cuja finalidade era organizar uma mistura de raças, levando a um extermínio das populações brancas a nível mundial. Desde então, a ideia do “genocídio branco” foi utilizada por organizações fascistas e afins durante a Guerra Fria para justificar a violência política em nome da defesa existencial de nacionalismos étnicos.
Nos anos de 1970, a Confederação Anti-comunista Latino-americana introduziu noções de “genocídio e supremacia branca” que influenciaram as doutrinas das agências responsáveis pela Operação Condor. As ditaduras da Bolívia, do Chile e do Paraguai foram muito receptivas a tais ideias devido, em parte, à presença de ex-nazistas e ex-ustaše (organização terrorista nacionalista croata baseada no racismo religioso e aliada ao nazismo) em altos cargos.
As juntas militares latino-americanas se percebiam como guerreiros de uma cruzada histórica contra uma conspiração global e em defesa da civilização ocidental cristã. Durante os anos 1970 e 1980, houve uma forte cooperação transatlântica entre os agentes das juntas, organizações europeias paramilitares e neofascistas como a P2, os governos do apartheid da Rodésia e da África do Sul, e elementos da extrema-direita estadunidense.
Essas relações deram frutos durante as guerras e massacres genocidas na América Central, nas quais a Argentina teve participação direta através do envio de “assessores” que eram especialistas em repressão ilegal. Isto nos permite entender de onde vem o delírio de uma América Latina com um papel central na defesa do Ocidente.
Não esqueçamos que o terrorista de Buffalo também disse que esta luta racial poderia começar em países como Argentina ou Venezuela e inclusive menciona o Uruguai como um dos países “ancorados na raça branca”, junto com a Austrália, Argentina, Nova Zelândia e Estados Unidos.

Esta ênfase na nação latino-americana só pode ser entendida em termos de histórias compartilhadas e tradições fascistas, fantasias racistas transnacionais. São as memórias globais do fascismo internacional. Nos fóruns da internet, os extremistas do neofascismo global admiram a ditadura argentina e também Augusto Pinochet como atores que devem ser emulados.
Enquanto um dos fundadores do fascismo argentino, Leopoldo Lugones, defendia o imperialismo argentino por sua superioridade “branca” sobre outras nações latino-americanas, os generais da última ditadura militar (1976-1983), que mataram dezenas de milhares de cidadãos em sua “guerra suja” lançada em nome do “Ocidente cristão”, utilizaram uma lógica semelhante.
Em 1976, o general Videla salientou o caráter global da disputa: “A luta contra a subversão não se esgota em uma dimensão puramente militar. Trata-se de um fenômeno mundial. Tem dimensões políticas, econômicas, sociais, culturais e psicológicas”, disse.
Em particular, as ideias de substituição e invasão e as fantasias paranóicas sobre a expansão e migração de europeus não-brancos são fundamentais para a tradição fascista argentina. As infames declarações do general Albano Harguindeguy, Ministro do Interior sob a ditadura argentina, só podem ser entendidas nesta perspectiva histórica. Em 1978, Harguindeguy falou da necessidade de fomentar a imigração europeia para que a Argentina pudesse “permanecer um dos três países mais brancos do mundo”.
Este racismo explícito na Argentina tomou a forma de um reconhecimento aberto da necessidade de erradicar outras expressões “não européias” da nação. A profundidade e o alcance deste desejo se manifestou, mais uma vez, nos campos de concentração, que funcionavam como centros de clandestinos detenção e de tortura, nos quais o racismo e o antissemitismo tinham um lugar central.
A luta contra o inimigo não tinha limites. A cooperação internacional entre organizações fascistas e supremacistas brancos continuou após o fim da Guerra Fria. Se antes lutavam para derrotar o comunismo em Angola, Chile ou Nicarágua, agora o inimigo era o Islã e o multiculturalismo, que o delírio antissemita considera ser financiado pelo judaísmo.
Os atentados em Utoya, Munique, Pittsburg, El Paso, Christchurch e agora Buffalo, entre outros, são a continuação da violência fascista contra minorias —a quem, em um delírio ideológico, a futura destruição da civilização ocidental e dos valores cristãos é atribuída.
O fascismo é e sempre foi transnacional. Não se pode entender esta história estadunidense com ideias de excepcionalismo, porque quase nada é excepcional nas tradições fascistas estadunidenses. Ainda assim, é compreensível que muita atenção tenha sido dada às dimensões locais do fenômeno, se não tanto à história americana. Mas o que tem sido completamente ignorado até agora são as histórias globais do fascismo por trás desses ataques.
*Tradução do espanhol por Giulia Gaspar.
LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Assinantes podem liberar 5 acessos por dia para conteúdos da Folha
Leia tudo sobre o tema e siga:
Você já conhece as vantagens de ser assinante da Folha? Além de ter acesso a reportagens e colunas, você conta com newsletters exclusivas (conheça aqui). Também pode baixar nosso aplicativo gratuito na Apple Store ou na Google Play para receber alertas das principais notícias do dia. A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade. Obrigado!
Mais de 180 reportagens e análises publicadas a cada dia. Um time com mais de 200 colunistas e blogueiros. Um jornalismo profissional que fiscaliza o poder público, veicula notícias proveitosas e inspiradoras, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?
Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Carregando…
Carregando…
Patagônia argentina está pronta para a temporada de neve
Entramos na era figital e onlife; saiba o que isso muda para você
99 impacta 750 mil motoristas com a campanha Maio Amarelo por mais segurança no trânsito
Tecnologia é grande aliada da segurança nas viagens rodoviárias
Bradesco Seguros amplia projetos sustentáveis e facilita vida do cliente
100% das entregas do iFood são neutras em emissão de carbono
iFood tem como meta acabar com a poluição plástica no delivery até 2025
Fórum mostra caminhos para priorizar combate ao câncer
Carreta leva mamografia a mulheres da região amazônica
Asmático grave pode ter vida normal
Veículos elétricos: aliança liderada pela 99 busca superar os desafios de expansão
Conheça quatro estações de esqui para aproveitar a neve que está chegando
Não existem limites para a inteligência artificial, estamos apenas começando
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Em Porto Alegre, ex-presidente cita FHC e Serra e diz que país 'era feliz' com disputa do PT contra PSDB
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Parcela dos entrevistados que se diz muito temerosa em relação ao contágio é de 37%, a menor desde abril de 2020
Recurso exclusivo para assinantes
assine ou faça login
Atirador portava um rifle e uma pistola e também morreu no local; ação se dá 8 dias após massacre em escola no Texas

O jornal Folha de S.Paulo é publicado pela Empresa Folha da Manhã S.A.
Copyright Folha de S.Paulo. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.
Cadastro realizado com sucesso!
Por favor, tente mais tarde!

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.