'Racistas não passarão': Racismo no metrô é reação a autoestima dos negros – UOL Notícias

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.
André Santana é jornalista, cofundador do Instituto Mídia Étnica e do portal Correio Nagô
Colunista do UOL
06/05/2022 12h28
A reação de indignação dos usuários do metrô de São Paulo, que na última segunda-feira (2), testemunharam um caso de injúria racial é uma esperança no combate ao racismo.
Uma mulher negra, de 35 anos, ouviu de outra passageira branca e loira, que tomasse cuidado com seu cabelo, que “poderia passar alguma doença”, segundo denúncia registrada em delegacia.

A vítima reagiu à agressão racista e despertou a atenção de usuários do metrô, que se revoltaram com a fala preconceituosa e passaram a acusá-la de racista.
“Racistas não passarão”, gritava a multidão, conforme vídeos que circulam pela internet.
Os passageiros impediram a saída da agressora até a chegada da polícia à estação Vila Mariana, na zona sul paulista.
Ao associar o cabelo da mulher negra ao risco de doença, ofendendo a sua honra a partir de um traço da sua origem étnica, a mulher cometeu o crime de injúria racial, previsto no Código Penal, com possível pena de reclusão de um a três anos.
Além da exposição pública da agressão, os passageiros confirmaram o ocorrido em testemunho nos jornais e na própria polícia.
Essa atitude da população demonstra que a rejeição ao racismo vem conquistando cada vez mais pessoas dispostas a agirem. Não basta se dizer antirracista, é necessário atuar contra o racismo.
Neste sentido, há muito a ser feito e a contribuição de cada um é fundamental para eliminar essa forma de violência e segregação.

Paulo André, o PA, no Baile da Vogue 2022 - Roberto Filho/Brazil News - Roberto Filho/Brazil News

Paulo André, o PA, no Baile da Vogue 2022

Imagem: Roberto Filho/Brazil News

A vítima desta situação se sentiu acolhida e fortalecida pelo apoio popular, diferentemente do que ocorre no dia a dia, quando a pessoa preta, ao denunciar o incômodo com algum tipo de discriminação, é desacreditada e acusada de mi mi mi.
Quanto mais denúncias e exposições públicas, mais inibidos ficarão aqueles acostumados a discriminarem a partir de comentários, falsas piadas ou mesmo ofensas diretas.
A aceitação e orgulho pelas características físicas de origem africana pela comunidade negra é uma longa construção que rompe com a lógica racista de associação a tudo que é ruim, feio, sujo e nocivo. Dentre esses elementos, os cabelos são um dos principais símbolos de auto-valorização e resistência.
A diversidade de penteados, tranças, adornos e turbantes revela o resultado positivo do histórico de militância negra e de incentivo à conscientização e conhecimento sobre suas origens e valor como povo.
Por isso incomoda tanto aos racistas uma pessoa negra assumindo seu cabelo crespo e ostentando o seu orgulho, contrariando o padrão eurocêntrico imposto pelo racismo. Trata-se de uma desobediência estética civilizatória e libertadora.
Nesta semana, um apresentador da Rede TV fez um comentário preconceituoso ao vivo, comparando a cadarços de sapato o penteado feito pelo velocista e finalista do BBB 2022, Paulo André, para participar do concorrido Baile da Vogue.
Imagine o quanto de ressentimento há em uma mente racista que tem de presenciar o sucesso de um homem negro, atleta já premiado, que conquistou o país pela sua beleza e seu jeito alegre, carinhoso e amável com que tratou a todos durante o reality show.
O carisma e o encanto de Paulo André são tudo que o ideal racista não espera enxergar em uma pessoa negra. Por isso a ofensa do apresentador que não se destaca nem pela beleza, nem pelo talento, nem pela popularidade e nem por nada.
As palavras agressivas da mulher do metrô ou do cara da tevê expressam o incômodo que não conseguem esconder diante da autoestima de uma pessoa preta que não tem vergonha de ostentar seu cabelo, sua beleza e seu orgulho.
Por um lado, os racistas estarão cada vez mais incomodados, agressivos e explícitos em suas ofensas.
Por outro lado, onde está a maioria populacional deste país, cresce o contingente de pessoas pretas não mais dispostas a aceitarem as definições de lugar, de modos e de comportamentos ditados pelo padrão branco.
Cabelos crespos desfilarão pelas cidades, nos bailes e nos vagões. Já os racistas, como gritaram os usuários do metrô de São Paulo, “não passarão”.
** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL
ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Por favor, tente novamente mais tarde.

Não é possivel enviar novos comentários.
Apenas assinantes podem ler e comentar
Ainda não é assinante? .
Se você já é assinante do UOL, .
O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

André Santana
André Santana
André Santana
André Santana
André Santana
André Santana
André Santana
André Santana
André Santana
André Santana
André Santana

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.