Instituto para a Reabilitação contabiliza 1.023 queixas por discriminação por deficiência em 2020 – Observador

Ouvir Rádio
©2022 Observador
A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.
Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais
Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.
Siga o tópico Discriminação e receba um alerta assim que um novo artigo é publicado.
Foram comunicadas oito decisões finais relativas a queixas por discriminação apresentadas em 2020, todas de arquivamento, sendo seis delas com o fundamento de falta de competência para julga a queixa.
Exclusivo assinantes: Ofereça artigos aos seus amigos.
Do total das 1.023 queixas, 75 correspondem a processos encaminhados, estando ainda a decorrer 837 processos
MIGUEL A.LOPES/LUSA
Do total das 1.023 queixas, 75 correspondem a processos encaminhados, estando ainda a decorrer 837 processos
MIGUEL A.LOPES/LUSA
O Instituto Nacional para a Reabilitação contabilizou 1.023 queixas por discriminação em razão da deficiência e risco agravado de saúde em 2020, entre os quais 14 casos de pessoas com dificuldade em comprar ou arrendar casa.
De acordo com os dados que constam no relatório, que está desde esta sexta-feira disponível na página online do INR, o instituto contabilizou 1.023 queixas, entre 1.006 recebidas entre as entidades públicas com competência para receber e tratar queixas por discriminação em razão da deficiência, e outras 17 feitas diretamente no INR.
No caso são 40 as entidades, entre direções-gerais, autoridades nacionais, inspeções-gerais, entidades reguladoras ou outras entidades, sendo que oito delas não responderam aos pedidos de informação do INR. Entre as 32 que responderam ao inquérito do INR, só 17 afirmaram ter recebido queixas.
Entre as 1.006 queixas recolhidas entre as 17 entidades, a maioria (865) foram feitas junto do Provedor de Justiça, seguindo-se a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes, com 75 queixas e o Instituto dos Registos e Notariado, com 11.
PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR
Entre as práticas discriminatórias mais referidas está a recusa ou a limitação de acesso aos cuidados de saúde prestados em estabelecimentos de saúde públicos ou privados, com 142 queixas, a recusa ou a limitação de acesso aos transportes públicos, quer sejam aéreos, terrestres ou marítimos, com 75 reclamações, ou a recusa ou limitação no acesso a locais abertos ao público, da qual 53 pessoas se queixaram.
Houve também 93 pessoas que se queixaram contra práticas levadas a cabo por parte de qualquer empresa, entidade, órgão, serviço, funcionário ou agente da administração direta ou indireta do Estado, das Regiões Autónomas ou das autarquias locais, que condicionaram ou limitaram a prática do exercício de qualquer direito.
Trinta e três pessoas reclamaram contra a recusa ou limitação de acesso a estabelecimentos de ensino, públicos ou privados, assim como a qualquer meio de compensação ou apoio adequado às necessidades específicas dos alunos com deficiência e outras 33 pelo facto de o empregador ter adotado práticas no âmbito da relação laboral que discriminou um trabalhador ao seu serviço.
Houve também 14 pessoas que se queixaram do facto de lhes ter sido recusado ou dificultado o arrendamento, subarrendamento ou venda de imóveis, bem como o acesso ao crédito bancário para a compra de habitação, a recusa em fazer um seguro de saúde ou a penalização na celebração de contratos de seguros.
No entanto, só foram comunicadas ao INR oito decisões finais referentes a queixas por discriminação apresentadas em 2020, todas de arquivamento, “sendo que seis das mesmas com fundamento na inexistência de prática discriminatória e duas por alegada falta de competência e falta de jurisdição para o tratamento da queixa”.
Relativamente às 17 queixas dirigidas ao INR, este número resulta da subtração entre o número inicial de 49 queixas recebidas e reencaminhadas para as entidades com competência instrutória e as 32 entidades que declararam ter recebido também queixas por o INR entender que poderia haver duplicação da mesma queixa.
“Do total das 1.023 queixas, 75 correspondem a processos encaminhados, estando ainda a decorrer 837 processos. No tocante aos 94 processos que se encontram finalizados verifica-se terem existido quatro processos da entidade ACT [Autoridade para as Condições do Trabalho] que foram objeto de uma decisão de advertência e que, pelo seu cumprimento “por parte dos empregadores não foram levantados os respetivos autos de notícia”, refere o relatório.
Os militares
Olá Lenine
Estranha caça às bruxas
Será Centeno a última das pombas do BCE?
Síndrome de abstinência dos especialistas da Covid
“Caso Marega”. TCA do Sul nega recurso da FPF 
Processo para polícias que prenderam atleta luso
“Em depressão parece que nada faz sentido”
Tribunal. Chamar homem de careca é assédio sexual
G7 critica decisão da Índia de proibir exportações
Alemanha. Homem esfaquei várias pessoas em comboio
Eu, cronista, me confesso
As notícias das 13h
Cravinho prevê “derrota estratégica” da Rússia
Rio Ave campeão, Casa Pia sobe 83 anos depois
Mapa. O que se passa no 81.º dia da guerra
Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.
A enviar artigo…
Ainda tem para partilhar este mês.
O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.
Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.
Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.
Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.
Por favor tente mais tarde.
Obrigado por assinar o jornalismo que faz a diferença.
Rua João Saraiva, nº 7
1700-248 Lisboa
© 2022
Disponível gratuitamente para iPhone, iPad, Apple Watch e Android

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.