Racismo e progresso moldaram a primeira mulher negra no Supremo dos EUA – Público

A nomeação da juíza Ketanji Brown Jackson para o Supremo Tribunal norte-americano tem mais um passo decisivo esta segunda-feira, com o provável envio do processo para votação final. Jackson, de 51 anos, cresceu na Florida e foi a primeira da sua família a não frequentar escolas segregadas.
O ano é 1987, e o Senado dos Estados Unidos prepara-se para rejeitar, no meio de um intenso debate, a nomeação do juiz Robert Bork para o Supremo Tribunal norte-americano.

Leia os artigos que quiser, até ao fim, sem publicidade
Faça parte da comunidade mais bem informada do país
Seja o primeiro a comentar.
Escolha um dos seguintes tópicos para criar um grupo no Fórum Público.
Ao criar um novo grupo de discussão, tornar-se-à administrador e será responsável pela moderação desse grupo. Os jornalistas do PÚBLICO poderão sempre intervir.
Saiba mais sobre o Fórum Público.
Ao activar esta opção, receberá um email sempre que forem feitas novas publicações neste grupo de discussão.
Email marketing por
@ 2022 PÚBLICO Comunicação Social SA
Para permitir notificações, siga as instruções:
Estes são os autores e tópicos que escolheu seguir. Pode activar ou desactivar as notificações.
Receba notificações quando publicamos um texto deste autor ou sobre os temas deste artigo.
Estes são os autores e tópicos que escolheu seguir. Pode activar ou desactivar as notificações.
Para permitir notificações, siga as instruções:

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.