Mudanças no SEF resultam de "compromissos internacionais", diz ministro da Administração Interna – Observador

Ouvir Rádio
©2022 Observador
A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.
Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais
Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.
Siga o tópico Serviço De Estrangeiros E Fronteiras e receba um alerta assim que um novo artigo é publicado.
Ministro da Administração Interna assegura que a extinção do SEF é o resultado de "um compromisso com as instituições europeias" para reforçar "o controlo policial de fronteiras".
Exclusivo assinantes: Ofereça artigos aos seus amigos.
Esta foi já a segunda vez que a extinção do SEF adiada e aprovada no parlamento
LUSA
Esta foi já a segunda vez que a extinção do SEF adiada e aprovada no parlamento
LUSA
O ministro da Administração Interna disse, esta quarta-feira, que o processo de reestruturação do SEF, que passa pela separação das funções policiais das administrativas e de acolhimento de imigrantes, resulta de “compromissos internacionais”, nomeadamente com a União Europeia (UE).
É importante que todos tenham consciência de que a transformação que em Portugal se está a realizar relativo à separação de funções policiais das funções administrativas e de acolhimento é mesmo um compromisso que resulta de compromissos internacionais com a organização das Nações Unidas e com a União Europeia”, disse aos jornalistas José Luis Carneiro, no final da cerimónia que assinalou o 27.º aniversário da Escola Nacional de Bombeiros.
O ministro deu conta do que está a ser feito na UE para reforçar “o controlo policial de fronteiras”, nomeadamente através da criação de uma guarda de fronteiras e costeira, e, por outro lado, “passando aquilo que era um gabinete das migrações na alçada da Comissão Europeia para uma Agência Europeia das Migrações e do Asilo.
“Esse desenvolvimento institucional que está a ser desenvolvido no quadro europeu é também o desenvolvimento institucional que está a ser feito no país, garantindo a salvaguarda dos direitos humanos fundamentais, cumprindo deveres de segurança da fronteira externa do país e os nossos compromissos com a UE e, em terceiro lugar, procurando garantir os direitos dos trabalhadores”, precisou.
PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR
Questionado se o Governo vai extinguir o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, o governante respondeu que “é um compromisso do Estado português assumido e aprovado no parlamento”.
“Há um compromisso programático, há um compromisso com as instituições europeias”, salientou.
A extinção do SEF foi adiada até à criação da Agência Portuguesa para as Migrações e Asilo (APMA), não existindo uma data para tal acontecer.
Esta foi já a segunda vez que a extinção do SEF, decidida pelo anterior Governo e aprovada em novembro de 2021 na Assembleia da República, foi adiada e aprovada no parlamento.
Parlamento aprova segundo adiamento da extinção do SEF

A lei determina que as atuais atribuições em matéria administrativa do SEF relativamente a cidadãos estrangeiros passam a ser exercidas por uma nova instituição, a APMA, e pelo Instituto dos Registos e do Notariado, além de serem transferidas as competências policiais para PSP, GNR e Polícia Judiciária.
O ministro frisou igualmente que “as competências e acervo de conhecimento dos profissionais do SEF, quer na função administrativa, quer nas funções policiais e criminais, serão valorizados na nova arquitetura institucional que resultar desta transformação”.
José Luís Carneiro disse ainda que o processo está em curso e que, na quinta-feira, a secretária de Estado da Proteção Civil, Patrícia Gaspar, quem tem a tutela sobre a reestruturação do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, vai ter uma nova reunião com aos três sindicatos do SEF.
Questionado sobre as afirmações do presidente do sindicato dos inspetores do SEF, que alegou que a PSP e a GNR “têm problemas estruturais de xenofobia e racismo”, o ministro escusou-se a comentar.
“Não tenho que ficar surpreendido com declarações trata-se da expressão individual, livre e que responsabiliza quem as faz”, disse.
Numa carta aberta para pedir a Marcelo Rebelo de Sousa que evite a extinção do SEF, o presidente do Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SCIF/SEF) criticou a transferência das competências policiais para a PSP e a GNR, ao afirmar que estas forças “têm problemas estruturais de xenofobia e de racismo”.
CMP // ZO
Lusa/fim
Os militares
Será Centeno a última das pombas do BCE?
Pode o Dia da Vitória ser a derrota de Putin?
Quem é o “Rasputine de Putin”?
Einstein devia ter conhecido Marta Temido
18h. PSP acusa sindicato do SEF de ilícito
Críticas “dão jeito à estratégia” do Sindicato SEF
Sindicato pede queixa-crime ao presidente do SEF
A6. Processo contra Eduardo Cabrita arquivado
Jovens preferem emigrar. Eu também faria o mesmo
Bom Petisco procura atum de ração russa
Festa do FCP. Principal suspeito em preventiva
Onda de calor mantém-se até sábado
As notícias das 9h
Síndrome de abstinência dos especialistas da Covid
Governo condena morte de jornalista palestiniana
Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.
A enviar artigo…
Ainda tem para partilhar este mês.
O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.
Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.
Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.
Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.
Por favor tente mais tarde.
Obrigado por assinar o jornalismo que faz a diferença.
Rua João Saraiva, nº 7
1700-248 Lisboa
© 2022
Disponível gratuitamente para iPhone, iPad, Apple Watch e Android

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.