“A mulher cigana não tem de ser só 'livre' para estudar e trabalhar dentro de uma cadeia” – Público

No Estabelecimento Prisional de Santa Cruz do Bispo nem os familiares podem censurar as mulheres ciganas nem os funcionários as podem enjeitar. Muitas sentem-se livres para estudar e trabalhar por conta de outrem. Saem com mais escolaridade e experiência de trabalho. E depois?
Elisa tem urgência na voz. Quer dizer que caiu numa armadilha de pobreza, tradição, abandono escolar, discriminação. Espera sair do Estabelecimento Prisional de Santa Cruz do Bispo, em Matosinhos, com o 12.º ano e experiência laboral. Será o suficiente para não voltar a cair?

Leia os artigos que quiser, até ao fim, sem publicidade
Faça parte da comunidade mais bem informada do país
Seja o primeiro a comentar.
Escolha um dos seguintes tópicos para criar um grupo no Fórum Público.
Ao criar um novo grupo de discussão, tornar-se-à administrador e será responsável pela moderação desse grupo. Os jornalistas do PÚBLICO poderão sempre intervir.
Saiba mais sobre o Fórum Público.
Ao activar esta opção, receberá um email sempre que forem feitas novas publicações neste grupo de discussão.
Email marketing por
@ 2022 PÚBLICO Comunicação Social SA
Para permitir notificações, siga as instruções:
Estes são os autores e tópicos que escolheu seguir. Pode activar ou desactivar as notificações.
Receba notificações quando publicamos um texto deste autor ou sobre os temas deste artigo.
Estes são os autores e tópicos que escolheu seguir. Pode activar ou desactivar as notificações.
Para permitir notificações, siga as instruções:

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.