Sindicato apela ao Governo para que acabe com discriminação dos professores no estrangeiro – Observador

Ouvir Rádio
©2022 Observador
A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.
Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais
Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.
Siga o tópico Professores e receba um alerta assim que um novo artigo é publicado.
"Os candidatos que se encontram afetos ao Ministério dos Negócios Estrangeiros são relegados para a segunda prioridade", no acesso à carreira, que lhes permite regressar a Portugal.
Exclusivo assinantes: Ofereça artigos aos seus amigos.
O sindicalista diz que pouco mais de uma centena de docentes tem interesse em voltar a Portugal
JOSÉ COELHO/LUSA
O sindicalista diz que pouco mais de uma centena de docentes tem interesse em voltar a Portugal
JOSÉ COELHO/LUSA
O Sindicato Nacional e Democrático dos Professores (Sindep) apelou ao Governo para que acabe com a “discriminação” dos professores do Ensino de Português no Estrangeiro no acesso à carreira, que os impede de regressar a Portugal.
Orlando Silveira, membro da comissão permanente do Sindep, disse à agência Lusa que em causa está “o regulamento dos concursos dos docentes do ensino básico e secundário, em vigor em Portugal, e que tem na sua norma uma forma de os docentes que estão em contrato poderem ter condições para aceder à carreira, por via de concurso externo”.
Os concursos externos abertos pelo Ministério da Educação contemplam a possibilidade de os professores a lecionar em Portugal, com contrato a termo resolutivo, em horário anual e completo pelo terceiro ano consecutivo, possam concorrer na primeira prioridade”, a qual garante o acesso direto à carreira e, logo, a uma consequente melhor remuneração, explicou.
Contudo, “os candidatos que se encontram afetos ao Ministério dos Negócios Estrangeiros, através de comissão de serviço no Instituto Camões, são relegados para a segunda prioridade”.
PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR
Estes professores do Ensino de Português no Estrangeiro (EPE) “não têm neste momento, do ponto de vista legal, forma de integrar a primeira prioridade para efeitos de poderem entrar na carreira”, disse.
“Se não entrarem na carreira, não terão hipótese de fazer as progressões mediante o tempo de serviço e as avaliações que vão sendo feitas”, lamentou.
O sindicalista recordou que a Assembleia da República já recomendou ao Governo (resolução 237/2018) que “posicionasse os docentes do EPE na primeira prioridade do concurso externo previsto no regulamento dos concursos”.
“A própria Assembleia da República já identificou o problema, aprovou a resolução, mas esta não teve quaisquer efeitos”, afirmou Orlando Silveira.
Segundo o sindicalista, os docentes nestas condições que têm interesse em voltar a Portugal, mas não o fazem devido a esta “discriminação”, são pouco mais do que uma centena.
O sindicato questionou: “Será necessário os profissionais lesados por esta arbitrariedade recorrerem ao Tribunal Constitucional ou ao Tribunal de Justiça da União Europeia?”.
Para já, aguarda pela próxima reunião com o ministro da Educação, João Costa, marcada para 11 de maio, quando este será um dos temas em análise.
O eng. Moreira da Silva vai direitinho ao futuro
Porque é que o PCP não condena Putin?
A seguir é a China
A “taxifização” da Uber e da Bolt
O afundador social
Plano de capacitação emocional dos docentes
Professores pedem para completar horários ocupados
Ensino Superior. Há facilitismos? Ligue 910024185
Ensino Superior nunca teve tantos alunos
Estudantes espanhóis passam a ter direito à greve
Ministra admite imperfeições no Ensino Superior
Uma oportunidade de ouro para fazer mais e melhor
Açores. Solução “não viola princípios do PSD”
1h. Azovstal. Rússia anuncia cessar-fogo
IPS. ERSE “acompanha de forma contínua” preços
Moreira da Silva elogia Ferreira Leite
Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.
A enviar artigo…
Ainda tem para partilhar este mês.
O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.
Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.
Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.
Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.
Por favor tente mais tarde.
Obrigado por assinar o jornalismo que faz a diferença.
Rua João Saraiva, nº 7
1700-248 Lisboa
© 2022
Disponível gratuitamente para iPhone, iPad, Apple Watch e Android

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.