Kremlin acusa Ucrânia de esconder receita de sopa de beterraba: "Xenofobia, nazismo e extremismo" – Observador

Ouvir Rádio
©2022 Observador
A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.
Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais
Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.
Siga o tópico Guerra na Ucrânia e receba um alerta assim que um novo artigo é publicado.
A porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros russo acusa a Ucrânia de banir livros de culinária para esconder a receita do borsch — uma sopa de beterraba e um prato popular no leste da Europa.
Exclusivo assinantes: Ofereça artigos aos seus amigos.
A porta-voz abordou também o que aconteceu na cidade de Bucha, um "episódio que está destinado a acusar a Rússia de crimes de guerra"
Anadolu Agency via Getty Images
A porta-voz abordou também o que aconteceu na cidade de Bucha, um "episódio que está destinado a acusar a Rússia de crimes de guerra"
Anadolu Agency via Getty Images
Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.
A guerra entre a Rússia e a Ucrânia já entrou no plano culinário. A porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros russa acusou o país vizinho de “xenofobia, nazismo e extremismo”. O motivo? Segundo Maria Zakharova, a Ucrânia não “quer partilhar com ninguém a receita do borsch” — uma sopa com beterraba e um prato bastante popular no leste da Europa. Mais: a responsável alegou que Kiev baniu mesmo “livros de culinária”.
It looks like they are beginning to lose it completely at @mfa_russia. pic.twitter.com/YlPkCWXtfn
— Carl Bildt (@carlbildt) April 8, 2022

“Eles baniram todas as coisas que têm conexões com a etnicidade e com a cultura nacional. Até livros de culinária”, disse Maria Zakharova em conferência de imprensa, durante a qual explicou o seu ponto de vista: “Eles não querem partilhar borsch com ninguém. Ninguém. O borsch deve pertencer a uma nação” — neste caso a Ucrânia.
“E que tal fazer o borsch algo global? Para que todas as cidades, regiões e donas de casa possam fazer da sua maneira?”, sugeriu, apontando depois o dedo aos ucranianos: “Eles não querem fazer compromissos”. E aqui as acusações sobem de tom: “Xenofobia, nazismo e extremismo em todas as suas formas e feitios”.
PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR
Borsch
Universal Images Group via Getty
Maria Zakharova fez outras acusações. Primeiro, disse que os neonazis ucranianos “estão a cometer atrocidades” no seu próprio país: “O regime de Kiev bombardeia edifícios residenciais, matando o seu próprio povo e está a levar o seu país para um desastre humanitário”. Em contrapartida, o exército russo está a fazer tudo o que pode “para evitar a morte de civis”, além de estarem a “abrir corredores humanitários para as pessoas saírem das áreas perigosas todos os dias”.
A porta-voz abordou também o que aconteceu na cidade de Bucha, um episódio que diz ter sido criado para “acusar a Rússia de crimes de guerra”. Tal como outros responsáveis russos já tinham feito, Maria Zakharova afirmou ser uma “encenação” por parte da Ucrânia, defendendo que as forças russas “distribuíram 452 toneladas de ajuda comunitária”.
❗ Russian MFA Spokeswoman Maria #Zakharova on the situation in #Ukraine:
???? I am accusing Western and primarily the US media of not only spreading #fakenews and disinformation, but of being an accomplice in the massacre in Bucha.
The truth will always prevail. pic.twitter.com/tchimy0lWi
— MFA Russia ???????? (@mfa_russia) April 7, 2022

O que tem sido dito pelas forças ucranianas é uma “verdade alternativa”, apoiada pelos “media ocidentais”, defendeu. “Eu acuso diretamente os media do Ocidente de espalharem fake news e desinformação.” “São cúmplices do massacre de Bucha”, acusou.
Como Guterres encostou Rússia à parede
Como Costa reduziu o défice público
Afinal, porque é que Putin invadiu a Ucrânia?
Sócrates e PS: quem aldrabou quem?
CNN noticiou crianças-soldado na Ucrânia?
Rússia e Rothschild partilham brasão semelhante?
Google Maps revelou segredos militares russos?
Jornalista ucraniana faz protesto contra Zelensky?
Affleck e J-Lo com sexo 4 vezes por semana
Como Guterres encostou Rússia à parede
Ataques na Rússia. “Karma”, diz a Ucrânia
Suásticas e “Sims” em alegado assassinato tentado
Abusos sexuais na igreja. Concentrar denúncias …
Luís Gonçalves suspenso e fora do clássico na Luz
Amaro Freitas: este é o som do Brasil agora
O submarino bateu num icebergue chamado realidade
Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.
A enviar artigo…
Ainda tem para partilhar este mês.
O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.
Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.
Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.
Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.
Por favor tente mais tarde.
Obrigado por assinar o jornalismo que faz a diferença.
Rua João Saraiva, nº 7
1700-248 Lisboa
© 2022
Disponível gratuitamente para iPhone, iPad, Apple Watch e Android

source

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.