Por que não dá para desculpar o racismo do vereador de São Paulo – VEJA

De maneira vil e degradante, o vereador branco Camilo Cristófaro (PSB-SP), representante do povo paulistano, em sessão da câmara municipal, afirmou para um interlocutor que o fato de uma calçada apresentar-se mal arrumada e não lavada se tratava de “coisa de preto”. A expressão manifestamente de cunho racista provocou imediata e estrondosa repercussão negativa, e, como é notório quando os criminosos raciais são pegos com a mão na botija, ele se desculpou publicamente afirmando reconhecer que “errou”.
Uma das características estruturantes do racismo é alicerçar sua justificativa a partir da convicção de que existe uma distinção natural entre negros e brancos, onde os brancos são portadores das virtudes e os negros de todas as negatividades, vícios, máculas e imperfeições. A virtude e a brancura transformam-se em expressão da humanidade na sua perfeição, pureza e bondade e todo o resto é fruto da brutalidade, da boçalidade e estupidez própria dos animais.
Esse universo artificial branco de conforto e comodidade constrói a dicotomia que separa o negro do branco e a relativização que fundamenta e determina sua permanente construção, defesa e manutenção. O branco é a expressão da virtude e, assim, o superior que precisa ser preservado, cultuado e celebrado como expressão da humanidade, e o negro, por outro lado, aquele despossuído de humanidade, e que , por isso mesmo, pode, deve e precisa ser aviltado, vilipendiado e desprezado como expressão da animalidade que é portador.
Junto com os atos, gestos e atitudes, a manifestação do pensamento tem sido arma potente e vigorosa na exteriorização, prática e difusão do ódio e da intolerância racial. Coisa de preto, assim, é a expressão mais definitiva com as quais os racistas convictos ou involuntários têm externalizado (de forma direta ou em atos falhos) a torpeza, a indignidade e a vilania do racismo contra os negros.
O racismo é cruel. Ele ofende, agride e violenta a dignidade, a honra e humanidade do indivíduo, semeia a discórdia, estimula o conflito e cerceia o exercício igualitário dos direitos; além de menosprezar, desprezar e afrontar a cidadania. Justamente por essa gravidade, o racismo deve ser punido rigorosamente. O repúdio social pode até constranger e fazer calar os racistas, mas o racismo é crime hediondo, e com o crime e os criminosos raciais não pode haver concessão.
No caso do jornalista William Waack, que relacionou desordem, alarido e bagunça como coisa de preto, a direção da Rede Globo teve coragem, grandeza e nenhuma pena ou compaixão: demissão sumária. Já no episódio do vereador Camilo Cristófaro, o que farão Milton Leite, o presidente negro da Câmara dos Vereadores, e seus pares, diante do crime comprovado?
A partir de R$ 19,90/mês 
A partir de R$ 12,90/mês 
A partir de R$ 12,90/mês 
A partir de R$ 12,90/mês 
A partir de R$ 12,90/mês 
A partir de R$ 9,90/mês 
Leia também no GoRead
Copyright © Abril Mídia S A. Todos os direitos reservados.
Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.
Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo
Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.