Família brasileira queixa-se de xenofobia em restaurante de Braga – O MINHO

Restaurante lamenta episódio e repudia “veementemente” qualquer ato xenófobo
em
Por
Uma família brasileira queixa-se de ter sido alvo de xenofobia num restaurante de Braga. As imagens de um homem, intitulando-se o “dono” e gritando “vocês vêm para aqui fazer o que querem” viralizaram rapidamente nas redes sociais, sobretudo entre a comunidade imigrante do Brasil. Entretanto, o estabelecimento repudiou a situação e garante que a pessoa em causa “não é o dono do restaurante”, mas “o proprietário do espaço”. O caso poderá seguir para a justiça.
Tudo aconteceu na passada sexta-feira, quando a família – um casal, a mãe da mulher e duas crianças, de 4 e 11 anos – estava a almoçar n’O Gato do Rio, em Este S. Pedro, Braga. No final do almoço, um grupo de pessoas mais velhas, entre as quais o homem em causa, sentaram-se numa mesa no espaço exterior, onde estava a família brasileira.
“A garota (menina) de 4 anos estava no jardim e pegou numa florzinha. Aí esse senhor foi lá e falou com ela: ‘olhe, não pode pegar flor’. E a pequena voltou para a mãe, abalada”, conta a O MINHO o casal brasileiro, que pediu para não ser identificado, lamentando, para começar, o facto de o homem ter abordado diretamente a criança em vez de chamar a atenção aos adultos na mesa.
Entretanto, enquanto pedem a conta, o homem do casal foi “com as crianças até à beira do rio”, para acalmar a menina que estava a chorar, e estavam “jogando nem era pedra, era brita, pequenina, no rio”. Nessa altura, o senhor aborda-os dizendo que não podem atirar pedras ao rio.
“Peço desculpas, a gente não faz mais isso, estávamos voltando para a mesa, quando chegou a minha sogra e diz-lhe: o senhor, por favor, cuida dos seus netos, a gente cuida dos nossos”, conta o queixoso, referindo que é aí que o homem se “transforma” e começa a agir de forma ríspida. E, por isso, nesse momento, começa a gravar a cena com o telemóvel – vídeo que foi parar às redes sociais, mas entretanto eliminado.
“É o trecho da imagem que foi visto, com ele expulsando a gente e se apresentando como dono. [Nós respondemos] ok, a gente vai embora, inclusivamente não voltamos mais, apesar de ser um restaurante da nossa eleição. Ele estava discursando, começou a subir no palanque e a discursar: ‘Vocês vêm aqui e fazem o que querem’. Vocês quem? De quem está falando? Está falando comigo, com a criança que mandou a pedra, com quem?”, questiona o homem.
“Ali começou uma humilhação em público totalmente desproporcional a uma chamada de atenção de ‘por favor não jogue pedra no rio’”, lamenta.
“Entrámos no restaurante, os funcionários extremamente constrangidos e envergonhados, até porque eles me conhecem, sou cliente da casa, pedindo mil desculpas”, conta, acrescentando que pediu o livro de reclamações. “Disseram: ‘você vai prejudicar o restaurante, ele não é o dono, é o pai do dono’. Mas eu não posso ser humilhado em público e me calar”.
E aí o proprietário do espaço volta a entrar no restaurante intimando a família: “Quem é que vai fazer reclamação, isso é um absurdo, quem vocês pensam que são?”.
É então que o homem do casal ligou para a polícia e, quando foi atendido, “o senhor foi embora”.
Tanto o homem do casal, como a sogra, escreveram no livro de reclamações.
Para o casal, não subsistem dúvidas de que se tratou de um caso de xenofobia. “Acho que ele se estava a referir aos brasileiros. A gente ouve muito isso. E foi também por isso que viralizou nas redes”, salienta a mulher.
Entretanto, o casal entregou o caso aos advogados que estão a estudar a “estratégia” a ser seguida.
Após o caso ter sido tornado público, o restaurante fez um comunicado na sua conta de Instagram em que repudia “veementemente todo e qualquer ato de racismo, xenofobia ou que vise ofender ou ostracizar qualquer pessoa”.
O Gato do Rio salienta que “o lamentável episódio sucedido na passada sexta-feira, 13 de maio, na esplanada do nosso estabelecimento não foi protagonizado pelo dono do restaurante, mas sim pelo proprietário do espaço”.
 
 
Uma publicação partilhada por Restaurante O Gato do Rio (@ogatodorio)

“Esclarecemos que o proprietário não possui qualquer poder e autoridade nas atividades conduzidas pelo restaurante O Gato do Rio, quiçá para proibir ou criticar quaisquer atividades ou atos dos nossos clientes”, reforça o comunicado.
E desenvolve: “Recebemos diariamente pessoas de diversas nacionalidades e agimos sempre de forma atenciosa, amável e profissional, visto ser um dos lemas da nossa casa receber os clientes como se parte da nossa família fossem”.
“Temos como prioridade a satisfação e bem-estar dos nossos clientes, de modo a proporcionar momentos inesquecíveis na nossa companhia e espaço. Nos solidarizamos com a família envolvida, e toda a comunidade, nos colocando a disposição para o que for necessário. Um ato isolado não deve ser atribuído ao estabelecimento O Gato do Rio, nem aos seus colaboradores, que connosco compartilham dos mesmos princípios e valores de excelência”, refere a gerência d’O Gato do Rio, reafirmando que “não se revê em qualquer atitude de teor xenófobo ou desrespeitosa para com qualquer pessoa”.

Aguaceiros e trovoada aproximam-se do Minho. ‘Chuva de lama’ é pouco provável
Refugiados ucranianos que vieram para Braga estão a regressar
Hot Deals da Cardan Braga têm oportunidades em Usados e Seminovos
Calor, poeiras, aguaceiros, trovoada e granizo. Braga e Viana em aviso amarelo
Pizzaria evacuada em Braga após incêndio num forno
Jovem de Famalicão ferido após colisão em Braga
A super-exposição vai estar disponível até 29 de maio
Honda Days
Novo “Velocidade Furiosa” vai ser filmado em Portugal (e vai passar pelo Norte)
Pelo menos três mortos em acidente com autocarro que ia de Guimarães para Fátima
Juntos no amor e no crime. Cinco anos de prisão para casal que assaltava em Braga
Bebé de 2 anos queimado com água a ferver em Vieira do Minho. Helicóptero acionado

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.