Precisamos falar sobre a discriminação racial – Promoview

Por: Samanta Lopes

19 de Abril de 2022
*Por Samanta Lopes 
A discriminação racial gera “feridas” sociais que se escancaram desde os primórdios da história do mundo. Infelizmente, se hoje no Brasil falamos sobre o quanto esse tipo de preconceito promove o genocídio e a exclusão da população negra e indígena, entre outros grupos, impedindo que essas pessoas acessem seus direitos de cidadãs, devemos reconhecer que é uma dor antiga e injusta para muitos ao redor do mundo. 
Há registros antigos sobre a segregação baseada nas diferenças étnico-raciais, principalmente usando o marcador da cor da pele, entre outros que compõem o *fenótipo das pessoas, e assim fortalecendo as teorias de hierarquização das raças. 
A diáspora judaica retratada nos registros bíblicos, as diásporas de povos entre os territórios e continentes durante as grandes colonizações, a diáspora africana durante o período de escravização, enfim, há várias referências mostrando que grupos justificaram sua supremacia sobre outros para controlá-los. 
Em 1966, a Organização das Nações Unidas (ONU) promulgou a Resolução A/RES/2142 (XXI), em memória ao “Massacre de Shaperville”, nomeando o dia 21 de março como o Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial. 
A HISTÓRIA
No dia 21 de março de 1960, na cidade de Joanesburgo, capital da África do Sul, 20 mil negros protestavam contra a lei do passe, que os obrigava a portar cartões de identificação, especificando os locais por onde eles podiam circular. 
No bairro de Shaperville, os manifestantes se depararam com tropas do exército. Mesmo sendo uma manifestação pacífica, o exército atirou sobre a multidão, matando 69 pessoas e ferindo outras 186. Esta ação ficou conhecida como o Massacre de Shaperville. 
O Artigo I da Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial diz o seguinte: 
Discriminação Racial significa qualquer distinção, exclusão, restrição ou preferência baseada na raça, cor, ascendência, origem étnica ou nacional com a finalidade ou o efeito de impedir ou dificultar o reconhecimento e exercício, em bases de igualdade, aos direitos humanos e liberdades fundamentais nos campos político, econômico, social, cultural ou qualquer outra área da vida pública. ” 
E o que as empresas têm a ver com esse marco histórico? 
O microcosmo representado por uma empresa deve ser o reflexo do macrocosmo que a rodeia. Incluir a data nas agendas de atividades para conscientização social, através de rodas para conversas, leituras de livros sobre as questões sociais da exclusão de pessoas negras, vídeos e debates com a presença de pessoas protagonistas negras para estudar formas alternativas para inclusão dos grupos invisibilizados, é fundamental para desenvolver o território e gerar um ecossistema saudável e sustentável. 
Aqui, não quero dizer que somos todos responsáveis pelo que houve no passado. No entanto, isentar-se da construção de uma sociedade mais humanizada e equânime é omitir-se e perpetuar a exclusão, a violência e a desigualdade social. 
As áreas de gestão de talentos precisam se preparar para atuar fortemente com os grupos entre os quais essas mudanças irão promover ‘desconforto’, sejam eles internos, ao considerar movimentos como um censo para entender perfis das pessoas que atuam na empresa, movimentos de revisão cultural para um modelo mais inclusivo, e mapeamento de possíveis barreiras que precisarão ser superadas com formações e ações de conscientização; devem gerar métricas passíveis de evidenciar os benefícios gerados para a gestão e a sociedade. 
No âmbito externo, através de conexões com outras pessoas e empresas para trocas, contratação de empresas especialistas com protagonistas em suas equipes. Essa é uma das ações fundamentais para criar ações mais efetivas no processo de transformação para uma cultura inclusiva, e engloba todos os ‘stakeholders’. 
As melhores práticas de ESG (sigla traduzida do inglês – governança ambiental, social e corporativa) visam garantir sustentabilidade corporativa, equilíbrio ambiental, justiça social e elevada governança corporativa, ou seja, protegem as empresas através de investimentos socialmente responsáveis, que devem colaborar para a sobrevivência do mundo. 
Toda empresa que busca estar alinhada às melhores práticas, precisa incluí-las em suas políticas de sustentabilidade, e as áreas de gestão de talentos precisam ser incluídas em toda a mobilização de recursos para garantir a saúde das pessoas colaboradoras em todo o processo, visto que mudar a cultura é ‘mexer’ com valores, crenças e vieses das pessoas. 
Missão, visão e valores precisam ser vivenciados de dentro para fora das organizações – as mudanças precisam ser reais, reflexivas e profundas –, as premissas da ESG certamente servirão de base para garantir que as práticas de “*Diversity Washing” não ocorram. 
Deixo aqui duas perguntas: sua empresa sabe fazer investimentos? Que tal adotar um dos “social money” e apoiar, de verdade, um mundo mais sustentável para todas as pessoas? 
*Fenótipo: engloba características físicas, morfológicas e comportamentais de uma pessoa.
*Calendarr: https://www.calendarr.com/brasil/dia-internacional-contra-a-discriminacao-racial/
*Diversity Washing: https://www.blend-edu.com/o-que-e-diversity-washing-e-porque-sua-empresa-deveria-se-preocupar-com-isso/ 
*Samanta Lopes é coordenadora MDI da um.a #DiversidadeCriativa, agência de?live?marketing – uma@nbpress.com
Tags: diversidade racismo inclusao conteudo
Promoview 2006 – 2022.
Todos os direitos reservados
Promoview 2006 – 2022. Todos os direitos reservados

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.