Os militares voltaram de vez para o jogo da política – VEJA

As Forças Armadas são as grandes vencedoras do governo Bolsonaro. Se o presidente for reeleito, os militares vão dividir o poder com o Centrão como fizeram nos últimos quatro anos, segurando mais de 6 mil cargos em comissão, ingerências nas estatais e vantagens salariais. É ilusão, no entanto, supor que eles perderão tanto assim se Lula da Silva tomar posse.
O desafio de Lula nos próximos meses é comparável ao de Getúlio Vargas, o ditador que retornou ao poder com 48% dos votos nas eleições de 1950 depois de ser deposto pelos generais, e de Tancredo Neves, o candidato que montou a mais ampla aliança política da história para encerrar a ditadura militar em 1985. Mas há um terceiro presidente que pode servir de exemplo ao Lula de 2022, Juscelino Kubitschek.
Vitorioso nas eleições de 1958 com 36% dos votos contra 30% do general Juarez Távora e 26% do governador Ademar de Barros (não havia segundo turno à época), Kubitschek teve a vitória questionada. O líder da oposição Carlos Lacerda defendeu um golpe militar para impedir a posse: “Àqueles que têm nas mãos a força de capaz de decidir a questão. Basta que ouçam a voz do seu patriotismo, e não a dos que falam em legalidade para entregar o Brasil a contraventores e criminosos do pior dos crimes, que é o de enganar o povo com o dinheiro que lhe roubam”. A conspiração tinha o apoio do presidente interino Carlos Luz e só não foi à frente porque o general Henrique Lott fez um golpe preventivo, derrubou o presidente e garantiu a posse de JK.
Lula não tem um general Lott. Seus contatos militares estão na reserva. Seus interlocutores nas casernas, os ex-ministros da Defesa Nelson Jobim e Jaques Wagner, lhe trazem relatos edulcorados sobre o clima nos quartéis. Os relatos são de que as ameaças golpistas são de uma minoria e que os militares nomeados para cargos civis apenas cumpriam uma missão.
O simples fato de Lula ter a cautela de ter enviados aos quartéis, no entanto, é a prova da vitória das Forças Armadas. No curto prazo, ter as benesses de um governo Bolsonaro é bom, mas no longo prazo o importante para as FFAA é voltar a ter um papel na política. Este protagonismo, o governo Bolsonaro devolveu às FFAA.
Na segunda-feira (23/05), o Instituto General Villas-Bôas lançou o “Projeto de Nação, o Brasil em 2035” (a íntegra pode ser lida aqui). O projeto, coordenado pelo general Luiz Eduardo Rocha Paiva, ex-presidente da ONG Ternuma (Terrorismo Nunca Mais), do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, ex-chefe do DOI-CODI, departamento de repressão política durante a ditadura militar, é uma coleção de platitudes, xenofobia, premissas erradas e conclusões inconsequentes. Defende o fim da gratuidade do sistema único de saúde, a intervenção política nas universidades e ataques aos direitos das minorias. O Brasil de 2035 do projeto dos militares é pior que o de 2022.
O fato, porém, de os generais da reserva estarem colocando as suas ideias em livro comprova que eles voltaram a ter protagonismo.
De 1989 até 2016, os generais só eram lembrados pelos presidentes e governadores para tocar as operações de intervenção nos Estados, as GLOs, resolvendo problemas imediatos de segurança. Depois do histórico tuíte do ex-comandante general Eduardo Villas-Bôas admoestando o STF a prender Lula da Silva em 2018, as coisas mudaram. O próprio Villas-Bôas foi ouvido por todos os candidatos a presidente (inclusive Fernando Haddad), o Ministério da Defesa deixou de ser prerrogativa de um civil, os Ministérios das Relações Exteriores e Meio Ambiente passaram a se consultar com generais e almirantes e o próprio TSE chamou militares para opinar sobre o processo eleitoral. O documento do Instituto General Villas-Bôas inspirou a Câmara dos Deputados a retomar uma pauta de cobrança de mensalidades nas universidades públicas, uma das ideias defendidas pelos militares. Os militares voltaram a ter um papel político ativo e não vão sair do jogo. Com ou sem Bolsonaro.
A partir de R$ 19,90/mês 
A partir de R$ 12,90/mês 
A partir de R$ 12,90/mês 
A partir de R$ 12,90/mês 
A partir de R$ 12,90/mês 
A partir de R$ 9,90/mês 
Leia também no GoRead
Copyright © Abril Mídia S A. Todos os direitos reservados.
Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.
Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo
Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.